Amor e Outras Drogas

novembro 15, 2011 at 9:09 pm 11 comentários

Toda a trama de “Amor e Outras Drogas”, filme dirigido por Edward Zwick, pode ser resumida de acordo com a seguinte frase: “às vezes, as coisas que você mais quer não acontecem e o que você menos espera acontece. Eu não sei – você encontra centenas de pessoas e nenhuma delas realmente lhe comove. E, então, você conhece uma pessoa e sua vida está mudada pra sempre”. Na realidade, o que acontece com Jamie Randall (Jake Gyllenhaal) no decorrer do longa é muito mais do que isso, porém é o suficiente para que transformações definitivas sejam efetuadas em sua vida.

Quando o encontramos pela primeira vez, Jamie apresenta características sedutoras e charmosas – do tipo que nenhuma mulher resiste. Além disso, ele é um vendedor nato e se aproveita dessas suas particularidades para conseguir fechar seus negócios. O que a gente vê é crucial para sabermos que Jamie tem um potencial enorme, uma inteligência e perspicácia que não estão sendo devidamente aproveitadas. Quando ele perde o emprego e decide se aventurar como representante farmacêutico de uma das maiores empresas do setor, você começa a vê-lo com um caráter mais apaixonado ainda pelo que faz – e essa é mais uma das características importantes deste personagem.

Na medida em que vai se achando no trabalho, Jamie começa, indiretamente, a também se completar em outros campos de sua vida. Neste sentido, o encontro com Maggie Murdoch (Anne Hathaway) é um dos pontos fundamentais de “Amor e Outras Drogas”. O interessante na forma como o relacionamento deles é desenvolvido pelos roteiristas é que tudo é abordado com a maior sinceridade possível. Ou seja, Jamie e Maggie já embarcam nesse relacionamento sabendo qual será o maior obstáculo que eles têm que enfrentar se eles querem realmente que o namoro deles dê certo.

Apesar disso, por boa parte de “Amor e Outras Drogas”, assistimos Jamie e Maggie em constante estado de negação para este grande conflito que eles têm que encarar. Os dois preferem se esconder por trás de uma relação pautada, primeiramente, pelo sexo e pela paixão arrebatadora e, depois, pela descoberta de que o que os une, de verdade, é uma conexão rara, do tipo que faz com que o outro queira se tornar uma pessoa melhor e brigar por aquilo que realmente deseja. E é esta a verdadeira jornada de Jamie Randall neste filme, uma vez que toda a história nos é contada por meio de seu ponto de vista e de como os acontecimentos retratados aqui o afetam.

Enquanto não sente pena de seu casal central (pelo duro destino que eles vão ter que encarar um dia), enquanto se dedica a acompanhar a descoberta de um amor profundo e verdadeiro dentro do fulgor da chama da paixão, “Amor e Outras Drogas” é um ótimo filme. Toda a trama se sustenta, na verdade, nas atuações de sua dupla central. Este filme, por sinal, faz por Jake Gyllenhaal o mesmo que “Amor a Toda Prova” fez por Ryan Gosling e o apresenta como um homem cheio de sensualidade e irresistível. Enquanto isso, sua parceira de cena, Anne Hathaway (com a qual, diga-se de passagem, Gyllenhaal teve excelente química), confirma todo o seu talento ao interpretar uma personagem que, de tão vulnerável e relutante, quase perde a chance de embarcar num daqueles momentos em que o mundo da gente treme de uma forma que nem a gente consegue explicar direito.

Cotação: 7,5

Amor e Outras Drogas (Love and Other Drugs, 2010)
Direção: Edward Zwick
Roteiro: Charles Randolph, Edward Zwick e Marshall Herskovitz (baseado no livro de Jamie Reidy)
Elenco: Jake Gyllenhaal, Anne Hathaway, Oliver Platt, Hank Azaria, Gabriel Macht, Judy Greer, George Segal, Jill Clayburgh

Entry filed under: DVD.

Capitães da Areia Gigantes de Aço

11 Comentários Add your own

  • 1. CeloSilva  |  novembro 15, 2011 às 11:02 pm

    Po, tenho q ser sincero, não curti muito esse filme, daria uma nota 5, mas já tem tempo q eu vi e teu texto trouxe impressões q não tive, talvez valha uma revisão.

    Responder
    • 2. Kamila  |  novembro 15, 2011 às 11:12 pm

      Celo, acho que uma revisão é uma boa. 🙂

      Responder
  • 3. Luis Galvão  |  novembro 16, 2011 às 12:14 am

    Concordo contigo, Kamila. Vejo o filme como um grande enlace de descobertas (por parte de ambos personagens) e um roteiro que muitas vezes não favorece isso, mas dois atores que dão conta do recado, com a possibilidade de até construirem personagens ainda mais complexos, caso outros fatores contribuíssem.

    Responder
  • 4. Alan Raspante  |  novembro 16, 2011 às 10:55 am

    Gostei do filme, mas ele poderia ter sido melhor desenvolvido. Enfim, Jake e Anne funcionam juntos.

    Responder
  • 5. Reinaldo Matheus Glioche  |  novembro 16, 2011 às 1:09 pm

    Um ótimo filme. Junto com o por ti citado “Amor a toda prova”, os dois melhores romances a ter estreado em terra brasilis em 2011.
    bjs

    Responder
    • 6. Kamila  |  novembro 17, 2011 às 12:11 am

      Luís, exatamente. Perfeito comentário!

      Raspante, concordo que a química entre eles está excelente.

      Reinaldo, eu discordo que “Amor e Outras Drogas” seja um dos melhores romances de 2011. Concordo em relação à “Amor a toda Prova”. Beijos!

      Responder
  • 7. Amanda Aouad  |  novembro 16, 2011 às 5:54 pm

    Tamém gostei bastante do filme, só quando ele caí no drama da doença, perde um pouco do ritmo. Mas, ainda assim o saldo é mesmo positivo.

    Responder
  • 8. Brenno Bezerra  |  novembro 16, 2011 às 7:08 pm

    Adorei, e fiquei impressionado com a ótima atuação do Jake Gyllenhaal. Mas confesso que a minha musa Anne Hathaway foi abaixo das minhas espectativas.

    Beijos

    Responder
    • 9. Kamila  |  novembro 17, 2011 às 12:12 am

      Amanda, exatamente. Concordo com todo o seu comentário!

      Brenno, o Jake e a Anne estão ótimos, na minha opinião! Beijos!

      Responder
  • 10. Cristiano Contreiras  |  novembro 17, 2011 às 1:47 am

    Acho esse filme bem sedutor – explico, a forma como o romance e o tesão de Jake e Anne explodem em cena é admirável de ver. E os dois têm uma forte química, torna tudo bem gostoso de assistir, né? O roteiro não é inovador, mas achei a direção boa e o ritmo do filme contribui pra um bom resultado.

    Na verdade, o que acho que quebra, levemente, o ritmo e bom delineamento do roteiro, ao meu ver, é o personagem irmão do Jake, um mala…rsrs!

    Da ‘trilogia do sexo casual’ (Sexo sem compromisso e Amizade Colorida são os outros, rs), eu fico com este! Gostei, revi e já tenho o dvd aqui! 😉

    Beijão!

    Responder
    • 11. Kamila  |  novembro 17, 2011 às 1:59 am

      Cristiano, o filme é deveras sedutor, sim, concordo. A química deles é excelente mesmo e eles juntos estão muito bem. Concordo em relação ao personagem irmão do Jake, mala total! rsrsrsrs Beijo!

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,057 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: