Senna

janeiro 3, 2011 at 9:32 pm 27 comentários

Ayrton Senna da Silva. Ayrton Senna do Brasil. Quantos domingos foram passados grudados na frente da TV acompanhando a trajetória que ele construiu ao longo de dez anos de carreira na Fórmula 1. Seu carisma, seu talento, seu orgulho em portar a bandeira nacional fizeram de Senna um dos maiores ídolos do esporte brasileiro. A importância dele, para o esporte em geral, é tão grande que Ayrton é quase como Pelé – uma figura tão polarizante que ultrapassou as barreiras de seu próprio país, se transformando num dos maiores ídolos do esporte mundial, alguém que, por si só, já carrega toda uma imagem e relevância.

O documentário inglês “Senna”, do diretor Asif Kapadia, acertadamente, não se propõe a fazer um apanhado de toda a trajetória pessoal e profissional de seu personagem principal. O filme enfoca, basicamente, os elementos que levaram Ayrton Senna a se transformar num dos maiores pilotos de Fórmula 1 de todos os tempos. Neste sentido, temos como pontos principais as características pessoais de Senna: a paciência, a persistência, a dedicação, a perserverança, a disciplina e o fato de ele ser alguém que trabalhou muito duro para conquistar tudo aquilo que ele alcançou.

A favor de Asif Kapadia também conta o fato de que o diretor não faz de seu filme uma espécie de joga confete em cima da figura de Ayrton Senna. O seu documentário não mitifica o homem. Mostra que ele foi o resultado da união dessas características pessoais dele, como também do enorme talento e da genialidade que ele possuía. O interessante é que ele oferece, aqui, duas figuras que oferecem um bom contraponto na trajetória de Ayrton Senna: o piloto francês Alain Prost (seu maior rival na categoria) e o dirigente da FIA Jean-Marie Balestre. Eles não são vilões, mas foram pessoas cujos atos reforçam ainda mais o caráter de Ayrton Senna e aquilo que o diferenciava dos outros pilotos.

No geral, “Senna” pode não ser uma obra completa sobre a vida de Ayrton Senna como o trabalho feito por Ernesto Rodrigues para a biografia “Ayrton – O Heroi Revelado”. Mas, no documentário de Asif Kapadia estão todos os momentos cruciais da trajetória profissional de Ayrton Senna: o tempo em que ele teve mais prazer de correr (quando competiu em seu primeiro campeonato de kart na Europa), os sacrifícios que ele teve que fazer para chegar onde chegou, a entrada na Fórmula 1, a primeira vitória na categoria, a conquista dos seus três títulos mundiais, as decepções com a politicagem da categoria, a apreensão com a instabilidade de seu carro na Williams, a fatídica corrida em Ímola, enfim… O filme funciona como um belo tributo a alguém que nunca vai perder a sua majestade e que nunca deixará de ser um grande exemplo, pelo homem, profissional e brasileiro que foi.

Cotação: 9,0

Senna (Senna, 2010)
Director: Asif Kapadia
Roteiro: Manish Pandey
Com: Ayrton Senna, Alain Prost, Frank Williams, Ron Dennis, Viviane Senna, Sid Watkins, Reginaldo Leme, Jean-Marie Balestre

Entry filed under: Cinema.

Cena da Semana As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada

27 Comentários Add your own

  • 1. Luis Galvão  |  janeiro 3, 2011 às 9:52 pm

    Eu, no começo, considerei o doc. um pouco chapa branca demais, sem mostrar alguns ‘podres’ do Senna (se é que me entende). Mas procurando depois sobre a vida do piloto, descobrir que ele é realmente uma pessoa que não se envolveu diretamente como politicagem ou escândalos, pelo contrário, sempre foi contra isso. Ou seja, o filme – como você disse – é quase um tributo a ótima pessoa que ele foi.

    Responder
    • 2. Kamila  |  janeiro 3, 2011 às 9:53 pm

      Luís, mas o objetivo não era esse. Era frisar porque ele foi um piloto especial. E nisso o documentário é muito bom. O filme foca na questão do por quê do Senna ter tido uma trajetória peculiar dentro da Fórmula 1.

      Responder
  • 3. Rafael Techima  |  janeiro 3, 2011 às 10:38 pm

    O mais bacana desse documentário é que ele foi feito por estrangeiros. Se tivesse sido feito por brasileiros, seria tipo aqueles Arquivos Confidenciais do Faustão, que contariam a vida dele desde a infância e não dariam o mesmo enfoque.

    O documentário foi ousado em tentar mostrar quem foi Senna focando no período em que ele lutou por títulos até o trágico acidente. Na sua essência, ele não é um filme emocionante. A emoção de todos vem das memórias dos brasileiros ao lembrar de uns de seus maiores heróis. A real intenção foi mostrar que ele foi o maior piloto da história. E conseguiu.

    Legal também foram os depoimentos sem mostrar a cara de ninguém. Achei sensacional.

    PS: O Jean-Marie Balestre foi um baita de um vilão hehehe

    Responder
    • 4. Kamila  |  janeiro 3, 2011 às 10:43 pm

      Rafael, concordo com seu comentário. Realmente, por ser um filme feito por estrangeiros, o olhar sobre o Senna é mais distanciado. Concordo também que a emoção vem das nossas memórias. Tudo bem, dou meu braço a torcer: o Balestre é o grande vilão da história! rsrsrsrsrs

      Responder
  • 5. Weiner  |  janeiro 3, 2011 às 11:07 pm

    Acredto que filmes que se proponham a focar em episódios ou períodos, ao invés de abranger toda uma trajetória, sejam mais propensos ao sucesso, pois se fixam num propósito. “Senna” era O documentário para mim, estava certo de que o assistiria ainda e 2010, mas não obtive tal êxito. O jeito é correr atrás. E pelo visto o enfoque na vida pessoal é mínimo, se é que existe, não é? Digo em relação às namoradas famosas.
    Beijos!

    Responder
    • 6. Kamila  |  janeiro 3, 2011 às 11:22 pm

      Weiner, existe menção à Xuxa, somente. Por ela ser a mais famosa de todas, acredito. Também passa imagem do Senna com a Adriane Galisteu, mas das outras, nada é citado. Beijos!

      Responder
  • 7. Amanda Aouad  |  janeiro 4, 2011 às 1:30 am

    Também gosto do resultado do documentário. O formato sem depoimentos para tela foi bastante feliz, deu mais ritmo ao longametragem. Uma bela homenagem a Senna.

    Responder
  • 8. bruno knott  |  janeiro 4, 2011 às 3:40 am

    Mais um incentivo para eu assistir a este filme! Infelizmente deixei passar qdo ainda estava no cinema

    Responder
  • 9. Daniel Senos  |  janeiro 4, 2011 às 3:41 am

    Pra mim também funcionou como um incentivo para conferir esse documentário desse importante herói nacional!

    Responder
    • 10. Kamila  |  janeiro 5, 2011 às 11:26 pm

      Amanda, concordo com você.

      Bruno, espero que consiga assistir.

      Daniel, para você vale o mesmo comentário dado ao Bruno! 🙂

      Responder
  • 11. Fael Moreira  |  janeiro 4, 2011 às 3:55 am

    Adoro documentários, mesmo vendo poucos durante o ano. Tenho curiosidade de ver esse mais por não conhecer da história de Senna, já que ele morreu quando eu tinha pouco menos de um ano. Verei em breve. Beijos!

    Responder
  • 12. Reinaldo Matheus Glioche  |  janeiro 4, 2011 às 12:15 pm

    Como vc disse, o filme é mesmo um excelente tributo a figura do Aryton (para quem vivenciou todos aqueles domingos tb), mas como documentário eu acho de uma pobreza ímpar…
    Bjs

    Responder
  • 13. Natalia Xavier  |  janeiro 4, 2011 às 5:03 pm

    Achei esse documentario mto bem estruturado. Do jeito que ele foi montado, causa a impressão de que aquilo tudo é realmente uma historia com começo meio e fim. Vc chega até a esquecer que Senna morreu antes da cena de Imola. Porque ele está presente o tempo todo. E as cenas são todas daquela época, em nenhum momento fazendo aquele cliche de fechar um plano medio em alguem da atualidade pra contar “O qto Senna foi importante”.

    A camera interna no carro de Senna no momento da batida tb foi uma tacada de mestre.

    Abs!

    Responder
    • 14. Kamila  |  janeiro 5, 2011 às 11:27 pm

      Fael, espero que assista e goste! Beijos!

      Reinaldo, de certa forma, você tem razão. Parece até um especial de tv, o filme. Beijos!

      Natália, concordo contigo! Abraços!

      Responder
  • 15. Mayara Bastos  |  janeiro 4, 2011 às 5:19 pm

    Perdi esse, ficou pouco tempo nos cinemas daqui! Uma pena a distribuição, parece inesquecível. 😦

    Beijos!

    Responder
  • 16. fabiana  |  janeiro 4, 2011 às 5:37 pm

    Quero muito ver!

    ps: Notas sobre um escândalo é excelente, vc vai gostar!

    Responder
  • 17. Otavio Almeida  |  janeiro 4, 2011 às 7:40 pm

    Chorei pra cacete no cinema! Era fã do cara!

    Bjs!

    Responder
    • 18. Kamila  |  janeiro 5, 2011 às 11:28 pm

      Mayara, é um bonito filme, sim! Beijos!

      Fabiana, eu já assisti, revi e adoro o filme!

      Otavio, eu também era fã do Senna e chorei MUITO no filme. Beijos!

      Responder
  • 19. Cassiano  |  janeiro 4, 2011 às 11:18 pm

    O chato de Senna era só ter q ouvir Galvão Bueno gritar isso todo domingo.

    Quero muito ver esse doc.

    Responder
  • 20. Jonathan Nunes  |  janeiro 4, 2011 às 11:53 pm

    já começou muito bem 2011 em Kamila, Achei ótimo o documentário, Senna foi essencial na vida de muitos brasileiros e o doc. mostra por que ele tinha tantos fãs, Ayrton era um homem de bem e um exemplo de cidadão para o brasileiros. Sai todo arrepiado do cinema.
    Abs.

    Responder
  • 21. Kahlil  |  janeiro 5, 2011 às 2:19 am

    quyero MUITO ver este filme

    http://filme-do-dia.blogspot.com/

    Responder
    • 22. Kamila  |  janeiro 5, 2011 às 11:29 pm

      Cassiano, hahahaha! Espero que assista ao documentário!

      Jonathan, exatamente. Abraços!

      Kahlil, espero que assista, em breve!

      Responder
  • 23. Mateus Souza  |  janeiro 5, 2011 às 4:43 pm

    Nos casos como o de Airton Senna, filmes assim servem para a construção (ou manutenção) do mito. E como você disse, é essa a linha que segue o documentário.

    Não sei, sou contra essa divinização de ídolos. Por isso, um filme dessa natureza, com esse objetivo, não me agrada. Provavelmente não o veja.

    Abraço =]

    Responder
    • 24. Kamila  |  janeiro 5, 2011 às 11:29 pm

      Mateus, mas ele não é divinizado no filme. E isso me agrada. O filme só explica porque ele foi um piloto especial! Abraço!

      Responder
  • 25. Victor Nassar  |  janeiro 6, 2011 às 3:04 pm

    Senti muita falta de CORRIDAS! Senna é um ídolo, e sobretudo um gênio nas pistas!

    Senti falta daqueles “pegas” emocionantes entre ele o Prost, o Mansel, o Piquet… E o que o doc mostra são apenas 2 ou 3 corridas por temporada. Senti muita falta daquelas corridas fantásticas que o Senna fazia na chuva, nas ultrapassagens inimagináveis.

    Senti falta mais ainda de um lance que pra mim é Ayrton Senna em si. Aquele em que ele para seu carro, pra ajudar um piloto.
    Esse vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=U_W-BOwRjvs

    Um bom documentário pra quem não conhece o Senna ou para relembrar. Mas não achei o filmaço que poderia ter sido.

    Bjs Kamila!

    Responder
    • 26. Kamila  |  janeiro 6, 2011 às 9:09 pm

      Victor, mas, o foco do documentário era outro. Eu gostei muito dele. Beijos!

      Responder
  • […] parte da festa e, quem sabe, poder vencer, indiretamente, o seu primeiro Oscar. O documentário “Senna”, produção inglesa dirigida por Asif Kapadia sobre o piloto brasileiro Ayrton Senna da Silva, […]

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,283 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: