Melancolia

outubro 19, 2011 at 1:10 am 25 comentários

Não leve ao pé da letra o título de “Melancolia”, filme dirigido por Lars Von Trier. Ele não trata a respeito do sentimento que permeia toda a trama da obra. Pelo contrário, o título se refere ao nome do planeta que está prestes a se chocar com a Terra, dizimando todo e qualquer traço de vida humana. Neste sentido, um dos aspectos mais surpreendentes de “Melancolia” é que ele tem um primeiro ato um tanto eufórico, coisa que não é típica dos filmes do diretor dinamarquês, um profissional afeito ao lado obscuro dos sentimentos humanos.

A alegria vem do clima de amor e de comunhão que presenciamos no casamento de Justine (Kirsten Dunst) e Michael (Alexander Skarsgard), numa festa organizada de forma muito cuidadosa pela irmã mais velha de Justine, Claire (Charlotte Gainsbourg, numa grande atuação). Aos poucos, Lars Von Trier vai mostrando que tudo não está tão perfeito como está sendo retratado em tela. A noiva tenta esconder – sem sucesso – seu estado de depressão, a mãe da noiva (Charlotte Rampling) acha tudo aquilo ali uma verdadeira hipocrisia, o patrão da noiva (Stellan Skarsgard) não deixa de lado a sua ganância nem por um instante, o cunhado da noiva (Kiefer Sutherland) só pensa no dinheiro que gastou naquela festa, o pai da noiva só quer beber e curtir a festa, o noivo mantém uma eterna cara de preocupação – especialmente com sua jovem esposa – e a irmã da noiva tenta manter tudo sob controle.

Se tem uma coisa que podemos tirar da primeira parte de “Melancolia” é que Lars Von Trier, provavelmente, acha que o mundo está completamente desvirtuado de seus valores, uma vez que todos olham somente para o seu próprio umbigo e se recusam, por exemplo, a conversar ou a ouvir Justine, uma pessoa que, claramente, quer dividir seus problemas, seus anseios e suas questões com os outros, os quais, por sua vez, preferem conversar às escondidas, como se os problemas vividos pela noiva fossem algo a se manter embaixo do tapete, uma vez que as aparências precisam ser mantidas, especialmente num momento como aquele, supostamente, de alegria.

O estudo de personagem é uma das coisas mais positivas de “Melancolia”. Se, na primeira parte, Lars Von Trier destrincha Justine; na segunda, ele mergulha fundo na personalidade de Claire. Toda a história do filme nos é contada pela perspectiva desses dois olhares. O momento antes da vida na Terra estar prestes a chegar ao fim e o instante depois, em que a vida está por um fio, devido à iminente colisão do planeta Melancholia com o planeta Terra. Enquanto Justine paira sobre a vida, com seu olhar totalmente inerte, Claire continua dedicada à sua missão de juntar os cacos e se vê completamente sem controle emocional e em pânico quando percebe que as coisas não dependem mais dela mesma para ocorrer. Parece que a vida dela só faz sentido quando o mundo necessita dela.

O contraste desses dois pontos de vista acaba nos revelando algo que é resumido por uma frase que Justine fala em uma das cenas de “Melancolia”: “a vida acontece somente na Terra. E não por muito tempo”. Para quê se preocupar com as minúcias das coisas, como Claire, para nada? É melhor ficar inerte como Justine e ver a vida passar, de forma passiva? Essas são perguntas que “Melancolia” levanta, mas não nos ajuda a encontrar respostas. Talvez, a coisa mais definitiva que fica e que está expressada numa belíssima cena (importante mencionar também que o diretor usou a trilha sonora de uma forma perfeita, com imagens quase poéticas sobre o fim do mundo) é a impressão de que Lars Von Trier quer mais que o mundo, como ele está agora, se exploda!

Cotação: 8,5

Melancolia (Melancholia, 2011)
Direção: Lars Von Trier
Roteiro: Lars Von Trier
Elenco: Kirsten Dunst, Charlotte Gainsbourg, Kiefer Sutherland, Charlotte Rampling, John Hurt, Alexander Skarsgard, Stellan Skarsgard, Cameron Spurr

Entry filed under: Cinema.

Cena da Semana O Homem do Futuro

25 Comentários Add your own

  • 1. CeloSilva  |  outubro 19, 2011 às 1:31 am

    Belo texto! Na minha opnião um dos melhores filmes desse ano. Concordo contigo em muitos aspectos, mas acho q a intenção de Von Trier era fazer um estudo sobre a tristeza mesmo, por isso o nome de Melancolia para o tal planeta. É louvavel como ele consegue extrair beleza de toda aql agrura. Um dos seus trabalhos mais sinceros e artisticos, diria q seu melhor filme.

    Abs!

    Responder
  • 2. alan raspante  |  outubro 19, 2011 às 1:44 am

    ual! um dos melhores textos que eu ali a respeito do filme. as últimas palavras dizem tudo: von trier realmente que que o mundo “se exploda”. agora, aquela confusão em cannes até fez sentido pra mim.

    []s

    Responder
  • 3. João Paulo Rodrigues  |  outubro 19, 2011 às 1:46 am

    Infelizmente me ausento de um debate que pode ser espetacular que é desse filme, mas como você sabe, a censura que o filme recebeu aqui não adianta … e pior é saber filmes como esse (mesmo odiando o diretor) tem que conferir no cinema.

    Beijos Milla!

    Responder
    • 4. Kamila  |  outubro 19, 2011 às 2:53 am

      Celo, obrigada! Sim, também acho que ele fala sobre a tristeza e, para isso, utiliza o contraponto da tristeza vista pelo olhar das duas irmãs. Abraços!

      Raspante, obrigada! Abraços!

      João, uma pena a censura, mas espero que você tenha a oportunidade de assistir a este filme no cinema! A obra merece! Beijos!!!

      Responder
  • 5. Pedro Paulo  |  outubro 19, 2011 às 1:35 pm

    Estava só esperando a sua opinião, Ka, para ver se engulo o ódeio que eu tenho por esse ser e assisto seu filme. Vou conferir.

    Responder
  • 6. Reinaldo Matheus Glioche  |  outubro 19, 2011 às 1:38 pm

    Gostei das suas ilações em relação ao filme. Mas discordo veementemente quando vc exorta ao leitor a não levar ao pé da letra o título do filme. Acho que uma das muitas figuras de linguagem que Von Trier faz é justamente aí. Essa melancolia que surge inesperadamente e que não temos como lidar com ela…
    Enfim, um belo filme.
    Bjs

    Responder
  • 7. Paulo Ricardo  |  outubro 19, 2011 às 4:17 pm

    Kamila tem diretores que realizam filmes em que o espectador consegue obter inumeras leituras de seus filmes.Stanley Kubrick,David Lynch,Charlie Kauffman,Terrence Malick e Lars Von Trier são ótimos exemplos.Você sabe que quando eu critico algum filme eu procuro evitar a idéia de:esse filme é o melhor e esse é o pior.O que pode ser bom pra mim pode não ser para você,mas a pessoa tem que argumentar os motivos de gostar ou não.De todos os diretores que eu citei o que não me atinge emocionalmente é David lynch,prefiro achar que não “consigo digerir” seus filmes.Os outros eu gosto muito,Kauffman é o maior exemplo de roteirista que me faz “viajar na maionese” hehehe,eu vejo “Adaptação” e “Brilho Eterno…” e faço inumeras leituras de ambas as obras.Terrence Malick é outro exemplo,já vi a “A Árvore da Vida” duas vezes e o filme me toca de forma profunda,considero uma obra prima.Aonde eu quero chegar com tudo isso?Lars Von Trier é claro e minha “experiencia cinematografica” com esse diretor(já antecipo que eu gosto muito dos filmes dele).Não vou falar de “Dançando no Escuro” e “Dogville”,minha experiencia de reflexão foi com outro filme dele:

    “Anticristo”-Quando eu vi a primeira vez fiquei chocado.Uma cena de sexo na abertura do filme,belissimamente bem fotografado,com uma trilha perfeita(ópera) e tudo filmado de forma brilhante.O casal(Charlotte Gainsbourg e William Dafoe)transam e a criança cai da janela e a mãe aflita se sente culpada pela tragedia.Depois temos masturbação,uma cena de nu frontal(em portugues claro uma vagina arreganhada rss),a morte de um animal(parece real) e outras imagens que parecem bizzaras mas que tem total conexão(pelo menos pra mim).E toda vez que vejo “Anticristo” eu gosto mais do filme.Penso em religião,no papel da mulher na sociedade,no amor incondicional de uma mãe por um filho,na relação de culpa que todos nós temos com traumas do passado,de conviver com uma dor ou uma tristeza que muitas vezes não temos culpa e por aí vai…é um filme pertubador que cada vez que eu vejo parece um novo filme.E sou mais fã de Lars Von Trier quando ele declara que a inspiração para “Anticristo” veio de um momento de profunda depressão que ele teve.Quer um cineasta mais autoral que esse?Já sei um remédio para curar minha ansiedade em relação a “Melancolia”:rever “Anticristo”.Não espero a hora de ver esse filme.

    *Kamila você que já assistiu “Melancolia” pode me responder.Se o Lars Von Trier não tivesse falado aquelas bobagens de hitler em Cannes vc acha que o filme ganharia a Palma de Ouro?não se esqueça que “A Árvore da Vida” é um filmaço.

    Beijos

    Responder
    • 8. Kamila  |  outubro 19, 2011 às 11:24 pm

      Paulo, David Lynch também não me atinge emocionalmente. Na verdade, os filmes dele me parecem ser sempre sobre o nada. O único filme que eu gosto dele é justamente aquele de narrativa linear, “História Real”, que acho belíssimo! “Anticristo” é um filme agoniante. Não é o tipo de filme que qualquer pessoa consegue terminar. Eu não gosto… Apesar de apreciar seus aspectos técnicos, como a fotografia, especialmente. E, mesmo se não tivesse falado bobagens, “Melancolia” não teria vencido a Palma de Ouro, ainda mais num ano que tinha “The Artist”, que parece ser uma das obras primas do ano. Ainda não assisti “A Árvore da Vida”. Beijos!

      Responder
  • 9. Gabriel Neves  |  outubro 19, 2011 às 6:03 pm

    Adorei seu texto, Kamila, assim como adorei Melancolia quando o vi no último sábado. É o filme de Lars Von Trier com final feliz, que conta uma fábula de fim do mundo sem focar necessariamente em como ele acaba, mas no processo inteiro. E a análise que ele fez de Justine – aqui, Kirsten Dunst provando novamente o quanto é uma atriz maravilhosa – e Claire é intensa, não há como não sentir.
    Abração!

    Responder
    • 10. Kamila  |  outubro 19, 2011 às 10:42 pm

      Pedro, mas, por quê ódio desse filme??

      Reinaldo, obrigada! Eu também acho que o leitor pode levar o título ao pé da letra, pois, de uma certa forma, o filme tem muita melancolia…. Beijos!

      Gabriel, obrigada! Achei interessante você dizer que esse filme tem final feliz… Mas, gosto pra caramba do estudo de personagens que ele faz nesse filme. Abraço!

      Responder
  • 11. Linderval Souza  |  outubro 19, 2011 às 8:19 pm

    Kamila,estava em duvida se via este filme ,mas depois deste texto sera o próximo filme que irei assistir

    Responder
  • 12. Otavio Almeida  |  outubro 19, 2011 às 8:21 pm

    Não gosto de Lars Von Trier. Provavelmente ele também não gosta de mim.

    Mas ainda vou ver o filme. Bela crítica, moça!

    Bjs!

    Responder
    • 13. Kamila  |  outubro 19, 2011 às 10:43 pm

      Linderval, que bom! Espero que você goste! 🙂

      Otavio, eu não sou a maior fã dele, mas entendo que não consegue gostar do cinema dele. É complicado o que ele faz, sim. Obrigada! 🙂 Beijos!

      Responder
  • 14. Cristiano Contreiras  |  outubro 19, 2011 às 10:49 pm

    Ainda não pude conferir, acredita? Mas, seu ÓTIMO texto me trouxe mais perto do filme…quando eu conferir, volto aqui pra refletir mais contigo, tá? Beijo!

    Responder
  • 15. Pedro Paulo  |  outubro 19, 2011 às 10:59 pm

    Eu tenho ódio é do Trier! Já não gostava dele quando lia que ele era exigente, austero e autoritário nas gravações, depois da polêmica em Cannes então… o odiei.

    Responder
    • 16. Kamila  |  outubro 19, 2011 às 11:26 pm

      Cristiano, obrigada. E espero você assistir pelo filme e gostar dele. 🙂 Beijo!

      Pedro, ah, entendi!! Muita gente não gosta dele mesmo e isso é compreensível… Mas, acho que você poderia separar ele do cinema que ele faz. 🙂

      Responder
  • 17. Otavio Almeida  |  outubro 20, 2011 às 1:20 am

    E não é porque ele falou isso ou aquilo. Ou deixou de falar. Não gosto é do estilo dele. Não gosto do cinema que ele faz.

    Bjs

    Responder
    • 18. Kamila  |  outubro 20, 2011 às 10:28 pm

      Otavio, eu sei disso! 🙂 O cinema dele é difícil mesmo. Eu mesma não sou a maior fã dele. Beijos!

      Responder
  • 19. Carol  |  outubro 21, 2011 às 1:03 pm

    tô afinzassa de ver esse filme!rs
    bsos
    carol

    Responder
    • 20. Kamila  |  outubro 21, 2011 às 11:51 pm

      Carol, esse filme é poderoso. Beijos!

      Responder
  • 21. Rafael Carvalho  |  outubro 24, 2011 às 4:11 am

    Eu que odiei Anticristo, fiz as pazes com o Von Trier nesse filme. Isso porque tudo parece estar no seu lugar certo, eu consigo perceber exatamente onde o diretor quer chegar e como ele faz para alcançar isso. Trabalho de câmera, encenação, direção de atores, tudo está à serviço daquela história potente. Vê-se isso pelas duas partes distintas que o filme tem e pelo tom diferenciado empregado em cada uma delas. Ou seja, existe conceito no filme, e isso só nos revela o grande diretor que Von Trier consegue ser.

    Responder
    • 22. Kamila  |  outubro 24, 2011 às 10:52 pm

      Rafael, assim como você, também não gostei de “Anticristo” e fiz as pazes com Von Trier em “Melancolia”. O filme é muito bom. Especialmente nisso que você citou: conceito.

      Responder
  • 23. byclaudiochs  |  novembro 1, 2011 às 2:07 pm

    Tratado sobre o suicídio
    Decididamente: eu não admiro os enforcados.
    Estar ali, pendurado
    instalação surreal
    arte macabra, inusitada
    lentos movimentos
    cronometrando o tempo
    emulando pêndulos
    que não estimulam o gênio
    de Galileus ou Galileis.
    Afora o trabalho que dá
    muitos elementos a considerar
    precisa-se de uma corda
    um banquinho bem alto
    uma viga para amarrar a corda.
    Massa corpórea
    vezes altura do banquinho
    vezes comprimento da corda
    vezes pressão atmosférica
    vezes força da gravidade
    vezes alinhamento de Marte com Saturno
    vezes cotação do dólar:
    haverá na física uma fórmula
    que possa livrar o suicida
    da tortura do último cálculo?
    Não, essa forma não me cabe
    imagino o desconforto
    não gosto que nada aperte-me o pescoço
    afrouxo a gravata nos dias ensolarados.
    Um tiro na cabeça é outra forma de despedir-se
    os neurônios remanescentes nem tem tempo de reagir
    mas… descarto…
    meu ouvido é sensível
    não quero levar para o além o cheiro da pólvora
    nem o eco do estampido
    do último tiro
    disparado próximo ao ouvido.
    Outros preferem saltar de edifícios
    executam evoluções aéreas até que mergulham em lagos de granito
    A turba está agitada,
    não é todo dia que se assiste um suicídio
    A área é isolada,
    alguém empunha uma faixa
    “Por favor, não pule !”
    Chegam a imprensa, os bombeiros, o celular com a voz de um amigo
    A multidão quase não pisca ou respira
    Oh, meu Deus! Tomara que não pule! Ele não pode pular!
    Mas lá no fundo, bem no fundo, torcem pelo pior,
    para que possam chegar em casa e anunciar em primeira mão:
    “Eu estava lá, eu vi, foi horrível ! …”
    Eu gostaria de frustrar essa gente que não torce por nós
    que põe holofotes sobre nossas tragédias
    que assentam-se em arquibancadas
    e assistem nossa vida como se ela fosse um picadeiro de circo.
    Eu iria lá no fundo do prédio,
    onde ninguém estivesse olhando e,
    sem nenhum sinal ou aviso,
    pularia e diria bem baixinho: good bye.
    Mas … não … não faria isso…
    poderia cair sobre um passante, um transeunte.
    E… se jogar na frente de um carro?
    Não, também não, muito deselegante
    estragaria a lataria do carro alheio
    e não ficaria por aqui para pagar o conserto…
    há de considerar-se, ainda,
    que o atropelado não pode ser tocado
    até chegar a perícia
    torna-se um morto inconsequente
    ao causar um dos maiores suplícios das grandes metrópoles:
    tráfego – de – veículos – interrompido.
    Não concordo com isso ou aquilo
    A morte deve causar o mínimo de consequências possíveis
    para aqueles que não tem nada a ver com isso
    não pode atrapalhar o trânsito de veículos ou destinos.
    E… queimar-se?
    Sem chance, só se o cérebro morresse primeiro.
    lanço a polêmica: incinerar-se não é suicídio, é auto-punição
    o corpo arde enquanto o cérebro
    fica protegido, blindado,
    dentro da caixa craniana
    cada segundo é eterno
    e a mente consciente espera
    uma morte tão lenta que parece que nunca chega…
    Então… afogamento? Sufocamento? Tipo, morte por asfixia?
    Nem pensar, já tô ficando com falta de ar…
    Todas as formas são horríveis
    tudo causa angustia, dor, sofrimento…
    Ah… quem dera…
    morrer sem sofrer
    morrer sem sentir dor
    morrer uma morte suave
    morrer com beleza, com poesia…
    como estar assim,
    sentado sobre o piso de azulejos
    a água quente caindo do chuveiro
    uma névoa branca de vapor
    perfumada, por misturar-se ao cheiro
    de sabonetes e xampoos
    e um líquido vermelho, viscoso, jorrando
    do corte profundo no pulso
    diluindo-se na espuma branca
    e criando belos degrades
    que vão do vermelho sangue ao rosa-bebê
    esvaindo-se pelo ralo junto com a água, junto com a vida
    e essa dormência, e esse torpor, e essa tontura…
    e essa deliciosa… vontade… de dormir…

    http://progcomdoisneuronios.blogspot.com

    .

    Responder
    • 24. Kamila  |  novembro 2, 2011 às 11:25 pm

      Claudio, bonito texto. Combina com o filme.

      Responder
  • 25. Cena da Semana « Cinéfila por Natureza  |  novembro 20, 2011 às 10:02 pm

    […] elementos cósmicos e do bom uso da trilha sonora, essa cena bem que poderia ter estado em “Melancolia“, filme de Lars Von Trier, mas não. Ela está encartada no longa “A Árvore da […]

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,379 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: