Lendo – “Entre os Atos”

outubro 1, 2010 at 11:12 pm 22 comentários

“Pelo menos, para mim, houve uma sugestão de que somos parte uns dos outros. (…) Desempenhamos papeis diversos, mas somos os mesmos. Meditem sobre isso. (…) Pensei estar vendo que a natureza também representa um papel. E indaguei: não será ousadia excessiva queremos limitar a vida a nós mesmos? Esquecemos que existe um espírito a inspirar e a pervadir tudo isso… (…) Meditem sobre isso. Não estou aqui para dar explicações. Não me designaram para tal função. Falo apenas como integrante da plateia, um de nós mesmos. Também me vi refletido num espelho que, aliás, por acaso era o meu… (Risos). Lascas, pedaços e fragmentos! Certamente devemos unir tudo isso”. (pgs. 176 e 177)

“Entre os Atos” é uma obra póstuma. Foi publicada pelo marido de Virginia Woolf, Leonard Woolf, quatro meses após a escritora inglesa ter cometido suicídio. Ao entrar em contato com o livro pela primeira vez, já dá para se perceber que o mesmo possui um caráter um tanto experimental. Temos aqui, a grande marca da literatura de Woolf: a ocorrência de uma simultaneidade de eventos, os quais criam um novo tempo narrativo.  Nesta obra em particular, por exemplo, numa hora, estamos no período elisabetano; na outra, no período vitoriano; e na que mais importa para o leitor, estamos no tempo presente. 

Interessante perceber que Leonard Woolf não mexeu em nada do que lemos em “Entre os Atos”. Ou seja, estamos diante de um livro que não passou pelo olhar mais apurado de um editor. Em consequência disso, todos os pensamentos de Virginia Woolf estão diante da gente. Talvez por causa disso (e também pelo fato da escritora, na época, estar, provavelmente, sofrendo de mais uma de suas crises nervosas – as quais a levaram ao suicídio), boa parte do início de “Entre os Atos” soa confusa e repetitiva. O livro ganha em “lucidez” a partir do momento em que a gente entende a motivação central da história, que fala sobre a montagem de três peças teatrais, num vilarejo inglês. 

O título do livro faz menção justamente ao que ocorre entre uma montagem e outra e, como perceberemos no ato final, o importante para a obra é o que acontece entre uma peça e outra – afinal, o tempo presente, aqui, é mais importante que o passado ou a ideia de futuro. A intenção de Virginia, com este livro, é nos fazer perceber que a realidade é refletida em nós mesmos – e que existe uma resistência a isso, no geral. Ela utiliza uma metáfora bem interessante para mostrar este seu desejo, uma vez que ela acredita que somos pedaços, parte uns dos outros e que, apesar de desempenharmos papeis diversos em nossas vidas, somos os mesmos sempre – independente de onde estejamos e a que estamos reagindo. 

“Entre os Atos” é uma obra interessante do ponto de vista narrativo. A sensação que eu tive ao lê-la era a de que Virginia estava falando, principalmente, sobre o processo de criação daqueles que se propõem a trabalhar com arte. Ela fala sobre a beleza de criar, da enebriada sensação de ver algo tomando vida, de ver o público tentando compreender e se conectar com o que viu. Ela foi perfeita, neste ponto, ao redigir o seguinte segmento do livro: “o enredo existia apenas para provocar emoção. E não havia senão duas emoções: amor e ódio. Não era preciso decifrar o enredo da peça”. O recado está dado. Não é preciso tentar compreender, basta se deixar levar pela história, basta você se permitir sentir aquilo que ela quer te provocar.

Entre os Atos (2008)
Autora: Virginia Woolf
Editora: Novo Século

Entry filed under: Livros.

Amor Extremo Cena da Semana

22 Comentários Add your own

  • […] This post was mentioned on Twitter by tudodocinema, Blogueiros Cinéfilos. Blogueiros Cinéfilos said: CinéfilaporNatureza Lendo – “Entre os Atos” http://bit.ly/9tXZIR […]

    Resposta
  • 2. Weiner  |  outubro 1, 2010 às 11:58 pm

    Por várias vezes, nomeu passado, tive preconceito com as obras de Virginia – achava seu argumento sofisticado demais para o meu nível de assimilação literária, o que foi por água abaixo há dois anos, quando li Mrs. Dalloway. Claro, fui fortemente influenciado pelo filme “As Horas”, que amo.
    “Entre os Atos” ainda não li, mas entrará em minha lista.
    Beijos!

    Resposta
    • 3. Kamila  |  outubro 2, 2010 às 12:29 am

      Weiner, a Virginia, para mim, junto de Clarice Lispector, é a escritora que mais me afeta. E “As Horas” foi bom por isso mesmo: muita gente passou a querer entrar em contato com a obra dela. Beijos!

      Resposta
  • 4. Mandy  |  outubro 2, 2010 às 12:52 am

    No momento estou lendo O Ladrão de Corpos, estou adorando! Nunca li Virgina, mas estou curiosa. tem 1 fila de tantos livros que quero ler. No momento estou engajada em uma série que tem mais de 8 livros heehe

    Resposta
    • 5. Kamila  |  outubro 2, 2010 às 1:28 am

      Mandy, eu também tô com uma fila de muitos livros para ler e, aos pouquinhos, vou me dedicando a ela.

      Resposta
  • 6. Adecio Moreira Jr.  |  outubro 2, 2010 às 4:08 am

    Vim aqui conferir algumas reviews de filmes e me deparo com essa belíssima obra da Virginia sendo comentada. Gamei!

    Resposta
  • 7. Cassiano  |  outubro 2, 2010 às 5:57 am

    Não conheço nada da obra de Virginia Woolf, só o que sei é do filme As Horas, q sei q és fã.

    Resposta
    • 8. Kamila  |  outubro 2, 2010 às 12:19 pm

      Adecio, seja bem vindo! 🙂

      Cassiano, a Virginia é uma das minhas escritoras favoritas e sou fã de “As Horas” mesmo!

      Resposta
  • 9. Mayara Bastos  |  outubro 2, 2010 às 1:35 pm

    Depois de assistir “As Horas”, dei uma procurada no trabalho da Virginia e li alguns trabalhos dela faz um tempão. E gostei da frase do começo, me arrebatou. Quero ler mais coisas que ela escreveu.

    Beijos e tenha um ótimo fim de semana! 😉

    Resposta
  • 10. Romeika  |  outubro 2, 2010 às 6:10 pm

    Kamila, fiquei com muita vontade de ler esse livro!

    Resposta
    • 11. Kamila  |  outubro 2, 2010 às 10:22 pm

      Mayara, leia mesmo porque Virginia alimenta a alma. Beijos e ótimo final de semana!

      Romeika, leia! É muito bom!

      Resposta
  • 12. Roberto Queiroz  |  outubro 3, 2010 às 12:52 am

    Não leio nada de Virginia Woolf desde Orlando, que na época estava sendo encenado no teatro. Estou querendo ler as novelas dela!

    Resposta
    • 13. Kamila  |  outubro 3, 2010 às 2:12 am

      Roberto, leia mais obras dela, sim. São maravilhosas!

      Resposta
  • 14. Candy Pop  |  outubro 3, 2010 às 3:21 am

    Acho essa obra, emocionante, e inesquecivel, ja li, e irei ler de novo, bjs (:

    Resposta
  • 15. Paulo Ricardo  |  outubro 3, 2010 às 8:06 am

    Estou precisando ler um bom livro.O último foi Ensaio Sobre a Cegueira de José Saramago,e isso faz 2 anos.bjs e bom voto hoje.

    Resposta
    • 16. Kamila  |  outubro 3, 2010 às 11:33 am

      Candy Pop, que bom! Também adorei o livro. Beijos!

      Paulo, ah, eu não consigo imaginar a minha vida sem um bom livro! 🙂 Beijos e bom voto pra você também!

      Resposta
  • 17. Paulo Ricardo  |  outubro 3, 2010 às 3:31 pm

    Esse último filme que você vai ver ou já viu rss,foi na minha opinião um dos mais injustiçados do ultimo Oscar.A atuação de Michelle Pfeiffer é muito boa e a história também.Tomara que você goste de Chéri.Stephen Frears é um diretor muito talentoso,bj.

    Resposta
    • 18. Kamila  |  outubro 3, 2010 às 9:38 pm

      Paulo Ricardo, já assisti “Chéri”. Mas, eu não acho que tenha sido injustiçado ao Oscar. Só a trilha que eu pensaria em indicar, junto com os figurinos. Adoro Stephen Frears! Beijo!

      Resposta
  • 19. Luis Galvão  |  outubro 4, 2010 às 10:18 am

    Como você falou ali em cima, passei a ler Woof depois de As Horas, e não me arrependo. Acho que sua marca literária já fincou bases para diversos estudos mais profundos sobre a natureza humana em si. Fiquei curioso agora.

    Resposta
    • 20. Kamila  |  outubro 4, 2010 às 12:34 pm

      Luís, Woolf é maravilhosa, em vários sentidos! Espero que leia este livro.

      Resposta
  • 21. Magno Almeida  |  outubro 9, 2010 às 7:29 pm

    E, mais uma vez, estou eu te lendo e terminando a leitura da resenha arrepiado. Seu olhar, singularíssimo, para as coisas que tocam, é impressionante.
    Eu tenho esse livro de Mrs. Woolf, aqui comigo, será a minha próxima leitura, isto é, se eu sobreviver a mais um de clarice que termino no momento: “Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres”. Ulisses me dói, assim como Lóri tem me doido. Sinestesia é o nome que descreve absolutamente todas as palavras escritas naquele livro.
    Sorte, um beijo e um abraço carinhoso.
    🙂

    Resposta
    • 22. Kamila  |  outubro 10, 2010 às 9:40 pm

      Magno, obrigada! 🙂 Já li “Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres”. Um belo livro. Tem uma resenha dele aqui, se você ainda não leu! Sorte, um beijo e um abraço carinhoso para todos nós! 🙂

      Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 452,940 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: