Toy Story 3

julho 2, 2010 at 12:47 am 30 comentários

Nos dois primeiros filmes da série “Toy Story”, os brinquedos de Andy tinham um único medo: o de serem deixados de lado por seu dono. Em “Toy Story 3”, do diretor Lee Unkrich, o dia fatídico chegou, mas não por quê Andy se afeiçoou a novos brinquedos, e sim porque ele cresceu. Com 17 anos e prestes a ir para a faculdade, Andy sofre as pressões da mãe para decidir aquilo que ele irá levar consigo na nova etapa de sua vida, aquilo que ele irá armazenar no sótão de sua casa ou aquilo que será destinado à doações ou será colocado no lixo. 

Como sempre aconteceu nas estruturas narrativas dos dois filmes anteriores, a trama de “Toy Story 3” ganha em movimentação a partir do momento em que o primeiro ponto de transição da história se apresenta: achando que serão jogados na lata do lixo, os demais brinquedos de Andy – incluindo aqui Buzz Lightyear (dublado por Tim Allen) – decidem mudar seu destino e embarcam em uma jornada numa creche, aonde serão os novos companheiros de brincadeiras de outras crianças. Como sempre, neste caso, entra a figura de Woody (dublado por Tom Hanks), que, por ter uma lealdade enorme àqueles que possuem seu apreço, sai em busca do resgate de seus amigos, tentando mostrar para eles que Andy, na realidade, nunca intencionou descartá-los no lixo, como se eles fossem seres sem importância. 

Um lado interessante dos filmes da série “Toy Story” é que eles ensinam aos pequenos sobre temas importantes como lealdade e companheirismo. Isso tem de sobra nesta terceira parte, mas, aqui, temos o registro do lado agridoce que representa a rejeição – ou o medo dela acontecer. Através da história de Andy e de seus brinquedos, o que “Toy Story 3” ensina é que a rejeição não vem porque não existe mais amor ou o sentimento de carinho. A rejeição vem do senso de que aquela parte da vida chegou ao fim. O que vale, no final, é que estes momentos ficarão nas nossas memórias e sempre faremos parte das existências uns dos outros. 

São elementos como esses que diferenciam os filmes produzidos pela Pixar dos outros longas do gênero de animação. Obras como “Toy Story 3” ou “Up – Altas Aventuras” ou “Ratatouille” ou “Procurando Nemo” possuem características peculiares: uma forma de falar universal, que emociona e entretém crianças e adultos, sobre temas que fogem do padrão dos longas dirigidos ao público infantil. Tome-se como exemplo disso o ato final de “Toy Story 3”. Ele nos mostra que o término de algo não é necessariamente um fim. Ele pode significar um novo começo e a possibilidade de traçar uma nova história em que toda uma gama de novos sentimentos se apresenta. Quer coisa mais verdadeira – e linda – que isso? Um fechamento perfeito para uma franquia que conseguiu seu lugar cativo no coração de cinéfilos do mundo inteiro. 

Cotação: 9,3

Toy Story 3 (Toy Story 3, 2010)
Direção: Lee Unkrich
Roteiro: Michael Arndt, Andrew Stanton, John Lasseter e Lee Unkrich
Com as vozes de: Tom Hanks, Tim Allen, Joan Cusack, Kelsey Grammer, John Morris, Michael Keaton, John Ratzemberger

Entry filed under: Cinema.

Comentando o Trailer de “Tropa de Elite 2” À Moda da Casa

30 Comentários Add your own

  • 1. Amanda Aouad  |  julho 2, 2010 às 2:38 am

    Eu ainda me arrepio lembrando da cena final. Essa questão de ensinar valores aos pequenos, é mesmo muito interessante. E interessante essa questão de que o término de algo não é necessariamente um fim.

    Responder
    • 2. Kamila  |  julho 2, 2010 às 2:39 am

      Amanda, mas é verdade. O término não é necessariamente um fim. É a possibilidade de um recomeço!

      Responder
  • 3. Reinaldo Matheus Glioche  |  julho 2, 2010 às 12:35 pm

    Ainda não assisti. Mas já esperava essa repercussão positiva vindo de vc. Sem dúvidas, uma trilogia para entrar nos anais da história do cinema.
    bjs

    Responder
  • 4. Marilia Costa  |  julho 2, 2010 às 2:13 pm

    Gostei muito da sua resenha sobre esse filme. Eu o assisti na primeira semana de lançamento e tive essa mesma impressão. O amor entre eles ficou, mas é hora de um novo começo.

    Você conseguiu expressar o que pensei!
    =D

    Responder
  • 5. Johnny Strangelove  |  julho 2, 2010 às 2:23 pm

    Ainda ecooa na minha cabeça os momentos finais … Porém em realidade o que mais me emocionou não foi a cena especifica, mas a preparação dela e de uma personagem fundamental … a mãe de Andy … acho que vc sabe qual é o filme …

    Um filme belissimo e concreto … com certeza Toy Story 3 é mais um acerto dessa empresa (quase) perfeita … Mas o 3D dele é bem refinado … mas ainda não foi a melhor animação que vi em 3D (o posto ainda continua sendo de Tá Chovendo Hamburger que é um dos melhores que já vi …)

    Xerim Milla! Um grande bejo pra vc! Também confire a resenha no blog!

    Responder
    • 6. Kamila  |  julho 2, 2010 às 4:32 pm

      Reinaldo, concordo! Beijos!

      Marília, obrigada! Também assisti ao filme na sua primeira semana de lançamento.

      João, na minha mente também! Não sei qual filme você se refere! Não é a melhor animação em 3D, nem o melhor filme da Pixar, mas é uma das melhores obras de 2010. Beijo!

      Responder
  • 7. Luis Galvão  |  julho 2, 2010 às 3:23 pm

    Mais uma ótima crítica sobre esse filme que me desperta bastante interesse. Toy Story realmente fez parte da minha infância e o seu fechamento parece ter sido perfeitamente executado. Preciso assistir urgentemente.

    Responder
  • 8. Paulo Ricardo  |  julho 2, 2010 às 4:04 pm

    Vou ver essa animação amanhã.Estou animado pelos roteiristas Michael Arndt(do excelente,Pequena Miss Sunshine) e Andrew Stanton.Bjs.

    *Futebol sempre foi minha paixão.Sou flamenguista doente e torço pela seleção brasileira.Escrevo esse texto após a eliminação para a Holanda.É triste constatar que a Holanda foi superior ao Brasil.Jogadores do porte de Sneijder,Huntelaar,Van Persie e Robben é pra se respeitar.Não foi o Brasil que jogou mal(gostei do 1° tempo da seleção),foi os Holandeses que foram superiores a seleção.Agora volto minhas atenções ao cinema,e acho que a Argentina se ganhar amanhã da Alemanha caminha para o tri-campeonato mundial.É triste constatar que grandes jogadores como Ronaldinho Gaúcho,Paulo Henrique Ganso e Roberto Carlos foram subestimados por Dunga e sequer foram convocados.A vida segue sem copa do mundo…

    Responder
    • 9. Kamila  |  julho 2, 2010 às 4:37 pm

      Luís, assista mesmo!

      Paulo Ricardo, assista mesmo! Eu assumi, no Twitter, que, em Copa do Mundo, sempre me divido entre Brasil e Holanda. Sou uma apaixonada por futebol também e, particularmente, este jogo foi muito difícil para eu assistir. Mas, não podemos ser cegos. A Holanda foi superior ao Brasil no segundo tempo inteiro. Sneijder foi um MONSTRO em campo hoje. Robben fez o seu papel. Van Persie também. Van Bommel excelente na marcação. A dupla de zaga holandesa muito segura, assim como o goleiro do time. Minha torcida, contrariando a de todos, a partir de agora, é totalmente da Holanda. E espero, sinceramente, que a Argentina esteja na final. É bom pro espetáculo, mas a sensação que eu tenho é a de que dará Alemanha e Holanda na final e este será um belo duelo!

      Responder
  • 10. Marilia Costa  |  julho 2, 2010 às 4:44 pm

    Kamila, eu acho que se formos analisar realmente, “stardust” não é um filme muito bom mesmo. Mas confesso que fantasia acaba por receber uns créditos a mais na minha opinião (obviamente que nem todos se salvam, ainda que sejam fantasia).

    Responder
  • 11. cleber eldridge  |  julho 2, 2010 às 4:44 pm

    Posso resumir em uma única palavra? Ou melhor duas?
    obra-prima!

    Responder
  • 12. Cristiano Contreiras  |  julho 2, 2010 às 6:13 pm

    SIMPLESMENTE ÚNICO!

    Saí emocionado e contagiado pelo ritmo, roteiro e produção do filme – como pôde ser tão perfeitinho? sim, Toy Story 3 consegue ser mais criativo e mais humano que os dois primeiros, sem dúvida coloca no chinelo as chatices repetitivas de Shrek e é mais digno, prazeroso e mais legal que outras animações por aí.

    Achei muito bom mesmo a maneira como coloca a questão dos brinquedos – buscam, mais que tudo, o afeto dos humanos; querem atenção e não querem ser esquecidos jamais pelos seus donos – estes, inevitavelmente, crescem e tem que lidar com escolhas também.

    O roteiro é muito bem dosado – é mais ousado na parte de delinear detalhes da vida e motivação do urso roxo…da forma como recria os diálogos e entrosamento de Woody e cia; da maneira como toca em nós nas cenas finais de Andy despedindo-se dos brinquedos…na maneira como a ação se desenrola com o humor…nunca ri tanto e, confesso aqui, que chorei no final…me arrepiei sim…e saí apaixonado!

    Fiquei feliz mesmo! Toy Story fez parte de minha infancia, e pelo visto será definitivo pra toda vida!

    Abraços

    Responder
    • 13. Kamila  |  julho 2, 2010 às 10:00 pm

      Marília, eu não sou muito fã de filmes de fantasia. Acho que esta é a questão maior!

      Cleber, não diria que é uma obra prima, mas, sem dúvida, é um belo filme!

      Cristiano, é um filme único mesmo! Também saí emocionada do cinema. Concordo que é o melhor longa dos três da série, fora ser o grande destaque do gênero de animação neste ano. Adorei sua interpretação sobre o filme. Concordo com muita coisa que você escreveu! Abraços!

      Responder
  • 14. Otavio Almeida  |  julho 2, 2010 às 8:06 pm

    Filme fantástico! A trilogia TOY STORY é toda a história da Pixar, essa brilhante fabricante de sonhos. E a nossa história! Quem não se emociona com aquele final?

    Bjs!

    Responder
    • 15. Kamila  |  julho 2, 2010 às 10:01 pm

      Otavio, concordo! Que lindo comentário! É impossível não se emocionar com aquele final? Todos já estivemos naquele lugar, provavelmente. Beijos!

      Responder
  • 16. Marconi  |  julho 3, 2010 às 4:34 am

    Um dos melhores do ano, áté agora.
    http://cinespaco.blogspot.com/

    Responder
  • 18. Matheus  |  julho 3, 2010 às 3:23 pm

    Kamila, eu não achei o filme espetacular. Mas, confesso: chorei muito! Esse deve ser o longa mais emotivo da Pixar…

    Responder
    • 19. Kamila  |  julho 3, 2010 às 9:45 pm

      Matheus, eu também chorei bastante. Acho que, dos filmes da Pixar, só chorei desse jeito em “TS3” e “Up”.

      Responder
  • 20. Renan Canuto  |  julho 7, 2010 às 2:45 pm

    Boa resenha, Kamila. Meu foco, entretanto, foi mais na questão do desapego. Pensamos de forma parecida, mas retratamos o que sentimos de forma diferente – acho que é mais ou menos por aí.

    Toy Story 3 conseguiu a proeza de começar e terminar bem. Trilogia estupenda, muito embora a crítica não tenha gostado tanto deste último. Quem disse que a crítica sabe tudo, não é?

    Beijos! Ah, repito: to lendo Clarice Lispector! rs

    Responder
    • 21. Kamila  |  julho 7, 2010 às 10:43 pm

      Renan, obrigada! E é sempre bom ler opiniões diferentes da nossa. Muitas vezes, a gente abre o olhar pra essa visão diferente. E que bom que está lendo Clarice Lispector! 🙂

      Responder
  • 22. Nayara  |  julho 15, 2010 às 9:17 pm

    Adoro Toy Story, mas não posso dizer que fez minha infancia como muitas pessoas daqui pode dizer, quando surgiu o primeiro deveria ter um ano ou menos dependendo do dia e mes que lançou. Mas amo muito o filme, e sim não é o final, pois a Pixar está pensando em fazer um quarto, mas ainda não é definido.

    Responder
    • 23. Kamila  |  julho 16, 2010 às 2:25 am

      Nayara, espero que não tenha um quarto. Para mim, esta história chegou à uma conclusão.

      Responder
  • 24. Nayara  |  julho 16, 2010 às 10:33 pm

    Eu também tudo que é demais cansa.

    Responder
  • 25. Comentando o Hollywood Awards 2010 « Cinéfila por Natureza  |  outubro 27, 2010 às 10:27 pm

    […] Hollywood Cinematographer Award: Wally Pfister, “Inception” Hollywood Animation Award: “Toy Story 3” Hollywood Visual Effects Award: “Iron Man […]

    Responder
  • […] 1 “Alpha e Omega” 2 “Como Cães e Gatos: a Vingança de Kitty Galore” 3 “Meu Malvado Favorito“ 4 “The Dreams of Jinsha” 5 “Como Treinar o Seu Dragão“ 6 “Idiots and Angels” 7 “O Mágico” 8 “A Lenda dos Guardiões“ 9 “Megamente” 10 “My Dog Tulip” 11 “Shrek Para Sempre“ 12 “Summer Wars” 13 “Enrolados” 14 “Tinker Bell and the Great Fairy Rescue” 15 “Toy Story 3“ […]

    Responder
  • […] “Como Treinar Seu Dragão”, “Tangled” e “Toy Story 3” devem ser os indicados para o Oscar de Melhor Animação, com “The Illusionist” correndo por […]

    Responder
  • […] “A Rede Social”, David Fincher, Colin Firth, Natalie Portman, Christian Bale, Melissa Leo e “Toy Story 3”. Aaron Sorkin também já está com seu troféu na mão. As brigas mais indefinidas, talvez, se […]

    Responder
  • […] poderíamos ter um lineup respeitável do tipo: “Enrolados”, “Como Treinar Seu Dragão”, “Toy Story 3”, “The Illusionist” e “Megamente”. Nada mal, […]

    Responder
  • […] 08. As Bicicletas de Beleville (2003) 09. Procurando Nemo (2003) 10. A Pequena Sereia (1989) 11. Toy Story 3 (2010) 12. Toy Story (1995) 13. Branca de Neve e os Sete Anões (1937) 14. The Adventures of Prince […]

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,061 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: