O Abrigo

abril 3, 2012 at 1:19 am 13 comentários

O título “O Abrigo”, do filme escrito e dirigido por Jeff Nichols, contém, na realidade, uma grande ambiguidade que nos vai sendo revelada na medida em que vamos conhecendo melhor o seu personagem principal, Curtis (Michael Shannon). A missão principal dele, neste longa, é tentar proteger a sua família – representada, aqui, pela esposa Samantha (Jessica Chastain) e pela filha Hannah (Tova Stewart), deficiente auditiva – de algo que ele ainda não sabe bem o que é e que pode ser a tempestade que ameaça a localidade na qual eles moram ou até mesmo ele mesmo.

Mas, você deve estar se perguntando: como um homem que tem uma aparência relativamente calma e tranquila, que é um trabalhador dedicado, um provedor para a sua família e um pai atento às necessidades de sua filha pode representar uma ameaça para aqueles que ele ama? Acontece que nós não sabemos, mas Curtis tem uma história familiar complicada, com uma mãe (Kathy Baker) que possui histórico de esquizofrenia. Por isso mesmo, a grande batalha de Curtis neste filme é solitária, porque ele, sozinho, tenta entender o que está acontecendo com ele e evitar que a sua família sofra, da mesma forma que ele sofreu quando a mãe foi diagnosticada com a doença e teve que abandonar a ele, o irmão e o marido.

Desta forma, a grande jornada de “O Abrigo” é colocar o espectador na posição de testemunha da desintegração emocional de um homem que tem aquilo que todos reconhecem como uma ótima vida. Neste sentido, é muito importante a forma como Jeff Nichols construiu a estrutura narrativa do seu longa, que tem um desenvolvimento num ritmo bastante apropriado e que mexe com vários sentimentos que são comuns ao norte-americano recente (especialmente pós 11 de setembro), como a paranoia, o medo constante e o senso de proteção excessiva.

Talvez, por esta razão, o grande destaque de “O Abrigo” acaba sendo a atuação de Michael Shannon, que retrata muito bem o conflito de Curtis, um homem que tenta manter o controle enquanto perde por completo a sua razão – está bem claro, durante o filme, que Curtis está sob enorme pressão, não só dele mesmo, mas das diversas circunstâncias de vida nas quais ele está inserido. Shannon ainda é muito bem escoltado por Jessica Chastain, que possui o importante papel de ser a pessoa que vai fazer Curtis enxergar aquilo que ele se recusava a crer. E é entre a razão e a emoção que temos o desenrolar de um dos bons filmes lançados no ano passado.

Cotação: 8,5

O Abrigo (Take Shelter, 2011)
Direção: Jeff Nichols
Roteiro: Jeff Nichols
Elenco: Michael Shannon, Jessica Chastain, Tova Stewart, Shea Whigham, Katy Mixon, Natasha Randall, Ron Kennard

Entry filed under: Filmes.

Anjos da Noite 4: O Despertar

13 Comentários Add your own

  • 1. celosilva365  |  abril 3, 2012 às 3:06 am

    Gosto muito desse filme, um dos melhores de 2011. Shannon arrebenta nesse filme, pena ter sido esquecido nas premiações. Vai saber…

    Abs.

    Responder
  • 2. Alyson  |  abril 3, 2012 às 3:43 am

    Admiro “O Abrigo”, mas é um filme que não me pegou, infelizmente. Talvez a expectativa tenha me atrapalhado. Interessante essa relação que você faz com 11 de setembro e que realmente procede e dá muito sentido ao emblema da história. Muito bacana. Beijos!

    Alyson
    http://cineaocubo.blogspot.com

    Responder
  • 3. cineaocubo  |  abril 3, 2012 às 3:45 am

    Admiro “O Abrigo”, mas é um filme que não me pegou, infelizmente. Talvez a expectativa tenha culpa nisso. Achei interessante esta relação que você faz com o 11 de setembro e faz ter muito sentido o emblema de toda a história. Muito bacana. Beijos!

    Alyson
    http://cineaocubo.blogspot.com

    Responder
  • 4. Amanda Aouad  |  abril 3, 2012 às 3:55 am

    Parece mesmo interessante.

    Responder
    • 5. Kamila  |  abril 3, 2012 às 8:13 pm

      Celo, também gostei muito desse filme. O Shannon, na realidade, foi muito lembrado nas premiações da crítica. Ficaram faltando somente as premiações principais. Abraços!

      Alyson, sim, não tenho dúvida de que a associação com o 11 de setembro e paranoia norte-americana que a ele se seguiu são o emblema dessa história. Beijos!

      Amanda, sim, é. Assista ao filme quando puder.

      Responder
  • 6. cleber eldridge  |  abril 3, 2012 às 12:40 pm

    os comentários que li foram ótimos, e me disseram que jessica chastain tem um desempenho melhor que em qualquer outro de seus filmes produzidos em 2011, vejo assim que encontrar em dvd, alias já saiu? rs.

    Responder
  • 7. Luís  |  abril 3, 2012 às 1:48 pm

    Ainda não assisti, mas está na minha lista, principalmente pelo fato de que todos têm comentado bem acerca dessa película. Belo texto, Kamila.

    Responder
  • 8. Museu do Cinema  |  abril 3, 2012 às 2:09 pm

    Michael Shannon tá demais mesmo Kamila, alias, ele tem a cara para esse papel. Gostei desse filme!

    Responder
    • 9. Kamila  |  abril 3, 2012 às 8:14 pm

      Cleber, eu discordo em relação à Jessica Chastain. Ainda considero a atuação dela em “A Árvore da Vida” sensacional. Não saiu em DVD ainda.

      Luís, exatamente. Assista quando puder e obrigada! 🙂

      Cassiano, ele está sensacional e concordo que ele tem a cara pra esse papel. Acho curioso que ele sempre interpreta tipos com problemas psicológicos…

      Responder
  • 10. bruno knott  |  abril 3, 2012 às 5:13 pm

    Um excelente filme. Você fica com aquele ar de dúvida em relação ao personagem e suas escolhas até o final… Shannon está ótimo mesmo e a Chestain só confirma mais uma vez que é uma das grandes atrizes do momento.

    Responder
    • 11. Kamila  |  abril 3, 2012 às 8:15 pm

      Bruno, sim, a gente fica com aquele ar de desconfiança em relação ao personagem, mas as escolhas dele, de certa forma, ficam justificadas ao final. Concordo em relação ao que você disse sobre a Jessica e o Michael.

      Responder
  • 12. Paulo Ricardo  |  abril 3, 2012 às 10:22 pm

    Gosto muito de Michael Shannon.Aquela cena dele em “Foi Apenas um Sonho” é estupenda,a AMPAS teve coragem de nomear uma atuação tão pequena,mas soberba.Jessica Chastain é paixão das antigas rsrs.Kamila,esse filme foi bem lembrado nas premiações como o independente Spirit Awards(acho q foi nomeado melhor filme,tô com preguiça de pesquisar rsrs).Estou curioso para ver.Amanhã verei “Tão Forte Tão Perto” do nosso querido Stephen Daldry.

    Beijos

    Responder
    • 13. Kamila  |  abril 3, 2012 às 11:15 pm

      Paulo, eu também gosto do Michael. Ele é um ator talentoso por demais e é a melhor coisa de “Foi Apenas um Sonho”. Sim, foi bem lembrado nas premiações, até mencionei isso em resposta ao comentário do Celo. Espero que goste de “Tão Forte e Tão Perto”. Beijos!

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,035 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: