Transformers: O Lado Oculto da Lua

julho 16, 2011 at 1:58 am 16 comentários

O diretor Michael Bay vem da mesma escola que o diretor Roland Emmerich. Ou seja, ele disfarça o fiapo de história contida em seu roteiro num filme megalomaníaco, que privilegia cenas de ação que deixam a gente de queixo caído e fazem com o que o público tenha a sensação de ter visto algo grandioso, quando, na realidade, acabou de assistir a uma obra de conteúdo totalmente vazio. Um exemplo disso é o que Bay faz na série de filmes “Transformers”, cuja terceira parte, “Transformers: O Lado Oculto da Lua”, estreou nesta semana nas salas de cinema do Brasil.

O roteiro escrito por Ehren Kruger segue fielmente a estrutura dos dois filmes anteriores. Portanto, em “O Lado Oculto da Lua” acompanhamos mais um conflito entre os Autobots e os Decepticons. Os primeiros, que passaram a viver na Terra desde que perderam a guerra em seu planeta natal, continuam a ter os humanos como seus aliados. Os segundos, dessa vez, querem tentar colocar em prática um plano mirabolante que envolve teletransporte e a vontade de recriar o planeta de Cybertron.

Em paralelo a esta trama principal, que ocupa a parte que importa mesmo em “Transformers: O Lado Oculto da Lua”, temos o desenho da subtrama que envolve o protagonista humano dessa história. Recém-formado em uma prestigiada universidade, Sam Witwicky (Shia LaBeouf) está com uma nova namorada (Rosie Huntington-Whiteley), mas não consegue arrumar emprego de jeito nenhum. A crise de identidade de Sam, na realidade, esconde algo maior: ele só sente sendo ele mesmo de verdade, quando ele faz algo importante. Sam não tem que ficar preso num escritório. O propósito dele é estar na batalha, ajudando os seus amigos robôs Autobots e o Exército norte-americano a vencer seus inimigos.

Existe uma frase dita por Optimus Prime, o líder dos Autobots, que é muito representativa daquilo que os filmes da série “Transformers” são: “em toda guerra, existe calma entre os tempos ruins”. Essa calma não interessa ao diretor Michael Bay. Tome-se como exemplo “O Lado Oculto da Lua”, que pouco funciona quando relata a pressão para Sam arrumar um emprego, o calvário de entrevistas pelo qual ele passa, a chegada dos pais dele num trailer ou a crise do namoro dele com Carly. O longa encontra sua verdadeira essência nas cenas de batalha e nas tiradas espirituosas dos personagens interpretados por Frances McDormand e por John Turturro, que são peças importantes da engrenagem da guerra que os Autobots e os Decepticons travam. Neste sentido, Bay não decepciona. Ele entrega as melhores sequências de ação que essa série já viu – e isso, num filme como “Transformers – O Lado Oculto da Lua”, é o que acaba importando.

Cotação: 5,0

Transformers: O Lado Oculto da Lua (Transformers: Dark of the Moon, 2011)
Direção: Michael Bay
Roteiro: Ehren Kruger
Elenco: Shia LaBeouf, Josh Duhamel, John Turturro, Tyrese Gibson, Rosie Huntington-Whiteley, Patrick Dempsey, Frances McDormand, Kevin Dunn, John Malkovich

Entry filed under: Cinema.

Comentando as Indicações ao Primetime Emmy Awards 2011 Cena da Semana

16 Comentários Add your own

  • 1. João Paulo Rodrigues  |  julho 16, 2011 às 2:12 am

    Micheal Bay é o simbolo do mais ridiculo dos blockbusters … porém ele é a essencia do que deveria ser o ideal … rasteiro e direto … sorte que alguns conseguem dissernir com ótimos filmes …

    Dureza foi ver todos da sala aplaudirem de pé …

    Beijos.

    Responder
    • 2. Kamila  |  julho 16, 2011 às 2:17 am

      João, Michael Bay e Roland Emmerich são os símbolos mais ridículos dos blockbusters. Apesar disso, eu acho que o trabalho dele nesse filme foi excelente. Ele se superou, no bom e no mau sentido.

      Responder
  • 3. João Linno  |  julho 16, 2011 às 2:52 am

    Para mim a série “Transformers” sempre foi bem isso: Um espetáculo visual e uma história “qualquer coisa”. Vou te falar que aguentar 2:40h desse filme é um exercício de paciência, hein. Quem sabe em DVD eu encare… (sem pressa)

    Beijos.

    Responder
    • 4. Kamila  |  julho 16, 2011 às 3:03 am

      João, aguentar 2h40 desse filme não é exercício de paciência, ainda mais porque as cenas de ação ficam mexendo com a gente! rssrrsrs Beijos!

      Responder
  • 5. Alan Raspante  |  julho 16, 2011 às 12:54 pm

    Ah Kamila, eu corri desse filme. Pode conter cenas interessantes e até ser um entretenimento bacana, mas sei que iria odiar mais ainda M. Bay e seus robôs. Acho essa “saga” a mais idiota de todas. Medo!

    []s

    Responder
  • 6. Amanda Aouad  |  julho 16, 2011 às 6:48 pm

    O roteiro do filme é uma piada, como todos os outros. Mas, o visual impressiona mesmo, só acho que cansa, poderia sem dúvidas ter meia hora menos.

    Responder
  • 7. Elton Telles  |  julho 16, 2011 às 6:57 pm

    Atribuímos a mesma nota para essa fita, Kamila. Bay e Emmerich poderiam dar as mãos mesmo, mas ainda acho que nenhum filme do primeiro se iguala a “2012”, então Emmerich ainda é invicto nessa megalomania desenfreada e essa tendência ao apocalipse rs. Quanto ao “O Lado Oculto da Lua”, o roteiro é deixado de lado pelos efeitos, que são impressionantes mesmo. Nisso, não se tem o que reclamar, mas cinema não é apenas espetáculo, não é mesmo?

    Bjs!

    Responder
    • 8. Kamila  |  julho 17, 2011 às 2:39 pm

      Raspante, eu não tenho medo dessa saga, nem a acho idiota. Mas, te entendo! rrsrsrs Abraços!

      Amanda, concordo que o filme poderia ter meia hora a menos.

      Elton, o pior é que eu gosto de “2012”. rsrsrrsrsrs E cinema, definitivamente, não é somente espetáculo! 🙂 Beijos!

      Responder
  • 9. Flávio  |  julho 16, 2011 às 8:13 pm

    Oi Kamila, Pelo menos não tem a Megan Fox né, que para mim é a versão americanda da LP (aquela atriz de quem nunca se deve falar o nome , rs)

    Responder
  • 10. Paulo Ricardo  |  julho 17, 2011 às 3:28 am

    Kamila eu vi esse filme semana passada em 3D e sai com os olhos doendo.Juro por ti,esse é o “3D mais pornografico que eu vi”.Que filme ruim.Olha que procuro analisar uma ou outra qualidade em qualquer obra,mas esse filme é o mais puro “Caça niquel hollywoodiano”.Me explica o que deu na cabeça de Frances McDormand e John Malkovich aceitar entrar nesse projeto?e a patetica cena que o chinês de Se,Beber Não Case 2(nem faço questão de lembrar o nome do ator)sai do banheiro com Shia Labeouf?Transformers:O lado oculto da lua é barulhento,sem roteiro,desnecessario e que prova que os estudios de hollywood estão sem criatividade e apelam para continuações.Artisticamente a sétima arte não precisa de Zach Snyder,Michael Bay e Roland Emmerich.Beijos e bom domingão linda.

    Responder
    • 11. Kamila  |  julho 17, 2011 às 2:41 pm

      Flávio, pois é. Só de não ter a chata da Megan Fox, esse filme vale horrores! rsrssrrs Um dia, ainda entendo a tua birra com a Luana Piovani!

      Paulo, eu vi em 3D também! Acho que eles aceitaram fazer esse projeto pra se divertir, e você vê, claramente, que eles não levam a obra a sério e estão se divertindo mesmo! A cena do chinês de “Se Beber, Não Case 2” é a pior de TODAS!!!! Beijos e bom domingo!

      Responder
  • 12. Fael Moreira  |  julho 18, 2011 às 5:34 am

    Passo longe. Abandonei a franquia no primeiro que é até engraçadinho, mas só! Bjos.

    Responder
    • 13. Kamila  |  julho 18, 2011 às 10:59 am

      Fael, eu ainda assisto aos filmes da série, independente do fato de eles serem ruins mesmo! rsrsrs Beijos!

      Responder
  • 14. Otavio Almeida  |  julho 19, 2011 às 12:50 am

    Bom, os efeitos são espetaculares. Mas aquele clímax de 1 hora tem ação empolgante na “primeira meia hora”. Nos 30 minutos seguintes, confesso que fiquei cansado. Mas o pessoal na minha sessão bateu palmas na hora em que o Bumblebee pegou o Sam e quando o filme acabou com o crédito ao “gênio” estampando a tela: DIRECTED BY MICHAEL BAY

    Bjs!

    Responder
  • 15. Rafael Carvalho  |  julho 20, 2011 às 4:17 am

    Medo, muito medo desse filme!

    Responder
    • 16. Kamila  |  julho 20, 2011 às 8:04 pm

      Otavio, sim, os efeitos são deveras espetacular MESMO! Teve um cara na minha sessão que saiu gritando que “Transformers” era GENIAL! Até ligou pra outra pessoa para dizer isso! Tem gosto pra tudo! rsrsrssrs Beijos!

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 455.606 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: