Lendo – Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres

maio 25, 2010 at 11:05 pm 8 comentários

“… alivia minha alma, faze com que eu sinta que Tua mão está dada à minha, faze com que eu sinta que a morte não existe porque na verdade já estamos na eternidade, faze com que eu sinta que amar é não morrer, que a entrega de si mesmo não significa a morte e sim a vida, faze com que eu sinta uma alegria modesta e diária, faze com que eu não Te indagues demais, porque a resposta seria tão misteriosa quanto a pergunta, faze com que eu receba o mundo sem medo, pois para esse mundo incompreensível nós fomos criados e nós mesmos também incompreensíveis, então é que há uma conexão entre esse mistério do mundo e o nosso, mas essa conexão não é clara para nós enquanto quisermos entendê-la, abençoa-me para que eu viva com alegria o pão que como, o sono que durmo, faze com que eu tenha caridade e paciência comigo mesma, amém”. (p. 115)

Em muitos aspectos, “Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres” é um dos livros mais complexos e, ao mesmo tempo, mais simples escritos por Clarice Lispector. Complexo porque seus personagens instigam a gente a querer mergulhar cada vez mais no íntimo deles. Simples porque sua intenção e missão é totalmente clara. A história que Lispector nos relata é a jornada de uma mulher chamada Lóri em busca de aprender algo que todos nós deveríamos valorizar: a capacidade de reconhecer a beleza dos momentos da vida, até daqueles que nos parecem ser mais frívolos e triviais – e vivê-los da mesma forma intensa quanto aqueles que nos são mais caros. 

Toda a jornada vivida por Lóri tem um único objetivo: o homem que ela ama, o professor Ulisses só a aceitará como mulher quando achar que ela está pronta. O estar pronta, para ele, significa que Lóri tem que, além de tudo, amar a si mesma primeiro para poder se entregar a um outro alguém. Neste jogo, quem dá as cartas totalmente é Ulisses – ele que toma todas as decisões referentes à relação. O tempo inteiro, ele mostra para Lóri que a conhece muito bem e sabe quem ela é (inclusive, é ele que joga a verdade na cara dela: a de que ela se esconde atrás da dor, para não viver plenamente). Enquanto isso, Lóri, confusa e perdida, tem que se descobrir como mulher. 

“Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres” mexe com conceitos bem interessantes. Apesar do medo da entrega, Lóri se sente totalmente atraída por Ulisses – porém, não sabe lidar com sua própria sexualidade, sensualidade e beleza. Os dois são muito vaidosos e gostam da maneira como um enxerga o outro. O conhecimento dele gera desejo nela. O mistério dela gera desejo nele. E, neste ínterim, Lóri aprende a sentir, a ser independente, a descobrir, a brincar com seus limites – sempre, é importante frisar, mantendo aquele medo e frio na barriga dentro de si. 

Neste sentido, a impressão que fica, ao final da leitura de “Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres” é a de que fomos testemunhas de uma longa preliminar entre um casal. Tudo que lemos culmina no capítulo final da obra (que é bem sensual, sem cair na vulgaridade), o qual relata o encontro definitivo de Ulisses e Lóri como homem e mulher, quando ambos experimentam da intensidade daquilo que sentem e que ficaram guardando dentro de si por tanto tempo. E é justamente daí que vem o maior aprendizado de Lóri: “sei que meu caminho chegou ao fim: quer dizer que cheguei à porta de um começo”. A jornada de Lóri, portanto, está só começando.

Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres (1969)
Autora: Clarice Lispector
Editora: Rocco

Entry filed under: Livros.

Homem de Ferro 2 Aconteceu em Woodstock

8 Comentários Add your own

  • 1. Thyago  |  maio 25, 2010 às 11:21 pm

    clarice, mais uma autora q eu tenho que ler mais =/
    me lembro de ter comprado a hora da estrela e ter deixado para minha mãe ler, ela simplesmente nao entendeu o livro, haeuhaeuaeh.

    Responder
    • 2. Kamila  |  maio 25, 2010 às 11:34 pm

      Thyago, “A Hora da Estrela” foi a primeira obra dela que eu li! Agora, estou me dedicando à bibliografia dela. E estou AMANDO cada livro que leio!

      Responder
  • 3. Cristiano Contreiras  |  maio 26, 2010 às 2:00 am

    Um dos melhores livros de Lispector.
    Na verdade, ao lado de PERTO DO CORAÇÃO SELVAGEM e A PAIXÃO SEGUNDO G.H., o livro consegue mostrar como o ser humano busca seu próprio sentido de mundo, tanto amoroso quanto reflexivo, como maneira de auto-compreensão.

    Ulisses é, nada mais, que a própria idealização do Homem Perfeito: é tudo que Lóri busca em alguém, a busca pelo artifício do amor sentido…as chances de aprender com o amadurecimento de uma vida a dois…todos os questionamentos sobre sentimento, noção de mundo, capacidade de se sentir valorizada como mulher…
    – buscando este Homem Ideal, ela recorre a si mesma…num jogo de conquista íntima, de auto-reflexão sentimental, de aceitação feminina, ela entende-se e consegue observar que o amor é o respirar da própria existencia…há quem diga que Ulisses só permanece no seu próprio pensamento, é algo imaginário, uma idealização que de fato só permeia seu subjetivo…

    E Lóri aprende muito com ele, isso é fato.

    Um livro intenso!

    Responder
  • 4. Fael Moreira  |  maio 26, 2010 às 2:44 am

    Tenho muita curiosidade de conhecer Clarice Lispector. Futuramente pretendo ler uma obra sua, muitas pessoas já me indicaram, mas a fila tá graaande!

    Responder
  • 5. Reinaldo Matheus Glioche  |  maio 26, 2010 às 5:39 pm

    Clarice Lispector sempre tem vez no Cinéfila por natureza. Assim como o Thyago, li pouco da autora, embora já tenha lido algumas de suas principais obras. De qualquer maneira, não me julgo responsável a discorrer tão bem sobre sua obra quanto vc Ka. Parabéns pela construção do texto.
    Bjs

    Responder
    • 6. Kamila  |  maio 27, 2010 às 1:05 am

      Cristiano, ainda não li estes livros que você citou. Adorei seu comentário sobre Ulisses. Eu concordo muito com sua visão sobre ele. E o livro é intensíssimo mesmo!

      Fael Moreira, pois a conheça. A considero a maior autora brasileira de todos os tempos, quem sabe uma das melhores de todos os tempos de todo o mundo.

      Reinaldo, sempre terá vez aqui! 🙂 Obrigada! Beijos!

      Responder
  • 7. Mayara Bastos  |  maio 27, 2010 às 10:38 pm

    Esse é um dos livros da Clarice que quero muito ler. E quero começar a procurar por mais obras delas, desde de um seminário que fiz sobre ela no ano passado, quando tive que ler os que tinha disponível, como “Laços de Família”.

    Beijos! 😉

    Responder
  • 8. Kamila  |  maio 28, 2010 às 6:35 pm

    Mayara, ainda não li “Laços de Família”, mas ele está aqui na fila. Beijos!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,057 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: