Qualquer Gato Vira-Lata

junho 21, 2011 at 10:50 pm 16 comentários

A comédia “Qualquer Gato Vira-Lata”, dos diretores Tomas Portella e Daniela de Carlo, se apoia no conflito mais clichê de todos os tempos: as diferenças entre os homens e as mulheres, especialmente a forma divergente com que os sexos opostos encaram as relações amorosas, na maior parte do tempo. O roteiro do longa, o qual adapta uma peça teatral escrita por Juca de Oliveira, também é bastante clichê e não apresenta nada que a gente não tenha visto antes.

Neste sentido, é quase como se “Qualquer Gato Vira-Lata” fosse uma versão nacional de uma história como a vista em “A Verdade Nua e Crua”, filme dirigido por Robert Luketic, na medida em que temos um homem ajudando uma mulher a conquistar alguém (no caso do filme nacional, a personagem de Cleo Pires quer ganhar de volta seu ex-namorado canalha), mas que acaba se apaixonando por ela e vice-versa, sendo que com a seguinte diferença: o professor Conrado (Malvino Salvador) não é tão cafajeste quanto Mike Chadway (Gerard Butler) e Tatiana (Cleo Pires) não é tão arrogante e feminista quanto Abby Richter (Katherine Heigl).

Os diretores Tomas Portella e Daniela de Carlo foram muito felizes em vários aspectos de “Qualquer Gato Vira-Lata”, como na trilha sonora com músicas do casal Marcelo Camelo e Mallu Magalhães. Entretanto, o principal acerto deles foi na escalação do trio de atores central. Malvino Salvador, Cleo Pires e Dudu Azevedo podem não ser os mais talentosos, mas se encaixaram perfeitamente com os personagens que acabaram interpretando. O destaque aqui vai todo para Cleo Pires, revelando ser uma atriz de perfeito timing cômico, e para Malvino Salvador, que está muito confortável na pele de um cara que foge muito do seu estereótipo de galã.

O que chega a ser mais surpreendente num filme como “Qualquer Gato Vira-Lata”, no entanto, é como uma obra tão clichê acaba conquistando tanto a gente. A questão principal aqui acaba sendo que o longa envolve a gente na trama desde as suas primeiras cenas porque tem motivações comuns, conflitos reais (com os quais a maioria das pessoas pode acabar se identificando), além de mexer com a vontade que todos temos de encontrar um grande amor, um amor de verdade, que nos complete e faça bem, principalmente.

Cotação: 8,5

Qualquer Gato Vira-Lata (2011)
Direção: Tomas Portella e Daniela de Carlo
Roteiro: Claudia Levay e Julia Spadaccini (com base na peça de Juca de Oliveira)
Elenco: Dudu Azevedo, Cleo Pires, Malvino Salvador, Rita Guedes

Entry filed under: Cinema.

Kung Fu Panda 2 Meia-Noite em Paris

16 Comentários Add your own

  • 1. Alan Raspante  |  junho 21, 2011 às 11:37 pm

    A crítica mais positiva que eu li a respeito do filme… Fiquei curioso, gosto de comédias nacionais e esta, parece ser uma delícia 😀

    Resposta
    • 2. Kamila  |  junho 21, 2011 às 11:53 pm

      Raspante, além de ser uma delícia, esse filme é super divertido!!

      Resposta
  • 3. Victor Nassar  |  junho 22, 2011 às 2:36 am

    Surpreendente é a palavra! Eu iria passar longe desse, mas depois da crítica aqui, já olho com menos preconceito. Sempre surgem esses filmes que apesar de historinha clichê, acaba divertindo e valendo a pena!

    Resposta
  • 4. Amanda Aouad  |  junho 22, 2011 às 3:52 am

    É, Kamila, a trama principal com Malvino Salvador, eu achei interessante, melhorou sensivelmente o filme que começou bem fraco em minha opinião. Os personagens de Dudu Azevedo e o amigo, são clichês demais, babacas demais, me irritou. Mas, concordo que o filme acaba nos cativando a partir de certo ponto.

    Resposta
  • 5. Paulo Ricardo  |  junho 22, 2011 às 5:05 am

    Confesso que fiquei surpreso com a critica.A trilha com musicas de Marcelo Camelo e Mallu Magalhães(o casal mais simpatico do show bizz nacional)me animou.Mas só vou conferir em DVD.Bjs.

    Resposta
    • 6. Kamila  |  junho 22, 2011 às 11:09 pm

      Victor, o filme é totalmente bobo, mas conquista a gente, essa é a verdade.

      Amanda, concordo que o filme começa fraco e melhora com a entrada do Malvino Salvador. O Dudu e o amigo dele são totalmente clichês mesmo, mas acaba não comprometendo, na minha opinião.

      Paulo, gostei do “casal mais simpático do show bizz nacional”. Eu concordo! 🙂 Beijos!

      Resposta
  • 7. Flávio  |  junho 22, 2011 às 12:32 pm

    Oi Kamila. Não tendo a péssima da Luana Piovani , que tem sido muito requesitada pelo cinema nos últimos tempos, envolvida – torna qualquer produção nacional assistível, rs.

    Resposta
  • 8. cleber eldridge  |  junho 22, 2011 às 2:34 pm

    Sem pressa eu assisto esse quando chegar as locadoras.

    Resposta
    • 9. Kamila  |  junho 22, 2011 às 11:10 pm

      Flávio, ela não tá nesse filme aqui! Então, fica tranquilo! rsrsrsrs

      Cleber, perfeito!

      Resposta
  • 10. Cristiano Contreiras  |  junho 24, 2011 às 1:13 pm

    Eu quero conferir, mas confesso que detesto Cleo Pires, ela é péssima atriz e deveria ter aulas particulares com sua mamãe, rs!

    Beijo

    Resposta
    • 11. Kamila  |  junho 24, 2011 às 10:33 pm

      Cristiano, como eu disse, os três atores principais podem não ser os mais talentosos, mas estão muito bem aqui! 🙂 rsrsrs Beijos!

      Resposta
  • 12. Larissa  |  julho 3, 2011 às 2:51 am

    Realmente o filme é muito bom e engraçado!!!

    Assiti 3 vezes no cinema (valeu muito a pena)… Quem ainda puder ver vá em frente, não vai se arrepender.

    Resposta
    • 13. Kamila  |  julho 3, 2011 às 1:52 pm

      Larissa, eu também achei o filme bem engraçado!

      Resposta
  • 14. vidal da mota  |  julho 24, 2011 às 12:58 am

    acho que o personagem amigo do dudu salva o filme. o personagem é uma figura por mais clichê que seja.

    Resposta
    • 15. Kamila  |  julho 24, 2011 às 8:44 pm

      Vidal, discordo de você, exatamente pelo motivo que você citou em seu comentário: o núcleo do personagem do Dudu Azevedo é totalmente clichê.

      Resposta
  • 16. Bárbara Pinheiro  |  fevereiro 14, 2012 às 1:34 am

    Eu não gostei , achei que ficou clichê DEMAIS, hollywoodiano ao extremo.Lembrou muito a história central de Ele Não Está Tão Afim de Você, mas achei bem superficial. A trilha sonora e o próprio clima do filme é gostoso,mas o final foi forçado demais pra mim!rs

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 452,946 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: