Plano B

junho 23, 2010 at 11:31 pm 18 comentários

Um dos elementos mais interessantes de “Plano B”, comédia romântica dirigida por Alan Poul (conhecido por ser um dos produtores executivos do maravilhoso seriado “Six Feet Under”), é a realização de que o acontecimento mais importante do filme não é o fato de Zoe (Jennifer Lopez) decidir ter um filho sozinha, através do processo de inseminação artificial; mas sim a questão de ela ter iniciado um relacionamento amoroso com Stan (Alex O’Laughlin) logo após descobrir estar grávida de alguém que, para todos os efeitos, ela não conhecia. 

Ou seja, o que mais importa para o espectador durante a projeção de “Plano B” é acompanhar todo o processo de consolidação e de desenrolamento de um relacionamento amoroso que se decorre em circunstâncias para lá de diferentes. O normal para qualquer casal seria se conhecer, começar a namorar, casar e ter filhos. Porém, atualmente, as formas de relacionamento estão todas sendo redefinidas na medida em que acontecem e muita gente sai pulando etapas e vai, da mesma maneira, descobrindo afinidades, firmando um sentimento, criando um senso de companheirismo, enfim, vão encontrando maneiras de fazer com que aquele relacionamento em particular perdure. 

No caso de Zoe e Stan, a constatação é que, não importa se o seu relacionamento segue o curso natural das coisas, qualquer namoro/casamento/união estável é difícil e necessita de MUITO trabalho e respeito para funcionar – ainda mais nesta situação, em que o casal está lidando com uma gama de sentimentos e de receios. Neste sentido, seria importante para o diretor Alan Poul encontrar uma dupla central que possuísse uma certa química e que fizesse com que a gente acreditasse na vontade deles de fazer com que essa relação aconteça. Felizmente, este é o caso de “Plano B”, uma vez que Jennifer Lopez e Alex O’Laughlin (apesar deste ser um ator bastante limitado) possuem uma boa química e funcionam muito bem como “casal”. 

Entretanto, é muito bom encarar “Plano B” sem ter altas expectativas. O roteiro escrito por Kate Angelo segue todos aqueles clichês típicos das comédias românticas e você já sabe o que está por vir desde o momento em que Zoe e Stan se conhecem. Ou seja, você espera que certas coisas aconteçam. O mais legal nisso tudo é que, mesmo tendo um elemento altamente previsível, “Plano B” será um filme que irá te envolver e te divertir enquanto ele durar e é justamente isso que você espera de uma comédia romântica desse tipo. 

Cotação: 5,0

Plano B (The Back-up Plan, 2010)
Direção: Alan Poul
Roteiro: Kate Angelo
Elenco: Jennifer Lopez, Alex O’Laughlin, Michaela Watkins, Eric Christian Olsen, Anthony Anderson, Melissa McCarthy, Danneel Harris

Entry filed under: Cinema.

The Pacific Cartas para Julieta

18 Comentários Add your own

  • 1. Johnny Strangelove  |  junho 23, 2010 às 11:38 pm

    É mais facil dizer Milla que realmente é aquele tipo de filme romantico para ver numa tarde onde não exista nada para fazer … pois bem … um dia eu vejo … Beijos Milla …

    e sim, sou eu, JP, e tem um filme interessante comentado no blog … acho que vc vai gostar … beijos!

    Responder
    • 2. Kamila  |  junho 24, 2010 às 12:00 am

      João, exatamente…. Veja! Beijos!

      Responder
  • 3. Renan Canuto  |  junho 24, 2010 às 5:36 am

    É basicamente isso mesmo, Kamila. Não há muito o que esperar de Plano B. A premissa, aliás, já nos deixa pouco otimista. Entretanto, na prática, o filme consegue se desenrolar bem, apesar do lugar-comum dos diálogos, das caras, da falta de originalidade. Olhando por este lado, não há motivos para ir ao cinema conferir este pipocão. Mas até que diverte e é sempre muito agradável conferir as belíssimas curcas de Jennifer Lopez. Beijos!

    Responder
  • 4. Reinaldo Matheus Glioche  |  junho 24, 2010 às 12:21 pm

    Vc não poderia ter sido mais assertiva Ka. Vc definiu o filme com extrema eficiência e a simpatia merecida.
    bjs

    Responder
  • 5. Amanda Aouad  |  junho 24, 2010 às 1:05 pm

    É, gostei da sua análise, bem objetiva. E a constatação de que todo relacionamento precisa de trabalho e respeito para funcionar é perfeita. Uma comédia romântica sem pretensões, é bom, sempre.

    Responder
    • 6. Kamila  |  junho 24, 2010 às 4:39 pm

      Renan, deixo para você o comentário sobre as curvas da Jennifer Lopez, mas concordo com todo o resto. Beijos!

      Reinaldo, obrigada! Sua crítica a este filme também foi ótima. Beijos!

      Amanda, com certeza! E eu adoro comédias românticas sem pretensões…

      Responder
  • 7. Jenson  |  junho 24, 2010 às 4:06 pm

    Aparentemente, me parece um filme como muitos outros do gênero, vou conferir quando chegar em DVD!

    Responder
    • 8. Kamila  |  junho 24, 2010 às 4:40 pm

      Jenson, mas, é um filme como qualquer outro do gênero – e isso, necessariamente, não é uma coisa ruim!

      Responder
  • 9. Otavio Almeida  |  junho 24, 2010 às 6:20 pm

    Kamila, não tive coragem de ver esse filme ainda. Vou deixar pro DVD mesmo. Mas li teu post sobre THE PACIFIC. Ótima análise para uma ótima minissérie. Só que minha nota é 9,5… 🙂

    Bjs!

    Responder
  • 10. Vinícius P.  |  junho 24, 2010 às 7:31 pm

    Realmente parece ser o tipo de comédia romântica que cumpre sua função de divertir o espectador por quase duas horas, sem ir muito além disso. Até por isso mesmo pretendo dar uma chance quanto chegar em DVD.

    Responder
  • 11. Leandro  |  junho 24, 2010 às 9:59 pm

    hoje em dia sempre assisto a comédias romanticas sem a mínima expectativa e com essa não será diferente.
    Quando passar no telecine eu assisto.

    Responder
    • 12. Kamila  |  junho 25, 2010 às 1:00 am

      Otavio, obrigada! Beijos!

      Vinícius, é isso mesmo! E acho que este filme, sinceramente, é perfeito pro DVD.

      Leandro, assista mesmo!

      Responder
  • 13. Wally  |  junho 25, 2010 às 7:34 am

    Espero que seja ao menos “divertidinho”, mas confesso ter tomado certa antipatia por Lopez.

    Responder
    • 14. Kamila  |  junho 25, 2010 às 4:43 pm

      Wally, acredite, eu também tenho antipatia pela Jennifer Lopez, mas este é um filme bem simpático.

      Responder
  • 15. MadameLumière  |  junho 27, 2010 às 5:20 am

    Muito bom, Kamila. Nos trechos que você diz sobre a forma como eles se conheceram e com as relações estão sendo redefinidas, sua resenha me ganhou por completo e está em linha com o que aprendi sobre o filme.
    bjs,

    Responder
  • 16. Luis Galvão  |  junho 27, 2010 às 8:17 pm

    BEM clichê para mim. E também gostei da química entre os dois (de talentos limitados.) rs

    Responder
    • 17. Kamila  |  junho 27, 2010 às 9:49 pm

      Madame Lumière, obrigada! Beijos!

      Luís, totalmente clichê e a química entre a dupla central é muito boa mesmo!

      Responder
  • 18. Juntos Pelo Acaso « Cinéfila por Natureza  |  novembro 1, 2010 às 9:53 pm

    […] é o segundo filme de 2010 a desafiar as convenções normais – o primeiro foi o fraco “Plano B”. Holly e Eric não se conhecem, se apaixonam, namoram, casam e têm uma filha. Eles são […]

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,286 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: