Cena da Semana

novembro 15, 2009 at 9:34 pm 21 comentários

(O monólogo no funeral – Sinédoque, Nova York [2008] – diretor: Charlie Kaufman)

“Everything is more complicated than you think. You only see a tenth of what is true. There are a million little strings attached to every choice you make; you can destroy your life every time you choose. But maybe you won’t know for twenty years. And you may never ever trace it to its source. And you only get one chance to play it out. Just try and figure out your own divorce. And they say there is no fate, but there is: it’s what you create. And even though the world goes on for eons and eons, you are only here for a fraction of a fraction of a second. Most of your time is spent being dead or not yet born. But while alive, you wait in vain, wasting years, for a phone call or a letter or a look from someone or something to make it all right. And it never comes or it seems to but it doesn’t really. And so you spend your time in vague regret or vaguer hope that something good will come along. Something to make you feel connected, something to make you feel whole, something to make you feel loved. And the truth is I feel so angry, and the truth is I feel so fucking sad, and the truth is I’ve felt so fucking hurt for so fucking long and for just as long I’ve been pretending I’m OK, just to get along, just for, I don’t know why, maybe because no one wants to hear about my misery, because they have their own. Well, fuck everybody. Amen.”

Entry filed under: Cena da Semana.

Os Reis da Rua 9 – A Salvação

21 Comentários Add your own

  • 1. Mayara Bastos  |  novembro 15, 2009 às 10:08 pm

    Infelizmente, ainda não vi o filme. Então, não verei a cena ainda. Chegou na locadora e tentarei vê-lo depois das provas da semana.

    Beijos e tenha uma ótima semana! 😉

    Responder
  • 2. Marcel Gois  |  novembro 15, 2009 às 10:34 pm

    Ótima escolha, Kamila! Esse monólogo é excelente. 🙂
    adorei assistir novamente.
    abraço!

    Responder
  • 3. Louis Vidovix  |  novembro 15, 2009 às 10:52 pm

    Filme lindo!!!! Essa cena é, sem dúvidas, a que mais me emocionou dentre todas da temporada passada.

    Responder
    • 4. Kamila  |  novembro 15, 2009 às 10:58 pm

      Mayara, não sabia que o filme tinha chegado nas locadoras. Beijos e ótima semana!

      Marcel, obrigada! Abraço!

      Louis, não achei esse filme lindo, mas esta cena me emocionou!

      Responder
  • 5. Alyson  |  novembro 16, 2009 às 2:18 am

    Eita, não vi ainda o filme, mas vejo elogios por todos os cantos. Vou procurar assistir. Beijos!

    Responder
  • 6. Rafael Moreira  |  novembro 16, 2009 às 3:56 am

    Adoro Charlie Kaufman, mas eu não assisti esse filme. E não vou ver a cena pra não estragar ;). Bjs!

    Responder
  • 7. Marcelo Augusto Paiva  |  novembro 16, 2009 às 3:06 pm

    Kamila! Tudo bem ? Então, simplesmente adorei sua idéia de colocar cenas marcantes do cinema!
    Estou sempre por aqui, seu blog é genial e muito bem criado, equilibrado.

    Parabens pelo seu otimo trabalho.
    Quanto a cena, ainda não vi o filme, mas pretendo!
    Se der, passe no Cinemótica.
    Abraços.

    Responder
    • 8. Kamila  |  novembro 16, 2009 às 11:01 pm

      Alyson, apesar do destaque à esta cena, em particular, este foi um filme que achei muito irregular. Beijos!

      Rafael Moreira, faz bem, uma vez que esta é a melhor cena do filme! Beijos!

      Marcelo Augusto, tudo bem, obrigada. Esta é uma seção fixa aqui do blog, em que coloco as cenas que mais me emocionam toda semana. 🙂 Abraços!

      Responder
  • 9. Ricardo Martins  |  novembro 16, 2009 às 4:25 pm

    Oi Kamila, interessante essa cena, me deu até vontade de ver o filme! Boa indicação!

    ABRAÇO

    Responder
  • 10. Luis Galvão  |  novembro 16, 2009 às 4:25 pm

    Esse filme tem realmente algumas falhas, mas essa cena impressiona mesmo. Acho que o elenco está ótimo (Seymour como sempre, Morton e Keener, e todas as participações maravilhosas)

    Responder
  • 11. Victor Nassar  |  novembro 16, 2009 às 4:48 pm

    Essa cena é mesmo ótema!
    Charlie Kaufmann é difícil, é sempre uma metáfora explícita na tela, palpável. Ainda que ache “Sinédoque NY” uma doidera, e por vezes os filme tenha um ritmo chato, acho que é uma experiência que deve ser vista. Tem sua “chatice”, mas ao menos foge do lugar comum, e isso já é muito válido pra mim.

    Beju Kamila!

    Responder
    • 12. Kamila  |  novembro 16, 2009 às 11:08 pm

      Ricardo, obrigada! Abraço!

      Luís, concordo contigo em relação ao elenco e ao filme em si.

      Victor, os filmes do Charlie Kaufman não são pra mim. Cheguei a essa conclusão! Mas, sempre os assisto, pois são experiências diferentes de cinema e eu sempre valorizo isso. Beijo!

      Responder
  • 13. Reinaldo Matheus Glioche  |  novembro 17, 2009 às 12:54 am

    Ótima cena. Não gostei tanto desse filme, mas ele tem grandes momentos e esse é um deles. Parabéns pela boa escolha.
    Bjs KA!

    Responder
    • 14. Kamila  |  novembro 17, 2009 às 1:19 am

      Reinaldo, eu também não gostei muito desse filme e, para mim, o melhor momento dele foi justamente esta cena. Beijos!

      Responder
  • 15. Renan Canuto  |  novembro 17, 2009 às 8:37 pm

    Achei esse filme exageradamente sonolento. Não desceu. Aguardo sua resenha. Beijos!

    Responder
    • 16. Kamila  |  novembro 17, 2009 às 10:29 pm

      Renan, esse filme também não me desceu. Beijos!

      Responder
  • 17. WILLIS DE FARIA (Cinefilomaniacos)  |  novembro 18, 2009 às 1:13 am

    Sinédoque, New York é uma viagem no imaginário do escritor e diretor, Charlie Kaufman, conhecido por seu gosto pelo incomum, mas que desta vez, surpreende com a criação de uma obra-prima quase instantânea repleta de significado s, como fúria, solidão, complexidade, dor, perdão paixão, poesia e amor. Sinédoque (SIH-pescoço) – (DOH-KEE) é uma palavra cujo significado não é essencial para a compreensão do filme. Retrata a vida de Caden Cotard, diretor de teatro, ganhador de um prêmio, que resolve montar uma peça de teatro para contar sua própria estória de vida, cuja construção da peça dura 17 anos. Ele é um homem infeliz, hipocondríaco com reais problemas de saúde: erupções cutâneas, convulsões, olhos secos, tremores e vitima de desordens intestinais. Sinédoque, New York é um enlouquecedor filme intelectual, mas é emocionalmente distante, como se estivessem olhando Kaufman em seus personagens pela ponta errada de um telescópio, e só poderia ver a sua dor. Escritor / diretor Charlie Kaufman constrói um mundo aparentemente a explorar e, em seguida, sobre o tempo que vai destruí-lo. Presumivelmente, o filme é sobre a decadência humana em suas múltiplas facetas: física, ética, artística. É uma meditação sobre a criatividade, a falha, decrepitude e da iminência da morte. Caden (Philip Seymour Hoffman) é um homem profundamente deprimido. Um suburbano diretor de teatro, onde é auto-absorvido pelo trabalho, desligado da família, quando sua esposa, uma pintora de nini-quadros (Catherine Keener), o abandona e leva sua filha de 4 anos para Berlim. O roteiro segue mais ou menos para as convenções do realismo. Um filme para os amantes de arte, e conhecedor de teatro e obras cinematográficas. Se você esta em busca de um filme de ação, ficará decepcionado, pois veras uma história 100% dramática. Nota: 7,0

    Responder
  • 18. Matheus  |  novembro 18, 2009 às 1:49 am

    É um filme extremamente difícil de se gostar… Eu não consegui entrar no clima. Mas esse monólogo é brilhante!

    Responder
    • 19. Kamila  |  novembro 18, 2009 às 10:52 pm

      Willis, interessante a sua visão sobre o filme.

      Matheus, eu também não consegui entrar no clima do filme!

      Responder
  • 20. Wally  |  novembro 19, 2009 às 3:15 am

    Estou com aquele aqui para assistir. Estou aguardando o momento certo pois considero o cinema de Kaufman especial. Gosto de estar em um estado de espírito imersivo. Portanto, não verei o vídeo!

    Responder
  • 21. Sinédoque, Nova York « Cinéfila por Natureza  |  dezembro 7, 2009 às 10:49 pm

    […] é um filme um tanto irregular e que carece de certa linearidade. Seu único momento brilhante é a cena em que um padre faz um monólogo num funeral, em um dos ensaios da interminável peça de Caden. Aí, sim, Charlie Kaufman prova porque é um […]

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,127 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: