Sinédoque, Nova York

dezembro 7, 2009 at 10:49 pm 25 comentários

Para tentar compreender “Sinédoque, Nova York”, é importante tentar entender o que significa a figura de expressão que está presente no título do filme. Sinédoque nada mais é do que a tentativa de empregar o todo pela parte, ou a parte pelo todo, do mais para o menos ou vice-versa. Complicado, não? Mas, é assim que funciona a mente do diretor e roteirista Charlie Kaufman. Em todas as suas obras, ele não se preocupa em passar a informação de forma fácil para a plateia. Ele quer que a gente mergulhe fundo em suas tramas, nos seus personagens complexos, nas situações que ele cria – e, aqui, não vai ser diferente. 

O personagem principal de “Sinédoque, Nova York” é o diretor de teatro Caden Cotard (Philip Seymour Hoffman, brilhante como sempre). Quando o encontramos pela primeira vez, tudo na vida dele parece estar indo como planejado. Entretanto, aos poucos, uma série de acontecimentos fortuitos – como a mudança permanente da esposa (Catherine Keener) e da filha para Berlim, a descoberta de enfermidades que vão minando gradativamente as suas forças, a incapacidade dele de inserir novas pessoas em sua vida (como as personagens de Samantha Morton e de Michelle Williams) – vão fazer com que Caden entre numa profunda depressão. 

Após ganhar um prêmio, Caden decide fazer sua obra definitiva, aquela que o representará e será a sua grande contribuição para o mundo artístico. Para tanto, ele se muda para Nova York, aonde constroi uma série de galpões que serão os locais aonde ele colocará a sua vida e as pessoas que fazem parte dela em cena, numa grande tentativa de tentar perceber, afinal, o que deu errado e o que ele pode fazer para consertar aquilo que ele acredita, bem no fundo, ter uma culpa exclusiva sua. 

Toda esta história nos é apresentada por Charlie Kaufman através de uma linha temporal muito confusa. As coisas vão acontecendo sem nos dar tempo de digerir o ocorrido e de nos situarmos também dentro da história. Por isso, não é difícil para a gente compreender e se colocar na pele de Caden: estamos na mesma confusão e no mesmo turbilhão de emoções que ele. Por causa dessa razão, “Sinédoque, Nova York” é um filme um tanto irregular e que carece de certa linearidade. Seu único momento brilhante é a cena em que um padre faz um monólogo num funeral, em um dos ensaios da interminável peça de Caden. Aí, sim, Charlie Kaufman prova porque é um dos profissionais mais respeitados do cinema atual. 

Cotação: 4,0

Sinédoque, Nova York (Synecdoche, New York, 2008)
Diretor: Charlie Kaufman
Roteiro: Charlie Kaufman
Elenco: Philip Seymour Hoffman, Catherine Keener, Sadie Goldstein, Michelle Williams, Samantha Morton, Hope Davis, Jennifer Jason Leigh, Emily Watson, Dianne Wiest

Entry filed under: Cinema.

Cena da Semana Lua Nova

25 Comentários Add your own

  • 1. cineamador  |  dezembro 8, 2009 às 12:14 am

    hummm… Os pontos negativos me desafiam e me faz querer assisti-lo.

    Responder
    • 2. Kamila  |  dezembro 8, 2009 às 12:25 am

      Cineamador, então o assista!

      Responder
  • 3. Mayara Bastos  |  dezembro 8, 2009 às 1:21 am

    Veria pelo ótimo elenco, por que o jeito que Charlie Kaufman faz cinema deixa-me de enxaqueca de tão confuso, rsrsrsrsrs.

    Beijos! 😉

    Responder
  • 4. Reinaldo Matheus Glioche  |  dezembro 8, 2009 às 1:59 am

    Pois é, as grandes lições de Sinédoque Nova Iorque: Philip Seymour Hoffman é bom até lendo lista telefônica como dizia Paulo Francis e Charlie Kaufman não deve se aventurar a dirigir… Que entregue seus roteiros a um diretor mais coeso.
    Bjs Ka!

    Responder
  • 5. Vinícius P.  |  dezembro 8, 2009 às 2:36 am

    Acho que você foi um pouco dura com o filme, hehe. Tá certo que não chega a ser um grande trabalho do Kaufman, mas ainda assim achei interessantíssimo – e o elenco é ótimo.Abs!

    Responder
    • 6. Kamila  |  dezembro 8, 2009 às 3:00 am

      Mayara, eu cheguei à conclusão de que os filmes dele não são pra mim! Beijos!

      Reinaldo, o Philip é um baita ator. Simplesmente brilhante. Mas, não seria radical a ponto de dizer que Charlie Kaufman nunca deve dirigir mais na vida. Beijos!

      Vinícius, :-). O filme é deveras interessante, mas peca, sim, pela irregularidade. Abraço!

      Responder
  • 7. Alexandre  |  dezembro 8, 2009 às 6:26 am

    Kamila, estou pra ver esse filme faz tempo… quem viu e que me comentou sobre também teve os mesmos problemas que vc teve para acompanhar tantas idas e vindas do roteiro.

    Vou me arriscar e depois comento, ou até resenho rsrs.

    Responder
  • 8. Luis Galvão  |  dezembro 8, 2009 às 11:30 am

    Eu não seria tão cruel com o Kaufman, acho esse um filme-menor dele, sim. Mas acho que valeu por vê um elenco não de estrelas mas sim de atores comprometidos e que se aventuram nos mais diversos gêneros no cinema sem medo.

    Responder
  • 9. Marcus Vinícius  |  dezembro 8, 2009 às 3:16 pm

    Achei fraco também, a idéia foi boa mas a execução foi muito confusa, muito ‘cabeça’ pra mim, haha.

    Beijos, ótima semana!! x)

    Responder
    • 10. Kamila  |  dezembro 8, 2009 às 11:27 pm

      Alexandre, você usa a palavra certa. Se arriscar! Assista e depois diga o que achou!:-)

      Luís, os atores estavam, sim, comprometidos. Isso é verdade. Talvez, o elenco seja o ponto alto desse filme.

      Marcus, exatamente! Beijos e ótima semana!

      Responder
  • 11. Otavio Almeida  |  dezembro 8, 2009 às 6:26 pm

    YESSSSSSSSSSSSSS! Dá-lhe, Kamila! Finalmente alguém concorda comigo sobre este filme!!!!!!!!

    Responder
  • 12. Weiner  |  dezembro 8, 2009 às 7:46 pm

    Coisas assinadas por Kaufman são no mínimo curiosas. Este, em especial, vale pelo elenco – a história mesmo, é exageradamente confusa.
    Não evolui o bastante para viver no mesmo planeta que Kaufman.
    Beijos!

    Responder
  • 13. bruno soares  |  dezembro 8, 2009 às 8:33 pm

    Eu gosto MUITO do Charlie Kaufman, Kamila. Mas estou com vc e não abro.

    Responder
    • 14. Kamila  |  dezembro 8, 2009 às 11:33 pm

      Otavio, que bom que não estás mais sozinho! 🙂 Beijos!

      Weiner, exatamete. A história é totalmente confusa! Beijos!

      Bruno S., finalmente, concordamos em alguma coisa, ultimamente!

      Responder
  • 15. Rogerio  |  dezembro 9, 2009 às 1:28 pm

    Pois é Kamila, eu alem de nao conseguir seguir a linha de raciocinio de Kaufann, tambem achei tudo muito chato. Nao me prendia a atençao nada do que se passava ali, apesar de achar que a obra é bem original.
    Mas nao estou pronto pra esse filme, quem sabe num futuro faça outra leitura.

    Responder
    • 16. Kamila  |  dezembro 9, 2009 às 11:27 pm

      Rogerio, concordo plenamente com seu comentário. Me senti da mesma forma assistindo ao filme.

      Responder
  • 17. Wally  |  dezembro 10, 2009 às 8:20 am

    Vou ver nesta semana. Depois te falo o que achei.

    Responder
  • 18. Vulgo Dudu  |  dezembro 10, 2009 às 6:43 pm

    Nossa, eu acho esse filme genial! E acvho a falta de linearidade extremamente pertinente nele. A ideia de transformar o galpão na sua própria vida, o medo de se descolar da realidade, os pensamentos claustrofóbicos… Acho perfeito!

    Bjs!

    Responder
  • 19. Rafael Carvalho  |  dezembro 10, 2009 às 8:42 pm

    Achei essa estreia do Kaufman na direção uma grande decepção. Apesar da proposta inicial do filme ser bastante interessante, a execução parece se perder na tentativa de parecer cult e inteligente. Mas o melhor é o elenco, todos, sem exceção, estão maravilhosos. Samantha Morton e Emilly Watson são minhas preferidas.

    Responder
    • 20. Kamila  |  dezembro 10, 2009 às 11:44 pm

      Wally, vou ficar aguardando! 🙂

      Dudu, seu pensamento tem fundamento. Sua opinião me fez pensar aqui! 🙂 Beijos!

      Rafael C., o elenco é realmente o melhor que este filme tem a oferecer.

      Responder
  • 21. O Cara da Locadora  |  dezembro 12, 2009 às 1:47 pm

    Sério, nota 4? Eu achei o filme muito intrigante e me deu vontade de vê-lo várias vezes… Ainda não me decidi se o achei pedante ou se o achei genial…

    Responder
    • 22. Kamila  |  dezembro 12, 2009 às 4:55 pm

      O Cara da Locadora, sério! Eu acho um filme sem pé nem cabeça, mas condizente com a mente do Charlie Kaufman.

      Responder
  • 23. Pedro Henrique  |  dezembro 13, 2009 às 12:04 pm

    Achei um bom filme, uma experiência realmente produnda. Além das competentes performances do elenco.

    Responder
    • 24. Kamila  |  dezembro 13, 2009 às 8:31 pm

      Pedro, a experiência pode ser profunda, mas o filme é raso demais. Só o elenco mesmo pra se sobressair.

      Responder
  • 25. SANDRA  |  dezembro 28, 2009 às 12:41 am

    li atentamente os cometarios. principalmente os queles que não gostaram >,. das duas uma : ou vcs. não entenderam a complecidade a obra que é bastante fora do padrão pois foi tofinha constrida fora da lineriadade costumeira….ou ainda são jovens demais. pois o diretor tramou no macro–nas partes e no todo. Na vida real isto acontece aos montes nas nossas famllias no entorno e contorno do nosso cotidiano….mas a maioria nem sequer OBSERVA PROFUNDAMNETE AS QUESTÓES HUMANAS DE SUAS DECORRENCIAS PORTANTO ,daí não entender a complectude da obra, que so digna de elogios ao diretor roteito e expecioanal atuação do elenco.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,118 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: