Gnomeu e Julieta

março 31, 2011 at 1:50 am 16 comentários

Muita gente fala sobre a crise de ideias de Hollywood e sobre a falta de originalidade no roteiro e nas histórias abordadas. A animação “Gnomeu e Julieta”, da diretora Kelly Asbury, está tão ciente disso que, no seu prólogo de abertura, coloca um personagem fazendo um alerta à plateia: sim, a história a que assistiremos já foi contada milhões de vezes, das mais diversas maneiras, nas mais diversas formas de comunicação. Entretanto, “Gnomeu e Julieta” propõe-se a fazer uma versão diferenciada da clássica história de William Shakespeare.

Após os 84 minutos de duração do filme, chegamos à conclusão de que o prólogo realmente não nos enganou em nenhum momento. A animação pega a história de Romeu e Julieta, jovens que vivem um amor proibido devido à desavença existente entre suas famílias e a transporta para dois jardins de duas residências de um subúrbio inglês. As casas são rivais e os duendes que ali vivem e cuidam daqueles ambientes também levam a mesma rivalidade a sério.

As diferenças entre o que assistimos em “Gnomeu e Julieta” e o que conhecemos da peça de William Shakespeare é que o roteiro desta animação acrescenta alguns elementos novos à este mítico romance. Por exemplo: num filme dirigido às crianças, não dá para se ter um final infeliz, então, existe uma mudança para não deixar os pimpolhos tristes com o desfecho, mas não antes, é claro, de fazer um suspense em torno da possibilidade ou não deste final feliz existir.

O segundo elemento novo presente na trama deste filme é o uso das músicas do cantor inglês Elton John como pano de fundo para o nascimento do romance entre Gnomeu (dublado por James McAvoy na versão original) e Julieta (dublada por Emily Blunt na versão original), ao ponto destas canções se transformarem num importante personagem para o desenrolar deste longa, uma vez que elas também funcionam como elemento de crônica à rotina dos duendes que ali vivem.

Uma obra carismática e com ótimo senso de humor, “Gnomeu e Julieta” consegue ser a primeira animação a se destacar em 2011 justamente por ter elementos, em sua história, que apelam demais ao público infantil. A lamentar, no filme, somente dois pontos: o primeiro, a falta de necessidade do uso da tecnologia 3D aqui, uma vez que ela mal pode ser notada; a segunda, o não envio de cópias legendadas ao Brasil. A dublagem de Vanessa Giácomo e Daniel de Oliveira (casal de atores na ficção e na vida real) é muito fraca. Somente Ingrid Guimarães se destaca com um ótimo trabalho feito na personagem Nanette.

Cotação: 7,5

Gnomeu e Julieta (Gnomeo & Juliet, 2011)
Direção: Kelly Asbury
Roteiro: Kelly Asbury, Mark Burton, Kevin Cecil, Emily Cook, Kathy Greenberg, Andy Riley (com base na peça de William Shakespeare e no roteiro escrito por Steve Hamilton Shaw, John R.Smith e Rob Sprackling)

Entry filed under: Cinema.

Uma Análise de “Big Love”* Passe Livre

16 Comentários Add your own

  • 1. João Paulo  |  março 31, 2011 às 1:52 am

    Mais um filme que é bom evitar em ver tanto dublado quanto o 3D …
    Mas vamos ver se chega um dvdrip dando um migé …

    Abraços meu anjo!

    Responder
  • 2. Alan Raspante  |  março 31, 2011 às 1:55 am

    A história me soa tão fofa e original. Gostei da ideia de usar anões de jardim. Verei em breve 🙂

    []s

    Responder
  • 3. Otavio Almeida  |  março 31, 2011 às 1:55 am

    Ainda não vi e confesso que vou esperar pelo DVD. Mas Vanessa Giácomo e Daniel de Oliveira superam Luciano Huck em “Enrolados”?

    Bjs!

    Responder
    • 4. Kamila  |  março 31, 2011 às 2:08 am

      João Paulo, exatamente…. Abraços!

      Raspante, a história é fofa e original, de certa forma. Abraços!

      Otavio, eles estão inexpressivos como Huck! rsrsrsrs Beijos!

      Responder
  • 5. Rafael W. Oliveira  |  março 31, 2011 às 4:22 am

    Filme fofinho.

    http://cinelupinha.blogspot.com/

    Responder
  • 6. Flávio  |  março 31, 2011 às 10:51 am

    Oi Kamila, a principio fiquei com um pé atrás de assistir a este filme. A animação em si, a parte gráfica e tecnológica me pareceu similar a de Deu a Louca na Chapeuzinho, no qual os bonecos eram duros em seus movimentos, passando uma imagem meio precária.

    Responder
  • 7. João Linno  |  março 31, 2011 às 11:11 am

    A ideia parece interessante. Vou assistir.

    Responder
    • 8. Kamila  |  março 31, 2011 às 10:16 pm

      Rafael, fofinho é a palavra certa para descrevê-lo! 🙂

      Flávio, sim, o filme lembra muito “Deu a Louca na Chapeuzinho Vermelho”. Mas, o filme aqui tem mais vida!

      João Linno, assista!

      Responder
  • 9. Amanda Aouad  |  março 31, 2011 às 1:01 pm

    É isso, aquele prólogo nos ganha pelo senso de humor ao confessar que já vimos a história várias vezes, mas agora vai ser diferente. É infantil, mas divertida de assistir.

    Responder
  • 10. Paulo Ricardo  |  março 31, 2011 às 3:42 pm

    Que dificuldade que eles tiveram para adaptar Shakespeare,precisaram de 6 roteiristas rss.E gostei de vc mencionar a fraca dublagem do casal da Globo.Aqui no Brasil artista dubla animação mais para se promover do que para contribuir na qualidade da história.E nós que não temos nada a ver com isso tem que aguentar uma dublagem do Luciano Huck por exemplo que é tudo,menos dublador,Beijos Kamila.

    Responder
  • 11. Paulo Ricardo  |  março 31, 2011 às 3:44 pm

    Kamila meu 2°comentário.O diretor do filme Sem Limites(o ultimo que vc viu)não tem vergonha de plagiar o poster de Inception de Christopher Nolan.O poster é mt parecio hehehe,bjs e tinha q comentar esse detalhe.

    Responder
    • 12. Kamila  |  março 31, 2011 às 10:19 pm

      Amanda, exatamente! Concordo contigo!

      Paulo, poxa! rsrsrsrsrsrs Eu preferia assistir às versões originais, mas entendo as dublagens. Só acho que a versão original poderia ser exibida em horários alternativos. Vale lembrar que o Neil Burger dirigiu “O Ilusionista” no mesmo ano de “O Grande Truque” ! rsrsrsrsrsrs Beijos!

      Responder
  • 13. Jonathan Nunes  |  março 31, 2011 às 6:32 pm

    Ainda não vi o filme, preferi esperar pelo dvd para poder assistir legendado, ainda mais depois de ler a sua crítica. É lamentável substituir dubladores de verdade por atores globais só para arrecadar mais.

    Responder
    • 14. Kamila  |  março 31, 2011 às 10:19 pm

      Jonathan, eu quero ver se assisto legendado também!

      Responder
  • 15. Cristiano Contreiras  |  abril 3, 2011 às 2:03 am

    Verei esse, mas espero pra ver em casa. Acho que não vou apreciar tanto assim…rs 😉

    Responder
    • 16. Kamila  |  abril 3, 2011 às 8:39 pm

      Cristiano, eu acho que você pode até gostar bastante dessa animação, hein??? rsrsrrss Beijos!

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,214 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: