Um Sonho Possível

março 31, 2010 at 11:37 pm 44 comentários

Quando, no dia 07 de março de 2010, a atriz Sandra Bullock subiu ao palco do Kodak Theater, em Los Angeles, para receber o Oscar de Melhor Atriz das mãos de Sean Penn, muitos cinéfilos se contorceram em suas casas. Por várias razões, mas a principal de todas: NUNCA que a performance de Bullock, em “Um Sonho Possível”, é melhor que, por exemplo, a de Meryl Streep, em “Julie e Julia”. Entretanto, após assistirmos ao filme escrito e dirigido por John Lee Hancock, fica muito fácil compreender o por quê do triunfo de Sandra. 

A atriz norte-americana venceu o Oscar 2010 de Melhor Atriz porque ela se mostrou, em “Um Sonho Possível”, de uma forma totalmente diferente da qual estamos acostumados. Ao contrário da maioria de seus filmes, em que interpreta heroinas românticas, aqui Bullock aparece como uma mulher de personalidade forte, num trabalho de composição de personagem que é excelente (começando pela caracterização física e terminando no sotaque que ela trabalhou). Ou seja, Bullock surpreendeu e mostrou uma faceta de seu talento que era desconhecida e, por isso mesmo, chamou a atenção e se diferenciou de suas concorrentes perante os votantes da Academia e dos críticos que criam o buzz que resultam em premiações como a que ela recebeu no início deste mês. 

Voltando a falar de “Um Sonho Possível”, filme baseado em uma história real, o verdadeiro personagem principal do longa se chama Michael Oher (Quinton Aaron), adolescente grande no tamanho e no coração, mas que foi bastante maltratado pela vida, uma vez que falta à sua existência certa estabilidade, que faça com que ele desenvolva todo aquele potencial que possui. Quem irá acreditar nele, quem irá acolhê-lo e oferecer para ele aquilo que lhe faltava é a família Tuohy, a qual é liderada pela matriarca Leigh Ann (Bullock). 

Todo o roteiro escrito por John Lee Hancock se apoia no relacionamento que é estabelecido entre Michael e Leigh Ann, a qual tenta quebrar e transpor todas as barreiras que Michael colocou entre si e o mundo externo. Neste sentido, há que se elogiar o trabalho de construção do personagem Michael. A história de vida dele nos é muito bem apresentada, os conflitos e medos dele são compreendidos por nós. Entretanto, por outro lado, fica claro que a história de Michael, no filme, em muitos momentos, foi totalmente “distorcida” por motivos ficcionais, até mesmo para reforçar a força de sua trajetória, a sorte que ele teve e a “boa ação” cometida pela família Tuohy. 

Entretanto, estes não são elementos que possam tirar a força de “Um Sonho Possível”. Nem mesmo as frases clichês e os pontos de transição forçados porque é justamente isso que você espera de um “feel good movie”, bem como de uma obra cujo propósito maior é contar uma história que inspire e emocione outras pessoas. Você vai assistir “Um Sonho Possível” e se sentir bem, ter momentos de riso e outros em que você irá se emocionar totalmente. É um longa cuja intenção é tentar influenciar você a mudar de forma positiva a vida de outras pessoas. Neste sentido, deixa um bom exemplo a ser dado. Pena que, na prática, as coisas não funcionem assim. 

Cotação: 8,5

Um Sonho Possível (The Blind Side, 2009)
Direção: John Lee Hancock
Roteiro: John Lee Hancock (com base no livro de Michael Lewis)
Elenco: Sandra Bullock, Tim McGraw, Quinton Aaron, Jae Head, Lily Collins, Ray McKinnon, Kim Dickens, Adriane Lenox, Kathy Bates

Entry filed under: Cinema.

Ilha do Medo Cena da Semana

44 Comentários Add your own

  • 1. Tommy Beresford  |  março 31, 2010 às 11:41 pm

    Sandra Bullock realmente arrebentou. Minha humilde resenha:

    http://cinemagia.wordpress.com/2010/03/23/resenhas-um-sonho-possivel/

    Grande abraço, boa Páscoa,
    Tommy

    Responder
  • 2. Jenson J.  |  abril 1, 2010 às 12:05 am

    Gostei do filme no geral, mas é só mais um filme que será esquecido em questão de poucos anos, entrei no clima, é um filme gostoso de se acompanhar, mas … é só!

    Responder
  • 3. Amanda Aouad  |  abril 1, 2010 às 12:09 am

    É gostoso de acompanhar mesmo, e Sandra Bulock está muito bem. Mas, pra mim faltou conflito no filme, fica tudo muito simples.

    Responder
    • 4. Kamila  |  abril 1, 2010 às 12:15 am

      Tommy, irei ler tua resenha! Abraço e feliz páscoa!

      Jenson, não acho que será esquecido. Sempre será um bom “feel good movie”. Sempre irá emocionar.

      Amanda, exatamente. Também senti falta de mais conflito. É tudo muito perfeitinho. A gente chega até a duvidar.

      Responder
  • 5. Fabio  |  abril 1, 2010 às 1:54 am

    Kamilita
    Você deve saber que eu acho o filme medíocre, apenas mais um igual a tantos que surgem todos os anos, e dessa vez ele nem tenta nada de inspirador no arco dramático.
    Mas o que me assustou mesmo foi, no fringir dos ovos, ver uma nota maior a essa coisinha melosa da Sandra do que à obra fabulosa do Scorsese :))
    Abraço

    Responder
  • 6. airton  |  abril 1, 2010 às 2:21 am

    filme interessante…
    eu vi ele ano passado la na espanha
    eu soh achei que a sandra bullock nao tava taoo boa a ponto de levar o oscar

    passa la no blog

    bjoo

    Responder
  • 7. Cristiano Contreiras  |  abril 1, 2010 às 2:43 am

    Eu concordo com tudo que escreveu – bem verdade seu texto é melhor que o próprio filme em si, rs – só acho que Bullock não merecia o Oscar.

    Foi a mais fraca das indicadas, mas tem seus méritos interpretativos.

    abs

    Responder
    • 8. Kamila  |  abril 1, 2010 às 7:37 pm

      Fabio, sinto lhe decepcionar com a nota, mas ela está relacionada diretamente com o fato de como o filme fez com que eu me sentisse. Abraço!

      Airton, concordo! Sandra Bullock não estava tão bem assim a ponto de levar o Oscar. Beijo!

      Cristiano, obrigada! Abraços!

      Responder
  • 9. bruno knott  |  abril 1, 2010 às 5:08 am

    É um feel good movie que funciona, pena que não é lá muito original e nem memorável.

    Eu sou um dos poucos que concordaram com o prêmio da Sandra Bullock… óbvio que a Streep é mil vezes mais atriz que ela, mas ela fez um trabalho surpreendente aqui.

    Responder
  • 10. Victor Nassar  |  abril 1, 2010 às 5:48 am

    Nossa, aí sim fomos surpreendidos novamente! :O
    Achei que a sua nota fosse ser menor, pelo seu texto inclusive.
    Me parece que o filme é um tanto artificial, mais ou menos isso ?
    Bom, espero conferir em breve. Mas eu juro que a minha expectativa pra ele é de sessão da tarde…

    bejubeju!

    Responder
  • 11. Reinaldo Matheus Glioche  |  abril 1, 2010 às 12:06 pm

    Olha Ka, acho que vc avaliou o filme pelo que ele quer ser e expressar, não exatamente pelo que ele é. O que não deixa de ser legítimo e pontual, mas não posso concordar inteiramente. Não acho por exemplo que esse filme mereça a mesma nota de Ilha do medo. Porém, entendo e respeito suas razões. tb me emocionei e ri com o filme, mas isso não faz dele merecedor de postura tão elogiosa. é necessário reconhecer seus (muitos) defeitos. Que outros ‘feel good movies” não tem.
    bjs

    Responder
    • 12. Kamila  |  abril 1, 2010 às 7:39 pm

      Bruno, eu acho que foi justamente este fator surpresa que fez com que a Bullock levasse o Oscar.

      Victor, não diria que é artificial, mas mostra uma realidade cor de rosa demais. Cadê os conflitos nessa história, como foi mencionado num comentário anterior? Beijo!

      Reinaldo, obrigada pelo comentário e pela compreensão! Sempre gostamos de pontos interessantes levantados e você sempre faz isso. Beijos!

      Responder
  • 13. Luis Galvão  |  abril 1, 2010 às 1:45 pm

    Concordo contigo! Acho que Um Sonho Possível tem erros que não justificam sua indicação a melhor filme, mas ele tem acertos que o torna agradável e um bom ‘feel good movie’. E também tem a Bullock, que a partir de agora vai ser respeitada não apenas por seu carisma como também pelo seu talento.

    Responder
  • 14. Rogerio  |  abril 1, 2010 às 2:03 pm

    Eu nao acho que a historia do jogador tenha sido bem contada. Se voce nao souber que é baseado em historia real, seria cômico o roteiro e arzinho de alto astral que a direcao tenta transmitir.
    A atuaçao da Bullock é muito padrao, talvez seja uma mudança e superaçao pra ela, mas qualquer atriz de quinto escalao faria o mesmo.

    E, embabacaram demais a figura do Big Mike, ou será que ele realmente era quase um deficiente mental? A meu ver, nada funcionou no filme, que parece uma novela melhorada.

    Responder
  • 15. Vinícius P.  |  abril 1, 2010 às 4:25 pm

    Um filme bem convencional mas que, mesmo com todos os defeitos, também conseguiu me emocionar em alguns momentos. Será lembrado basicamente pela boa performance de Bullock.

    Responder
    • 16. Kamila  |  abril 1, 2010 às 7:41 pm

      Luís, exatamente!

      Rogerio, discordo muito do seu comentário, mas o compreendo!

      Vinícius, exatamente! Concordo contigo!

      Responder
  • 17. Paulo Ricardo  |  abril 1, 2010 às 5:50 pm

    Esse filme é um clichê imenso.É uma especie de Erin Brokovich só que ruim,A cena em qua a familia “branca rica” vai tirar foto é pergunta ao “Negro pobre” se ele que entrar na foto é de arrepiar.E continuo achando que Sandra Bullock não mereceu o Oscar de melhor Atriz.Ultimamente a academia vem se equivocando em premiar Ator/Atriz por filmes que tiveram sucessos de bilheteria.Se fosse assim o Oscar de melhor ator seria do Shia Labeouf por Transformers 2.Beijo e estou de volta(a placa de video do meu pc queimou,o que me impossibilitou de entrar na net).

    Responder
  • 18. Otavio Almeida  |  abril 1, 2010 às 6:33 pm

    Texto muito bom como sempre! Estou de volta! Estava com muito trabalho e, pra falar a verdade, ILHA DO MEDO acabou comigo! Não consegui escrever sobre outro filme.

    E estou preparando o texto de THE BLIND SIDE.

    Bjs! Boa Páscoa!

    Responder
    • 19. Kamila  |  abril 1, 2010 às 7:42 pm

      Paulo Ricardo, concordo que o filme é totalmente clichê. Existem cenas complicadas nele, como a que você citou. Beijo!

      Otavio, obrigada! Seja bem vindo de volta! Não fica com raiva do meu texto sobre “Ilha do Medo”! Beijos e Feliz Páscoa!

      Responder
  • 20. Mayara Bastos  |  abril 1, 2010 às 7:54 pm

    Estou curiosa para conferir a Sandra neste filme, gosto muito dela como comediante. E, gosto muito de filme com premissas assim, rsrs. Acho que irei gostar do filme, rsrs.

    Beijos e uma Òtima Páscoa para você e sua família! 😉

    Responder
  • 21. Matheus  |  abril 1, 2010 às 10:37 pm

    Bom, Kamila, ao contrário de você, nem do filme eu gostei muito. “Um Sonho Possível”, para mim, é completamente sem graça, formulaico e previsível. Clichê também, até.

    E já cansei de falar na Bullock haha Ela nunca merecia aquele Oscar (não merecia nem a indicação, para falar a verdade). E nunca vou aceitar isso.

    Responder
  • 22. Elton Telles  |  abril 2, 2010 às 3:31 am

    Olá Kamila, tudo certo?
    Eu percebi que você analisou o filme mais pela sua intenção do que como produto cinematográfico. Nesse sentido, o filme realmente é bonito e tal, mas é uma pena vermos uma história comovente se converter em puro cliché. Ao contrário de você, fiquei completamente frustrado ao término do filme porque, de fato, a historia merecia um tratamento melhor.

    Sandra Bullock está correta no filme e meu destaque do elenco vai para o garotinho que interpreta seu filho rs. Menino muito bom!

    abraço!

    Responder
    • 23. Kamila  |  abril 4, 2010 às 8:05 pm

      Mayara, se você gosta de premissas assim, e também é fã da Bullock, com certeza vai amar este filme. Beijos e ótima páscoa!

      Matheus, ela não merecia o Oscar mesmo! Também nunca vou aceitar isso!

      Elton, tudo bem, obrigada. E com você? Eu acho que essa história recebeu o melhor tratamento possível! Foi tudo muito bonitinho, nada de conflitos, história feita para nos emocionar. Eu também gostei do garotinho que interpreta o filho dela. Abraço!

      Responder
  • 24. Brenno Bezerra  |  abril 2, 2010 às 3:51 pm

    Ao passo que muitos criticaram sua presença no Oscar de Melhor Filme, acabou sendo positivo. Faço parte do remoto time que acha que Bullock mereceu o Oscar.

    Beijos e Feliz Páscoa.

    Responder
  • 25. Pedro Tavares  |  abril 2, 2010 às 8:50 pm

    8 pro Scorsese e 8,5 pra esse filminho morno, Kamila? hehehe! 🙂

    Responder
  • 26. Kahlil  |  abril 2, 2010 às 9:09 pm

    Eu gostei do filme. Mas não o colocaria na posição de um dos dez melhores filmes do ano. E apesar de adorar Sandra Bullock, acho inacreditável que ela tenha ganho o Oscar por este filme.

    http://cinemaemdvd.blogspot.com/

    Responder
  • 27. Leandro  |  abril 3, 2010 às 6:28 am

    Achei o filme medíocre , clichezento e muito mais do mesmo pro meu gosto.
    E Bullock não passando do correto.
    Abraços ;D

    Responder
    • 28. Kamila  |  abril 4, 2010 às 8:05 pm

      Brenno, eu não faço parte deste time! Beijos e feliz páscoa!

      Pedro, sim e paciência para quem não gostou! rsrsrsrrs

      Leandro, exatamente! Bullock não passou do correto! Abraços!

      Responder
  • 29. Luiz Henrique  |  abril 3, 2010 às 1:24 pm

    ALÔ.

    O filme serve mesmo para reforçar um talento que nem o mais otimistas fãs de Bullock sonhavam que ela tinha. Mas não foi a melhor interpretação do ano, ao meu ver, mesmo que seja emocionante. O filme é clichê demais, mas diverte – depois torna-se esquecível. Um abraço.

    Responder
  • 30. Mandy  |  abril 3, 2010 às 1:53 pm

    Após ver Julie & Julia eu acho que o Oscar era muito mais merecido p/ Merryl! Adorei a atuação de Sandra, mas acho que o que foi preponderante foi ela ter feito um estilo novo. Eu reconheço que ela tava completamente diferente, mas Merryl… meu Deus, deu um show.

    Adorei o filme, ele tem coisas clichês, mas não acho que p/ algo ser bom tem que ser isento disso. O filme foi muito emocionante. Adorei ela no papel de pirua maluca! hehehehe Big Mark tb tava ótimo! Tem filme que é feito para divertir e passar o empo num sábado a noite, é o caso desse. Não vai me marcar para a vida, mas foi bom!

    E isso de Scorsese e talz n é muito relevante p/ mim. P/ mim o q importa é a Obra, eu nem presto muita atenção nisso de Diretor etc…. Eu n gostei dos Infiltrados e n acho q mereceu o Oscar. Na verdade, acho q só ganhou pelo nome do Direitor… o Oscar tem dessas… Por isso q eu gosto mais da festa do que dos prêmios dados.

    Responder
  • 31. gustavo  |  abril 3, 2010 às 7:40 pm

    estou sem a menor vontade assistir esse viu, kamila. não consigo engolir de jeito nenhum que sandra bullock ganhou de mery streep. ainda mais quando streep fez de julia child um personagem fantástico.

    Responder
    • 32. Kamila  |  abril 4, 2010 às 8:09 pm

      Luiz Henrique, perfeito comentário! Abraço!

      Mandy, a Meryl que deveria ter ganho o Oscar neste ano! FATO! E concordo com o resto do seu comentário, especialmente na parte do Scorsese!

      Gustavo, exatamente!!

      Responder
  • 33. Alyson  |  abril 3, 2010 às 8:06 pm

    Eu não vejo absolutamente nada demais no filme. É um sessão da tarde que sempre existiu, mas foi beneficiado pela era Obama, então passou a ser melhor divulgado. Dou nota 4,0.

    Beijos!

    Responder
  • 34. Renan Canuto  |  abril 3, 2010 às 9:59 pm

    Tem que estar muito bem para triunfar sobre Meryl Streep. Em Simplesmente Complicado, Meryl, mais uma vez, dá um show de interpretação – recomendo, se ainda não viu.

    Pelo que entendi de sua resenha, o diretor voltou os holofotes do longa para Bullock ganhar o Oscar. De qualquer forma, eu vou ver Um Sonho Possível, pois a história parece interessante.

    Beijos e ótima Páscoa, Kamila!

    Responder
  • 35. delio  |  abril 4, 2010 às 2:59 pm

    tu é de natal?

    Responder
    • 36. Kamila  |  abril 4, 2010 às 8:11 pm

      Alyson, eu dou uma nota maior, apesar de concordar com teu comentário! Beijos!

      Renan, eu assisti a Meryl em “Simplesmente Complicado” e gosto MUITO dela nesse filme. Não diria que o diretor voltou os holofotes para ela ganhar, mas foi um veículo importante para a Sandra mostrar que é atriz de verdade. Beijos e ótima páscoa!

      Delio, sim.

      Responder
  • 37. ooen  |  abril 4, 2010 às 6:57 pm

    Por mais que Meryl tenha feito um ótimo trabalho, Bullock mereceu esse Oscar e como fã dela sempre a imaginei com um, fiquei super feliz quando Sean Penn falou o nome dela.

    Responder
    • 38. Kamila  |  abril 4, 2010 às 8:12 pm

      ooen, eu não fiquei super feliz quando Penn anunciou o nome da Sandra como vencedora.

      Responder
  • 39. Roberto Queiroz  |  abril 4, 2010 às 8:45 pm

    Esperava uma baboseira e saí do cinema encantado com a evolução da Bullock. Espero que ela agora dê uma repaginada na sua carreira, que andava cheia de comédias insossas. E o menino que faz o filho dela no filme também é ótimo.

    Cultura? O lugar é o Jukebox:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    Responder
    • 40. Kamila  |  abril 6, 2010 às 1:22 am

      Roberto, ela evoluiu, sim, mas nada que justifique os prêmios ganhos!

      Responder
  • 41. Fael Moreira  |  abril 4, 2010 às 10:14 pm

    Eu não gostei nem um pouco de Bullock ter levado a estatueta, para mim nem mesmo sua indicação era merecida. Não vi nada de mais em sua atuação digno de ovações. Bjos!

    Responder
    • 42. Kamila  |  abril 5, 2010 às 1:18 am

      Fael M., concordo! Beijos!

      Responder
  • 43. Tão Forte e Tão Perto « Cinéfila por Natureza  |  março 20, 2012 às 1:37 am

    […] seu relacionamento com a mãe, Linda (Sandra Bullock, numa atuação que é melhor do que a de “Um Sonho Possível”, que lhe rendeu o Oscar de Melhor Atriz), e com o Inquilino (Max Von Sydow, numa performance […]

    Responder
  • 44. Tão Forte e Tão Perto | :: Cinéfila por Natureza ::  |  março 27, 2012 às 12:56 am

    […] seu relacionamento com a mãe, Linda (Sandra Bullock, numa atuação que é melhor do que a de “Um Sonho Possível”, que lhe rendeu o Oscar de Melhor Atriz), e com o Inquilino (Max Von Sydow, numa performance […]

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 455.552 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: