Família Vende Tudo

outubro 31, 2011 at 11:16 pm 15 comentários

Se fosse uma crônica, “Família Vende Tudo”, filme escrito e dirigido por Alain Fresnot, seria um daqueles retratos perfeitos de um grupo familiar suburbano, que trabalha duro vendendo produtos contrabandeados do Paraguai na rua e que sofre as consequências de ter uma vida profissional informal. Porém, estamos diante de uma obra cinematográfica, a qual deve ser analisada como tal. Neste sentido, o longa é uma comédia de costumes, que fala a respeito de uma família que não hesita em utilizar aquela que é a sua única filha como ferramenta de rápida ascensão social.

A história de Lindinha (Marisol Ribeiro), é importante mencionar, acontece em qualquer extrato social. Bonita, porém desprovida de certa inteligência, a jovem é completamente apaixonada pelo cantor brega Ivan Carlos (Caco Ciocler). Cansados de tanto trabalharem e não verem sua vida mudar, os pais de Lindinha (Lima Duarte e Vera Holtz) decidem colocar a menina propositalmente no caminho de Ivan Carlos, de forma que a filha deles possa seduzir o cantor, engravidar dele e viver da pensão que seu eventual filho receberá do pai famoso. Ou seja, temos o desenho de uma situação que envolve o velho conhecido golpe da barriga.

Por meio desta situação, o roteiro de “Família Vende Tudo” faz uma discussão a respeito, não só deste tipo de pessoas que se aproveitam dos outros (não que Ivan Carlos seja alguém totalmente inocente, diga-se de passagem…), como também fala sobre os meios de comunicação de massa (por meio da exposição excessiva que Ivan Carlos sofre na mídia e da subtrama que retrata o desejo de sua mulher – interpretada por Luana Piovani – de tornar-se uma cantora fabricada por um produtor destinada ao sucesso). De uma certa maneira, o que o longa nos mostra é que estamos passando por uma perda progressiva de valores, uma vez que o que importa para as personagens que fazem parte deste universo retratado por Alain Fresnot é se dar bem – independente dos meios alcançados para transformar isto em realidade.

“Família Vende Tudo” possui um tom predominantemente cômico, portanto o terreno está pronto para que atores do calibre de Lima Duarte, Vera Holtz e Caco Ciocler (naquele que é o papel mais diferente de sua carreira) possam brilhar. A presença deles atenua a falta de experiência dos jovens Marisol Ribeiro e Robson Nunes. Entretanto, no decorrer da experiência de se assistir ao filme, mesmo tendo a consciência de que ele não tem o propósito de ser levado a sério, fica sempre aquela sensação de que Carlos Reichenbach falou sobre estas mesmas questões, de uma forma muito mais competente, no longa “Falsa Loura”.

Cotação: 4,0

Família Vende Tudo (2011)
Direção: Alain Fresnot
Roteiro: Alain Fresnot
Elenco: Caco Ciocler, Lima Duarte, Ailton Graça, Vera Holtz, Luana Piovani, Marisol Ribeiro, Marisa Orth, Robson Nunes

Entry filed under: Cinema.

Cena da Semana Cópia Fiel

15 Comentários Add your own

  • 1. João Linno  |  novembro 1, 2011 às 9:49 am

    Não me interessei por esse filmes apesar de ter algumas pessoas que eu gosto no elenco (Lima Duarte, Marisa Orth…)
    Acho que fiz bem em não ter visto no cinema.

    Responder
  • 2. cleber eldridge  |  novembro 1, 2011 às 2:38 pm

    Os comentários que eu tinha lido sobre o filme já eram dos melhores …

    Responder
  • 3. Flávio  |  novembro 1, 2011 às 3:08 pm

    Gostei muito do Desnudo do Fresnot, é um diretor bem competente.

    Responder
    • 4. Flávio  |  novembro 1, 2011 às 3:08 pm

      Correção Kamila, o filme se chama Desmundo.

      Responder
      • 5. Kamila  |  novembro 2, 2011 às 12:36 am

        João Linno, o elenco é a melhor coisa desse filme, disparado.

        Cleber, verdade?? Eu não gostei muito desse filme, pra ser bem sincera.

        Flávio, esse foi o primeiro filme que eu assisti do Fresnot. Ainda não assisti “Desmundo”.

  • 6. Victor Nassar  |  novembro 1, 2011 às 11:44 pm

    Eu ri em algumas partes, mas o filme é uma vergonha alheia total. Parece mais um grande ensaio mal desenvolvido e cheio de arestas desnecessárias. Gostaria de assistir a esse “Falsa Loura” que você mencionou, não conhecia. Se houve esse deja vu, aí é que o “Família…” sai perdendo mesmo.

    Responder
    • 7. Kamila  |  novembro 2, 2011 às 12:37 am

      Victor, eu também ri em algumas partes do filme, mas, na maior parte do tempo, achei uma obra MUITO irregular. Concordo em relação ao roteiro. Tente assistir “Falsa Loura”, sim, que é um filme mais bem trabalhado que esse.

      Responder
  • 8. Amanda Aouad  |  novembro 2, 2011 às 3:34 pm

    É, também fiquei curiosa em relação a “Falsa Loura”, e concordo com o que você falou. O filme é irregular, apela em muitos momentos, apesar do bom elenco. Como disse Victor “vergolha alheia”.

    Responder
    • 9. Amanda Aouad  |  novembro 2, 2011 às 3:35 pm

      Vergonha alheia, hehehe. A digitação foi outra vergonha, ai ai.

      Responder
  • 10. Luis Galvão  |  novembro 2, 2011 às 6:00 pm

    Vixe, eu assistir esse filme no começo do ano no CinePE e me lembro que não tinha gostado muito. Tudo bem falso ao mesmo tempo que eu visse um potencial narrativo.

    Responder
    • 11. Kamila  |  novembro 2, 2011 às 11:19 pm

      Amanda, vergonha alheia define mesmo algumas situações que a gente vê neste filme! rsrsrsrs

      Luís, o filme tem potencial narrativo, mas isso é totalmente desperdiçado.

      Responder
  • 12. Paulo Ricardo  |  novembro 2, 2011 às 7:43 pm

    Como diria Walter Salles “Um filme brasileiro tem muito a dizer sobre nós,o cinema pode ser o espelho do país que vivemos”.Eu sou um “devorador” de filmes nacionais e vou conferir “Familia Vende Tudo”.Kamila,eu gosto de “Falsa Loura” mas quando o Mauricio Mattar entra na história ela desanda totalmente.Nada contra o ex-namorado de Angélica,só não gostei do personagem dele.Hoje vou ver “Reflexões de um Liquidificador” e tem outro filme nacional que estou doido pra ver:”Trabalhar Cansa”(Isabela Boscov só comparou com “Cheiro do Ralo” e “Estomago”,quer mais?)Beijos e bom feriado.

    Responder
    • 13. Kamila  |  novembro 2, 2011 às 11:20 pm

      Paulo, poxa, não conhecia essa frase do Walter Salles. ADOREI!!! 🙂 Eu também me considero uma devoradora de filmes nacionais. Tento assistir a todo filme produzido por nosso país, ao qual eu tenha acesso. Ainda não assisti “Reflexões de um Liquidificador” e “Trabalhar Cansa”. Beijos e bom feriado!

      Responder
  • 14. Alexsandro Vasconcelos  |  novembro 7, 2011 às 11:35 am

    Gostei um pouco mais do filme que você rsrs. Achei uma comédia bem leve e funciona muito bem como entretenimento. Caco Ciocler está muito bem, sempre achei seu talento meio subestimado e foi bom vê-lo num papel tão diferente do que costuma fazer. Somando os prós e subtraindo os contras fica um saldo positivo para a comédia.

    Responder
    • 15. Kamila  |  novembro 7, 2011 às 11:10 pm

      Alexsandro, a comédia é, sim, leve e diverte, até certo ponto. Adorei a performance do Caco Ciocler como eu disse no meu texto. Mas, acho o roteiro muito irregular.

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,381 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: