Lendo – Audrey Hepburn: Uma Biografia

setembro 6, 2010 at 10:07 pm 14 comentários

“O que é preciso para você se tornar uma estrela de verdade é um elemento extra que Deus pode lhe dar ou não. Você já nasce com ele. Não pode aprender. Deus beijou o rosto de Audrey Hepburn, e ali estava ela”. (p. 9)

A feliz frase que abre esta resenha crítica foi dita pelo diretor Billy Wilder, um dos diretores que teve o privilégio (ou seria o contrário?) de trabalhar com a atriz Audrey Hepburn. A afirmação também é a nota de abertura do primeiro capítulo do livro “Audrey Hepburn – Uma Biografia”, escrito por Warren G. Harris. A obra,  que está dividida em 9 capítulos, cobre toda a vida de uma das mais adoradas e queridas atrizes da história da indústria cinematográfica e, por quê não, um dos seres humanos mais belos (interior e exteriormente) que Deus colocou no mundo. 

Poucas atrizes de Hollywood podem se dar ao luxo de terem sido tão icônicas quanto Audrey Hepburn. A força de sua persona pública – e da imagem que é associada a ela – é tanta que Audrey conseguiu transpor as barreiras dos filmes que estrelou e está imortalizada, não só em imagens de obras clássicas como “A Princesa e o Plebeu”, “Cinderela em Paris”, “Sabrina” e/ou “Bonequinha de Luxo”; bem como através de sua importância para a moda (através de uma longínqua parceria com Hubert de Givenchy e, na fase final de sua vida, com Ralph Lauren), uma vez que ela criou um estilo próprio e que, até hoje, serve como modelo para mulheres de todo mundo; e no pioneirismo do uso da celebridade para causas nobres. Hoje, se fala muito sobre o trabalho de Angelina Jolie como embaixadora da ONU, mas quem abriu as portas foi Audrey Hepburn, a qual dedicou a fase final de sua vida à causa da Unicef, trabalhando arduamente (até mesmo quando a doença que lhe tirou a vida já lhe atingia) em prol das crianças de todo o mundo, especialmente aquelas que são mais necessitadas. 

Como bem mostra o livro escrito por Warren G. Harris, a vida de Audrey Hepburn poderia – veja a ironia! – ser um filme estrelado por ela mesma. A existência de Audrey tem ares de um conto de fadas, com todas as alegrias, tristezas e sacrifícios inerentes a esse tipo de fábula. Nascida em uma família de berço aristocrático, em 4 de maio de 1929, desde muito jovem, viu o sofrimento de cara. Ainda nenê, quase morreu de uma coqueluche. Por toda a sua infância e parte da juventude, foi testemunha ocular e viveu pessoalmente todos os efeitos catastróficos (fome, violência, miséria, dor e luto) da II Guerra Mundial. Abandonada pelo pai, passou toda a sua vida achando que ele não a amava. Por causa de sua altura (ela tinha mais de 1,70m), teve que abandonar o sonho de se tornar uma bailarina. Despertou tarde demais pro amor e beijou muitos sapos até encontrar o seu verdadeiro príncipe (o ator holandês Robert Wolders), aquele homem que daria o amor tranquilo que ela tanto necessitava. 

O mais lindo nessa jornada toda é que Audrey pode retribuir em vida tudo aquilo que foi feito por ela. Ela tinha uma necessidade enorme de dar amor, muito mais do que receber este sentimento em troca. E ela fez questão de certificar a todos aqueles que lhe eram tão queridos – especialmente seus dois filhos, a mãe, os irmãos e o parceiro Robbie – disto. Ela pode fazer pela Unicef aquilo que esta instituição fez por ela após o término da II Guerra Mundial. Ela pode deixar sua marca no mundo e ela nos inspira a querermos ser alguém melhor. Mesmo sem querer receber em troca, ela teve que aguentar isso: Audrey foi – e continua sendo – amada, até mesmo por pessoas que nunca a viram na vida – e ela sempre ficava muito surpresa de ver o efeito que causava nas pessoas em geral. 

Um dos pontos altos da leitura de “Audrey Hepburn – Uma Biografia” são os capítulos em que Warren G. Harris retrata a ascensão profissional da atriz em Hollywood, especialmente os períodos de 1953, quando ela estreou  em “A Princesa e o Plebeu”, até 1967, com “Um Clarão nas Trevas”, que muitos consideram ser o papel mais desafiador de sua carreira. O autor desta biografia repete muito, neste relato, a palavra sorte. E Audrey teve mesmo isto de sobra. Ela não era uma atriz treinada e contou com o fortúnio de trabalhar com excelentes diretores (notadamente William Wyler, o já citado Billy Wilder e Stanley Donen), que souberam aproveitar a naturalidade e o carisma que lhe eram tão característicos em prol dos personagens que ela interpretava – talvez, por estas duas razões que ela nos encanta tanto. Trabalhar como atriz era para Audrey um ofício extenuante e que tirava todas as suas forças – ela passava meses descansando entre um papel e outro para se recuperar por completo. 

O descanso entre um papel e outro se converteu em aposentadoria após Hepburn começar a “interpretar” aquele que seria o papel de sua vida: o de mãe de Sean e de Luca, nascidos de seus casamentos com o ator Mel Ferrer (critiquem-no o quanto quiserem por causa dos ciúmes que ele sentia do sucesso dela, por causa do temperamento horrível dele e do sofrimento que ele a causou, mas verdade seja dita: Audrey deve muito a ele, pois ele a instigou a aceitar papeis que ela recusou de cara, como o de “Bonequinha de Luxo”) e com o psicanalista Andrea Dotti. Entrando nesta seara mais pessoal da vida de Audrey, chama também a atenção o fato de ela ter se casado com dois homens bem parecidos, no sentido de que eles tinham uma personalidade forte. A trajetória de ambos os relacionamentos também é a mesma, uma vez que Audrey prolongou os dois casamentos e estendeu a sua infelicidade por causa dos filhos – o término só veio quando os caminhos de Audrey e de seus ex-maridos já estavam completamente distantes e opostos. Tanto que a sensação entre os amigos dela era a de que nenhum deles era merecedor da Audrey. Ela era muito melhor que eles. 

Pensando assim, Audrey foi muito melhor que todos nós. Nas 298 páginas deste livro, não existe uma palavra desabonadora sobre o caráter e a pessoa de Audrey Hepburn. Todos, e faço questão de frisar, todos são unânimes em dizer o quanto que ela era especial, o quanto ela era verdadeira, o quanto ela era desprovida de vaidade, o quanto ela se doou para os outros. No livro, o produtor Janis Blackshleger expressa muito bem essa sensação: “Todos sabíamos que Audrey Hepburn era um mito. Mas ela era muito mais do que isso, era um grande ser humano. Quando você estava com ela, se sentia mais bonito, melhor consigo mesmo e com suas próprias possibilidades”. Eu me senti assim entrando em contato com este livro. Audrey tem esse poder sobre a gente. Eu queria tê-la conhecido e ver mesmo se ela era de verdade ou se ela, para citar Richard Dreyfuss (com quem ela trabalhou no seu último filme, “Além da Eternidade”), “era um sonho. (…) aquele tipo de sonho que você lembra quando você acorda sorrindo”. 

Audrey Hepburn – Uma Biografia (1995)
Autor: Warren G. Harris
Editora: Nova Fronteira

Entry filed under: Livros.

Cena da Semana As Melhores Coisas do Mundo

14 Comentários Add your own

  • 1. Hugo  |  setembro 6, 2010 às 10:24 pm

    Eu conheço apenas partes da vida da atriz, os fatos mais marcantes, alguns que você citou aqui.

    Ela foi uma grande atriz que marcou não apenas pelos personagens, mas também pelo trabalho humanitário que você citou, antes deste tipo de projeto se tornar moda como é hoje em dia para alguns astros.

    Até mais

    Resposta
    • 2. Kamila  |  setembro 6, 2010 às 10:38 pm

      Hugo, exatamente. Audrey foi uma pioneira! Até mais!

      Resposta
  • 3. alan raspante.  |  setembro 6, 2010 às 11:54 pm

    Audrey Hepburn, foi mesmo uma mulher incrível, já li bastante “matérias” que tem pela internet, contando sobre a vida da atriz. É, interessante notar que Audrey foi estrela em uma época na onde “beber, escândalos e surubas” (tinha muitos astros da época que eram adeptos, que diga Rock Hudson) era a coisa mais normal do mundo, e Audrey mesmo assim fez sucesso, ela fez questão de ser uma atriz e não uma celebridade.
    Sinceramente, não boto muita fé no trabalho humanitário de Jolie, sei que não devo julgar, mais uma mulher que já foi uma “garota problema” tirou o “marido de alguém” e do nada vira uma mulher adepta das dores do mundo ? Acho esquisito.

    Pois bem, Audrey foi mesmo uma excelente atriz e uma pessoa linda em todos os aspectos =)

    Resposta
    • 4. Kamila  |  setembro 7, 2010 às 7:23 pm

      Raspante, a Audrey é uma das poucas celebridades que não tem um escândalo grande ligado ao seu nome. Como você disse, o negócio dela era ser atriz. E eu não tenho nada contra a Angelina Jolie. Cada um faz as escolhas que quer na vida, e eu não julgo ninguém!

      Resposta
  • 5. Mayara Bastos  |  setembro 7, 2010 às 9:17 pm

    UAU! Audrey era um ícone incrível mesmo. Fiquei curiosa por essa biografia. E essa lado solidário dela deveria ser mais lembrado mesmo. Lindo!

    Beijos! 😉

    Resposta
    • 6. Kamila  |  setembro 7, 2010 às 9:27 pm

      Mayara, mas esse lado solidário dela é bem lembrado. A última imagem da Audrey que todos temos, praticamente, é a dela com as crianças da Somália. Beijos!

      Resposta
  • 7. Paloma  |  outubro 7, 2010 às 12:47 am

    AUDREY HEPBURN ela era MARAVILHOSA…linda por dentro e por fora…minha atriz favorita, tenho um poster dela do lado da minha cama. Pra mim ela será sempre lembrada pelo seu sorriso e olhar marcante, aquele carisma que só ela tinha, a levesa e delicadeza nos gestos…uma pessoa incrivel

    beijos

    Resposta
    • 8. Kamila  |  outubro 7, 2010 às 9:16 pm

      Paloma, a Audrey também é a minha atriz favorita. Beijos!

      Resposta
  • 9. kampala  |  novembro 8, 2010 às 11:37 pm

    Com mais de 1,70 m até eu viveria de sapatilhas! rsrsr Mas mudando de assunto, aprendi a amar Audrey e a devotá-la depois de adulta, bem adulta. Ela não é só elegãncia no vestir, mas é elegante com o outro, com a vida. Quem a deslumbra assim, passa a querer ter essa mesma delicadeza de gestos, atitudes e elegancia. Até meu guarda roupa anda mudando! rsrsrrs Amei o post, parabéns! =)

    Resposta
    • 10. Kamila  |  novembro 9, 2010 às 11:28 pm

      Kampala, obrigada! Acho que quem conhece a Audrey muda de vida mesmo! Ela tem esse efeito na gente! 🙂

      Resposta
  • 11. Fê Trentini  |  fevereiro 24, 2011 às 3:18 am

    Descobri a Audrey a pouco tempo, e nesse pequeno periodo já vi a maioria de seus filme. Além de liinda e talentosa ela passa com os seus filmes uma certa tranquilidade digamos assim… A princesa e o plebeu mudou a minha imagem de filme “romantico”. Com certeza ela se tornou uma dos meus três ícones artistas ( Audrey, Judy Garland e Elizabeth Montgomery)

    Resposta
    • 12. Kamila  |  fevereiro 24, 2011 às 10:25 pm

      , a Audrey e a Judy são duas de minhas atrizes favoritas. 🙂

      Resposta
  • 13. Uma Homenagem à Liz Taylor « Cinéfila por Natureza  |  março 23, 2011 às 11:26 pm

    […] Burton, que foi o grande amor de sua vida; Elizabeth Taylor também é uma atriz que, assim como Audrey Hepburn, foi pioneira no uso da celebridade para a promoção de causas humanitárias. Devido à amizade […]

    Resposta
  • 14. Divas parte I – Audrey Hepburn | SouPhyna.com  |  janeiro 16, 2012 às 10:04 am

    […] Cinéfila por Natureza […]

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 452,950 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: