No Meu Lugar

fevereiro 10, 2010 at 10:12 pm 18 comentários

Estamos em um casarão no Rio de Janeiro. Na porta dele, uma empregada doméstica (Luciana Bezerra) desesperada grita em busca de ajuda. Acontece que, naquele momento, ela cruza com um carro de polícia. O Tenente que ali estava desce do veículo e se dirige para dentro do imóvel. A gritaria continua, um tiro é disparado, mas a gente não sabe ao certo o que aconteceu mesmo ali dentro. É este o primeiro ato do filme “No Meu Lugar”, de Eduardo Valente – diretor dos videoclipes de “Condicional” e “Morena”, bem como do DVD “Ao Vivo no Cine Íris”, todos da banda carioca Los Hermanos. 

É assim, com poucas informações, que somos inseridos em uma trama que brinca com as linhas temporais e que coloca passado, presente e futuro acontecendo simultaneamente. Este é um dos fatores, aliás, que dificulta a inserção da plateia na trama do filme e, consequentemente, prejudica a nossa conexão com os personagens cujas histórias de vida acabaram entrelaçadas naquele casarão que encontramos no primeiro ato de “No Meu Lugar”. 

Porém, curiosamente, é justamente ao confrontar realidades totalmente distintas que se encontra a maior força do filme de Eduardo Valente. Os personagens todos estão passando por algum tipo de conflito. O Tenente da polícia tomou uma decisão que acabou influenciando nas vidas da empregada doméstica, do namorado desta (Raphael Sil) e da família dele, bem como nas das pessoas que habitavam aquele casarão e até na da própria filha dele. E é a esta tentativa de fazer um longa ao estilo “Crash – No Limite” ou, para citar uma obra nacional, “O Signo da Cidade” que Valente se apega. 

Cotação: 4,0

No Meu Lugar (The Eye of the Storm, 2009)
Diretor: Eduardo Valente
Roteiro: Eduardo Valente e Felipe Bragança
Elenco: Dedina Bernardelli, Márcio Vito, Raphael Sil, Luca de Castro, Licurgo Spínola, Malu Rocha, Luciana Bezerra

Entry filed under: Cinema.

O Fim da Escuridão A Teta Assustada

18 Comentários Add your own

  • 1. Reinaldo Matheus Glioche  |  fevereiro 11, 2010 às 12:35 am

    A curiosidade para ver o filme acabou de aumentar…

    Responder
  • 2. Wally  |  fevereiro 11, 2010 às 12:36 am

    Quase peguei este filme na sessão cult do Cinemark. Pelo visto, não perdi muita coisa…

    Responder
  • 3. bruno knott  |  fevereiro 11, 2010 às 12:49 am

    Nota 4?
    É, vou passar longe!

    Responder
    • 4. Kamila  |  fevereiro 11, 2010 às 10:30 pm

      Reinaldo, é uma obra interessante, mas a veja sem grandes expectativas.

      Wally, eu vi na Sessão Cult do Cinemark! 🙂

      Bruno K., ok! 🙂

      Responder
  • 5. Vinícius  |  fevereiro 11, 2010 às 6:48 am

    E as atuações, Kamila? O que achastes?

    Responder
  • 6. Reinaldo Matheus Glioche  |  fevereiro 11, 2010 às 1:26 pm

    Um coisa que me impressiona é que quando existe uma opinião contrária ao filme, as pessoas parecem desistir dele. No máximo eu não o verei no cinema, deixando-o para mais adiante, mas como cinéfilo, me obrigo a ver todos os filmes possíveis e que estão ao meu alcançe. Sei que vc tb é assim Ka. Só voltei para fazer esse acréscimo ao meu comentário, para que o meu primeiro comentário não destoe de sentido perto dos outros e tb para expor esse meu ponto de vista que, visivelmente, é diferente.

    Responder
  • 7. Cassiano  |  fevereiro 11, 2010 às 1:29 pm

    Comecei a ler e achei que viria coisa boa por ai. Mas ai seu texto foi desconstruindo o 1º paragrafo e vi a bomba que é esse filme, que nem conhecia.

    Apesar do filme, o texto foi bom.

    Responder
    • 8. Kamila  |  fevereiro 11, 2010 às 10:32 pm

      Vinícius, gostei MUITO da Dedina, da Luciana e do ator que faz o policial.

      Reinaldo, eu também me obrigo a ver todos os filmes possíveis! Obrigada pelo acréscimo e eu concordo com muito do que você disse.

      Cassiano, obrigada! Mas, o filme nem é tão bomba assim. Ele somente poderia ser melhor.

      Responder
  • 9. Pedro Tavares  |  fevereiro 11, 2010 às 5:22 pm

    Poxa, eu achei um ótimo filme. Mesmo na onda de fragmentar o tempo, Valente se saiu bem e construiu um longa que faz boa equivalência entre o drama e o thriller…

    Responder
  • 10. Weiner  |  fevereiro 11, 2010 às 6:15 pm

    Bom, duas ressalvas. Primeiro, tenho alguns problemas com filmes de edição nã0-linear, chegando a curtir este artifício em uns (Babel) e me incomodar em outros (21 Gramas). O filme de Penn e Watts é ótimo, mas a edição (e principalmente a direção) me incomodam um pouco. Segundo, se tentou ser “Crash”, não conseguiu, parece. Pra ganhar 4,0. 🙂
    Beijos!

    Responder
  • 11. Otavio Almeida  |  fevereiro 11, 2010 às 8:19 pm

    Deve ser uma tortura chinesa esse filme, hein!
    Bjs!

    Responder
    • 12. Kamila  |  fevereiro 11, 2010 às 10:33 pm

      Pedro, eu achei este filme mais um drama que um thriller.

      Weiner, eu também gosto de filmes não-lineares. Beijos!

      Otavio, não é tortura chinesa, não! Só tinha potencial para ser um melhor filme. Beijos!

      Responder
  • 13. Vinícius P.  |  fevereiro 11, 2010 às 9:09 pm

    Escutei alguns bons elogios para o filme e como estou em falta com o cinema nacional devo vê-lo em breve – sem expectativa alguma.

    Responder
  • 14. Jack Lewis  |  fevereiro 11, 2010 às 9:43 pm

    kamila, como vai?
    Não vi esse, fico no aguardo da sua opinião por ‘Guerra ao Terror’.

    Responder
    • 15. Kamila  |  fevereiro 11, 2010 às 10:33 pm

      Vinícius, gosto da sua vontade de prestigiar o nosso cinema. 🙂

      Jack Lewis, tudo bem, obrigada. E com você? A crítica de “Guerra ao Terror” sai na próxima semana!

      Responder
  • 16. Pedro Henrique  |  fevereiro 12, 2010 às 11:41 pm

    Eu gosto do filme. Senti algum problema com o ritmo de algumas elipses (algumas cenas são demasiadas longas), mas a maneira com que a história é contada me agradou.

    Responder
    • 17. Kamila  |  fevereiro 13, 2010 às 12:31 pm

      Pedro Henrique, concordo que algumas sequências são bem longas, mas a história tem, sim, alguns pontos interessantes.

      Responder
  • 18. Quanto Dura o Amor? « Cinéfila por Natureza  |  março 23, 2010 às 10:46 pm

    […] aquelas histórias que entrelaçam narrativas diferentes. Depois de “O Signo da Cidade” e “No Meu Lugar”, temos “Quanto Dura o Amor?”, do diretor Roberto Moreira (também co-autor do roteiro do […]

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,349 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: