Wall Street – O Dinheiro Nunca Dorme

outubro 13, 2010 at 12:34 am 14 comentários

Localizada na cidade de Nova York, Wall Street é considerada o coração financeiro dos Estados Unidos. Afinal, lá estão localizadas a Bolsa de Valores da cidade, bem como um número enorme de prédios de Bancos de Investimentos, os quais estão, muitas vezes, responsáveis, por investir as economias de milhões de norte-americanos. Como a economia dos Estados Unidos é a mais importante do mundo, imagina a responsabilidade daqueles que cuidam destes recursos. Nas mãos deles estão, praticamente, todas as economias do mundo, porque, se algo desanda em Wall Street, é somente o começo de uma crise que se espalha para o resto do mundo.

Em 1987, o diretor Oliver Stone fez um filme que se passava dentro desta realidade. “Wall Street – Poder e Cobiça” tinha como personagem principal um jovem corretor da bolsa de valores interpretado por Charlie Sheen, que era pego como pupilo por Gordon Gekko (Michael Douglas, numa performance que lhe rendeu o Oscar de Melhor Ator). Bud Fox era o típico representante da geração yuppie (alguém influenciado pelo ambiente competitivo das corporações e que valorizava comportamentos que lhe trouxessem uma maior renda e um maior status) e estava disposto a fazer de tudo para chegar ao topo.

23 anos após este filme, Oliver Stone retorna para este universo com “Wall Street – O Dinheiro Nunca Dorme”. A obra se passa nos períodos que antecederam e que culminaram na grande crise econômica vivida nos Estados Unidos nos anos de 2008 e 2009, quando grandes bancos de investimentos (além de outras instituições financeiras) faliram – deixando também boa parte da população norte-americana em enormes problemas, uma vez que a maioria das empresas falidas lidavam justamente com o crédito hipotecário, que é algo que qualquer norte-americano de classe média possui.

O detalhe mais curioso em “Wall Street – O Dinheiro Nunca Dorme” é que não estamos diante de uma história de um homem que é levado pela ganância que possui para crescer, ser bem sucedido e rico. Está claro que estas são metas que Jacob Moore (Shia LaBeouf) possui. Entretanto, o mais importante para ele é a noiva Winnie Gekko (Carey Mulligan), bem como a lealdade aos princípios que ele aprendeu com seu grande mentor, Louis Zabel (Frank Langella, excelente). É por um misto de amor e de interesse próprio que ele começa a se relacionar com Gordon Gekko, o pai com quem Winnie se recusa a ter contato.

O roteiro escrito por Allan Loeb e Stephen Schiff fala muito sobre como a jovialidade de Jacob, ao mesmo tempo, é benéfica (pois ele tem garra para brigar e arrogância na medida certa para lutar por aquilo que ele acredita ser o mais correto) e maléfica (pois ele está facilmente mais vulnerável à influência de gente como Gordon Gekko e Bretton James, que representam a Wall Street de 1987) dentro do ambiente em que ele resolveu trabalhar. “Wall Street – O Dinheiro Nunca Dorme”, na realidade, é um grande conto sobre pessoas que erram e acertam, possuem qualidades e defeitos e que, no meio disso tudo, tentam fazer a coisa certa – ou aquilo que é mais correto para eles próprios.

De certa maneira, “Wall Street – O Dinheiro Nunca Dorme” é um filme que mostra que os tempos mudaram. Você pode agir esquecendo a sua consciência, mas sabendo, o tempo inteiro, que você corre o risco de pagar um preço muito alto por isso. O problema é que, geralmente, a gente só se dá conta disso tarde demais. O desfecho do longa de Oliver Stone é bem romântico e idealizado, porque Jacob Moore vai ter a chance de consertar o que fez e Gordon Gekko também tem uma oportunidade de redenção. Mas, isto aqui é cinema. A vida real nos mostra que nem sempre é assim – afinal, tantas vidas são destruídas por causa de gente como eles e Bretton James.

Cotação: 7,0

Wall Street – O Dinheiro Nunca Dorme (Wall Street – Money Never Sleeps, 2010)
Direção: Oliver Stone
Roteiro: Allan Loeb e Stephen Schiff (com base nos personagens criados por Stanley Weiser e Oliver Stone)
Elenco: Michael Douglas, Shia LaBeouf, Josh Brolin, Carey Mulligan, Eli Wallach, Susan Sarandon, Frank Langella, Austin Pendleton

Entry filed under: Cinema.

Cena da Semana O Último Exorcismo

14 Comentários Add your own

  • 1. Paulo Ricardo  |  outubro 13, 2010 às 12:48 am

    Toda critica que leio sobre o filme(inclusive a sua)cita a boa atuação de Frank Langella.Mas a dúvida que eu tenho é outra:por esse papel Michael Douglas pode ser indicado ao Oscar de melhor ator?

    Responder
    • 2. Kamila  |  outubro 13, 2010 às 12:59 am

      Paulo, depois que o Frank deixou o filme, ele perdeu muito de sua graça para mim. E não acho que Douglas será indicado ao Oscar. Talvez, um Globo de Ouro.

      Responder
  • 3. Yuri  |  outubro 13, 2010 às 1:46 am

    Frank Langella realmente é um ator de outro nível, como você falou, o filme cai depois dele. Achei excessivamente longo, como a maioria dos filmes de Oliver Stone, mas tem um tema interessante. Acaba valendo a pena. 3/5

    Responder
    • 4. Kamila  |  outubro 13, 2010 às 1:58 am

      Yuri, eu odiei o final, que achei bastante desnecessário!

      Responder
  • 5. Robson Saldanha  |  outubro 13, 2010 às 3:22 am

    Acabei de chegar da sessão. No geral eu até gostei do filme, porém assim como você não gostei do final, esse não é o tipo de filme que se deve levar muito para o lado sentimental, digamos assim.

    Responder
  • 6. cleber eldridge  |  outubro 13, 2010 às 4:18 am

    Ainda não conferi o primeiro filme, preciso fazer e logo em seguida ver este.

    Responder
  • 7. alan raspante.  |  outubro 13, 2010 às 10:11 am

    Assim como como o cleber, preciso ver o primeiro filme para poder ver este …

    Responder
    • 8. Kamila  |  outubro 13, 2010 às 10:15 pm

      Robson, exatamente.

      Cleber, eu assisti ao primeiro filme há muito tempo…. Tanto que nem me lembrava de muita coisa ao assistir a esta continuação.

      Raspante, então, espero que possa assistir logo às duas obras.

      Responder
  • 9. Amanda Aouad  |  outubro 13, 2010 às 1:16 pm

    Michael Douglas só será indicado se for um eco de sua atuação no primeiro Wall Street, nesse ele não está tão fenomenal apesar de bem. E Frank Langella está mesmo muito bem.

    No geral, acho que esse filme perdeu um pouco o foco, ao contrário do primeiro que era bem focado, mas ainda assim é interessante. E realmente, a redenção final ficou falsa, ainda mais depois do que ele tinha feito.

    Responder
  • 10. Reinaldo Matheus Glioche  |  outubro 13, 2010 às 2:30 pm

    Ótima crítica Ka. Vc traduz muito bem a principal mensagem deste novo Wall street e permite uma boa inflexão para quem assistiu as duas obras e ainda não tirou o saldo de seus respectivos períodos.
    Beijão!

    Responder
    • 11. Kamila  |  outubro 13, 2010 às 10:16 pm

      Amanda, não acho mesmo que Douglas será indicado nesta award season. Langella é o grande coadjuvante deste filme. Concordo que esse filme perde um pouco o foco.

      Reinaldo, obrigada! Beijo!

      Responder
  • 12. Rafael Carvalho  |  outubro 16, 2010 às 5:15 pm

    Acredita que eu ainda não vi nem o primeiro filme? Preciso me atualizar, eu sei, eu sei…

    Responder
    • 13. Kamila  |  outubro 19, 2010 às 8:24 pm

      Rafael, eu acredito, até porque é bem difícil encontrar o primeiro “Wall Street”.

      Responder
  • 14. Matheus Pannebecker  |  outubro 20, 2010 às 2:30 pm

    Eu até que gostei desse filme, mas se não fosse pelo Michael Douglas, acho que seria bem monótono!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,286 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: