A Teta Assustada

fevereiro 11, 2010 at 10:25 pm 29 comentários

Com certeza, muitas pessoas devem tomar a decisão de assistir ao filme “A Teta Assustada”, da diretora e roteirista Claudia Llosa, por causa do seu título inusitado. Ele se refere a uma doença, que era muito comum entre as mulheres peruanas que foram violadas durante a Guerra Terrorista vivida no país e que era transmitida por elas aos seus filhos pelo leite materno. De acordo com os comentários, as crianças que nasciam dessas mães passavam a aderir automaticamente ao medo materno e passavam a viver uma existência toda cheia de privações. 

Fausta (Magaly Solier) é um produto direto dessa realidade. Ela é uma mulher introvertida e que parece, assim como a sua mãe, colocar para fora tudo aquilo que sente através da música. No primeiro ato de “A Teta Assustada”, a mãe de Fausta, uma senhora cujo sofrimento está estampado na cara, falece e isso é determinante para tudo o que vai acontecer com a nossa protagonista no decorrer do filme. Para conseguir dinheiro para levar a mãe para ser enterrada em um povoado que tem significado especial para as duas, Fausta começa a trabalhar na casa da Sra. Aída (Susi Sanchéz) e, com isso, será obrigada a enfrentar o mundo e a sair de seu casulo. 

É importante perceber que Fausta nunca tomaria essa decisão sozinha. Ela é obrigada pela tia a trabalhar lá. Porque a protagonista de “A Teta Assustada” é uma jovem completamente dominada pelo medo. Ela tem medo de cantar, ela tem medo de andar sozinha, ela tem medo de ser violentada sexualmente como a mãe foi, ela tem medo dos homens em si, ela tem medo de deixar alguém se aproximar dela, ela tem medo de lembrar, ela tem medo dela mesma – a ponto de penalizar seu próprio corpo. É especialmente contra que isso que ela irá lutar no decorrer de toda esta obra. 

Um dos cinco filmes indicados ao Oscar 2010 de Melhor Filme Estrangeiro, “A Teta Assustada” chamou a atenção da indústria ao ganhar o Urso de Ouro no Festival de Berlim de 2009. Dirigido com sensibilidade por Claudia Llosa, o longa encontra um eixo no rosto forte e, ao mesmo tempo, melancólico de Magaly Solier. No final, esta é uma obra sobre amor (a tia de Fausta tem uma empresa que organiza casamentos para pessoas simples e vemos muitas cerimônias assim no decorrer do filme) e, principalmente, sobre o fato de que Fausta só será capaz de encontrá-lo quando ela compreender a sua própria raiz e aquilo que a define. 

Cotação: 7,0

A Teta Assustada (La Teta Asustada, 2009)
Direção: Claudia Llosa
Roteiro: Claudia Llosa
Elenco: Magaly Solier, Susi Sánchez, Efraín Solís, Marino Ballón, Antolín Prieto

Entry filed under: Cinema.

No Meu Lugar Premonição 4

29 Comentários Add your own

  • 1. Reinaldo Matheus Glioche  |  fevereiro 12, 2010 às 1:23 am

    Concordo com vc Ka. É um filme sobre o amor, mais precisamente sobre a busca que se empreende em torno dele. Não acho que esse seja um grande filme. Mas é um filme muito interessante e , sinceramente, foi um dos primeiros peruanos que assisti. Ou seja, a premiação em Berlim, como vc bem lembrou, foi providencial.
    Bjs

    Responder
  • 2. Luis Galvão  |  fevereiro 12, 2010 às 1:29 am

    Ainda não assistir, mas o que me impressiona é a qualidade recente do cinema sulamericano e sua ‘explosão’ no mundo, esse peruano, junto com o argentino, garantindo vaga no Oscar. Pena que o Brasil ainda insiste em pré-selecionar filmes clichês e que abordam temas batidos. Coisa que esse, pelo que notei, foge.

    Responder
  • 3. Thyago  |  fevereiro 12, 2010 às 1:47 am

    Realmente, preciso assistir mais filmes sul-americanos.

    E você me conhece Kamila, sabe que no exato momento que li o nome do filme eu imaginei uma teta em pânico, haeuhauaehuaeh

    Responder
    • 4. Kamila  |  fevereiro 12, 2010 às 1:53 am

      Reinaldo, exatamente. A busca de Fausta é justamente essa aí. O filme não é excelente, mas tem o seu valor. A premiação foi totalmente providencial, porque chamou a atenção para este trabalho. Beijos!

      Luís, isso é verdade e pode ser notado neste ano. Nosso continente tem duas indicações ao Oscar 2010 de Filme Estrangeiro. Quem sabe não aprendemos com eles, hein???

      Thyago, assista mesmo! Todo mundo pensa isso e acho que o título faz com que muita gente nem leve este filme a sério!

      Responder
  • 5. Ibertson  |  fevereiro 12, 2010 às 5:21 am

    Quero ver esse filme. Todo ano tento ao máximo ver a lista de indicados a melhor filme estrangeiro, uma das melhores categorias do Oscar na minha opinião. Falta ver A Fita Branca, este e Ajami.

    Responder
  • 6. João Paulo  |  fevereiro 12, 2010 às 5:16 pm

    Milla … pode se dizer que é uma experiencia diferente e ao mesmo tempo que ajuda a compreender por que o Brasil está longe de ter o melhor cinema da america latina … beijos e abraços

    Responder
  • 7. bruno knott  |  fevereiro 12, 2010 às 5:17 pm

    com certeza é título que chama a atenção.

    não sabia (ou não lembrava) que tinha sido indicado ao oscar de melhor estrangeiro…

    vou tentar ver antes do oscar.

    beijos!

    Responder
    • 8. Kamila  |  fevereiro 13, 2010 às 12:33 pm

      Ibertson, exatamente. Me lembro de ter lido textos sobre vários títulos indicados nesta categoria, no ano passado, no Oscar. Esse foi o primeiro desse ano que vi, faltam quatro! 🙂

      João Paulo, concordo! Beijos e abraços!

      Bruno K., com certeza mesmo! Tente assistir ao filme. Beijos!

      Responder
  • 9. Otavio Almeida  |  fevereiro 12, 2010 às 6:25 pm

    Tá em DVD, Kamila?? Quero ver!

    Bjs! E bom Carnaval!

    Responder
  • 10. Rogerio  |  fevereiro 12, 2010 às 7:29 pm

    Só passando pra desejar um bom Carnaval!
    Bjus.

    Responder
  • 11. Paulo Ricardo  |  fevereiro 12, 2010 às 7:50 pm

    Gostei muito desse filme e essa atriz Magaly Solier é muito expressiva,ela fala com silêncio.Não é um filmaço!! estrangeiro,como por exemplo O Labirinto do Fauno,3 Macacos,Amores Brutos…mas é um filme que mostra a força do cinema latino.

    Responder
    • 12. Kamila  |  fevereiro 13, 2010 às 12:35 pm

      Otavio, ainda não. Vi no cinema! Beijos e bom Carnaval!

      Rogerio, obrigada. Para você também! Beijos!

      Paulo Ricardo, ela fala mesmo com silêncio.O rosto dela é muito expressivo e forte. Fiquei impressionada. Não é um filmaço mesmo, mas mostra essa força do cinema latino.

      Responder
  • 13. cmpfama  |  fevereiro 12, 2010 às 9:02 pm

    Adoro coisas latinas… E “A Teta Assutada” amei de maneira materna.

    Responder
  • 14. Jack Lewis  |  fevereiro 12, 2010 às 9:17 pm

    Kamila, tudo em ordem?
    Eu também vi faz um tempo, e gostei assim no geral – por mais que seja um filme um tanto distaque e sem muito movimento. A história é interessante e um pouco cativante, vale lembrar que o filme é do Peru, então vale a chance sim.

    Responder
  • 15. Pedro Henrique  |  fevereiro 12, 2010 às 11:43 pm

    Magaly, conduzida pela direção sábia de Claudia Llosa, passa confiança para quem vê e ao mesmo tempo causa certo desconforto com algumas imagens que chocam o emocional do público. Apesar disso, a diretora escorrega em simbolismos para construir planos chiques e elegantes, mas que pouco acrescentam ao seu argumento – que por si só já é um tanto quanto bárbaro. Mas é um filme a ser visto, sim!

    Responder
    • 16. Kamila  |  fevereiro 13, 2010 às 12:36 pm

      cmpfama, que bom!

      Jack Lewis, tudo bem, e com você? Não achei o filme sem muito movimento. Eu até gostei bastante dele.

      Pedro Henrique, exatamente. E concordo com teu comentário!

      Responder
  • 17. Alex Gonçalves  |  fevereiro 13, 2010 às 1:32 pm

    Kamila, devo assistir este filme hoje de tarde. Parece ser um ótimo trabalho, pois vi que muitos torceram e ficaram feliz por ele estar sendo indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

    Responder
  • 18. Cassiano  |  fevereiro 13, 2010 às 3:49 pm

    Filmão Kamila, ainda estou digerindo essa obra-prima. Gostei do que falou, mas não entendi a nota tão baixa, ainda mais que vc deu notas altas a filmes tão mais fracos.

    Responder
    • 19. Kamila  |  fevereiro 13, 2010 às 8:07 pm

      Alex, a indicação foi merecida, com certeza!

      Cassiano, é porque eu achei que este filme poderia ter sido melhor. Eu gostei dele, mas a sensação que ficou é que a diretora poderia ter sido melhor.

      Responder
  • 20. Vinícius P.  |  fevereiro 13, 2010 às 10:36 pm

    Parece que o filme é um tanto diferente do que aparenta – ao menos por esse título um tanto bizarro. Esse é um dos próximos da lista, até com a proximidade do Oscar.

    Responder
    • 21. Kamila  |  fevereiro 14, 2010 às 9:29 pm

      Vinícius, é um filme bem diferente, sim! E assista mesmo!

      Responder
  • 22. Mayara Bastos  |  fevereiro 15, 2010 às 8:09 pm

    Desde Berlim, a premissa havia me despertado o interesse, por também conhecer o cinema peruano. Agora, com o seu texto e a indicação ao Oscar, irei procurar por este filme imediatamente.

    Beijos! 😉

    Responder
    • 23. Kamila  |  fevereiro 15, 2010 às 9:23 pm

      Mayara, procure mesmo! Beijos!

      Responder
  • 24. Wally  |  fevereiro 15, 2010 às 9:48 pm

    Nutria uma curiosidade por este antes mesmo da indicação surpresa ao Oscar. Com certeza farei o possível para conferi-lo antes da cerimônia.

    Responder
  • 25. John Nova  |  fevereiro 26, 2010 às 11:49 am

    Meio atrasado pra comentar… (só meio…) Que filiminho estranho! Axo que eu não entendi nada… Muito sem noção… AMPAS adora uma desgraça alheia em “filme estrangeiro” não?

    Responder
    • 26. Kamila  |  fevereiro 27, 2010 às 3:16 am

      Wally, confira mesmo!

      John, o filme é estranho mesmo, mas não acho que este em particular tenha chances de vencer em sua categoria. O favorito é o longa argentino!

      Responder
  • 27. Nathalie  |  setembro 11, 2010 às 4:27 am

    Kkkkkk esse filme é ridiculo! Só dei risada! Principalmente a hr da batata! E a musiquinha da sereia! kkkkkk

    Responder
  • 28. carlos roberto paulino  |  outubro 29, 2010 às 4:02 am

    fiquei impressionado,parabens a claudia llosa por saber retratar com maestria o universo andino e suas crenças, aplausos a magaly saulier por encenar divinamente o papel de fausta, para quem gosta de bom cinema otima pedida ……………..

    Responder
    • 29. Kamila  |  outubro 29, 2010 às 10:49 pm

      Nathalie, não é ridículo.

      Carlos, concordo com seu comentário sobre as duas atrizes deste filme.

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,057 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: