Coração Vagabundo

outubro 24, 2009 at 1:14 pm 16 comentários

Um dos mais celebrados cantores e compositores da música brasileira, Caetano Emanuel Viana Teles Veloso é o objeto central do documentário “Coração Vagabundo”, dirigido por Fernando Grostein Andrade (irmão do apresentador Luciano Huck). O interessante é que o filme não lança um olhar sobre toda a rica trajetória artística e pessoal do seu personagem principal ou das polêmicas nas quais Caetano se envolveu. Apesar de citar alguns momentos fundamentais da carreira de Veloso (como a discussão ocorrida no Festival Internacional da Canção, em 1968, quando “É Proibido Proibir” foi vaiada pelo público), o documentário joga seu olhar na turnê de divulgação do álbum “A Foreign Sound”, de 2004 – o primeiro CD totalmente em inglês feito pelo cantor, no qual ele oferece versões para alguns dos maiores clássicos da música norte-americana. 

Só por ter feito esta escolha, o diretor Fernando Grostein Andrade, de 28 anos, já mostra certa sabedoria, pois ele aborda aqui um tema que é bastante delicado, uma vez que muitas pessoas criticam Caetano Veloso por ele ser aberto demais, por ele gravar Peninha e Kurt Cobain; por ele não ter medo de assumir que faz, sim, música popular; por ele elogiar gente que não faz parte do que as pessoas consideram ser a elite do bom gosto musical. Neste sentido, em várias das intervenções que faz, durante “Coração Vagabundo”, Caetano Veloso dá a cara a bater, seja falando que a música norte-americana é a melhor do mundo, seja falando sobre a comida japonesa, seja falando sobre a sua insegurança em falar inglês. 

Uma outra escolha bastante sábia do diretor foi colocar, em seu documentário, imagens da turnê de Caetano em cidades que são uma representação fiel de um mundo cosmopolita e moderno: Nova York, Osaka, Kyoto e Tóquio. Ver Caetano nestas localidades, desbravando suas ruas e suas culturas, ao mesmo tempo em que ele mesmo está ali para mostrar a sua arte para pessoas que possuem o mínimo de contato com a cultura brasileira oferece margens para uma pequena constatação: a de que a música de Caetano é clássica, atemporal e reflete um desejo de seu próprio intérprete de ser alguém que ultrapassa as divisões geopolíticas e que faz algo que é inerente e tem apelo universal – apesar de Veloso, várias vezes, frisar o fato de que os caminhos são muito mais tortuosos para alguém como ele, que vem do Terceiro Mundo. 

“Coração Vagabundo” é um documentário que poderia ser resumido da seguinte forma: o diretor Fernando Grostein Andrade pegou sua câmera e a deixou rolando solta, pegando momentos genuínos de Caetano Veloso. O mais legal nisso tudo é que o cantor/compositor se sentiu totalmente à vontade com o diretor e a sensação que a gente tem, ao assistir o filme, é que Caetano está conversando informalmente conosco. E, como ele é um personagem interessante, tem muita coisa boa para dizer. Generoso é o diretor da obra que teve a chance de ter proximidade com esse cara e compartilhou isso conosco. Portanto, assistir a este documentário é uma experiência que deve ser aproveitada e apreciada. 

Cotação: 9,5

Coração Vagabundo (2008)
Diretor: Fernando Grostein Andrade
Roteiro: Giuliano Cedroni
Com os depoimentos de: Caetano Veloso, Pedro Almodóvar, Michelangelo Antonioni, Gisele Bundchen, Paula Lavigne, David Byrne

Entry filed under: Cinema.

Tá Chovendo Hambúrguer Cena da Semana

16 Comentários Add your own

  • 1. Vinícius P.  |  outubro 24, 2009 às 3:02 pm

    Confesso que não sou um dos maiores fãs do artista (apesar de apreciar algumas de seus trabalhos), mas como adoro o gênero certamente devo conferir esse “Coração Vagabundo”.

    Responder
  • 2. Amanda Aouad  |  outubro 24, 2009 às 4:45 pm

    A escolha de documentar uma parte da vida do artista, em vez de fazer o lugar comum de doc biográfico, foi bastante feliz, o filme é gostoso de ver, com uma montagem rápida e coerente. O tempo passa e a gente nem percebe. Como você falou, uma experiência que deve ser aproveitada.

    Responder
  • 3. Reinaldo Matheus Glioche  |  outubro 24, 2009 às 5:02 pm

    Interessante a opção do diretor. Valorizada pelo seu olhar. Realmente, Caetano Veloso já rendeu muitas retratações( lisonjeiras ou não) em variadas mídias, mas poucas vezes buscou-se o que move o artista tão temperamental e abrangente. Ainda não vi o filme. Mas sua critica me estimilou.
    Bjs

    Responder
    • 4. Kamila  |  outubro 25, 2009 às 12:58 am

      Vinícius, espero que assista e goste do filme. 🙂

      Amanda, exatamente. O tempo passa e a gente nem percebe enquanto está assistindo o filme. A experiência é super agradável.

      Reinaldo, espero que assista ao filme. Beijos!

      Responder
  • 5. Bruno Soares  |  outubro 24, 2009 às 5:20 pm

    Eu não sabia desse doc, mas gosto muito do Caetano; se tiver a oportunidade, verei.

    Bjs!

    Responder
    • 6. Kamila  |  outubro 25, 2009 às 12:59 am

      Bruno, assista mesmo! Beijos!

      Responder
  • 7. Brenno Bezerra  |  outubro 25, 2009 às 5:39 pm

    Minha família inteira é fã de Caetano, desde a minha avó até a minha irmãzinha. Tenho certeza que esse filme será uma experiência incrível.

    BEIJOS

    Responder
  • 8. Robson Saldanha  |  outubro 25, 2009 às 6:07 pm

    Poxa Kamila, esse seu texto me chamou bastante atenção. Amo música brasileira, adoro as músicas de Caetano. Fiquei curioso por esse documentário!

    Responder
    • 9. Kamila  |  outubro 25, 2009 às 10:33 pm

      Brenno, eu não sou fã do Caetano, mas apreciei demais o filme. Beijos!

      Robson, espero que tenha a chance de assistí-lo!

      Responder
  • 10. Rafael Carvalho  |  outubro 26, 2009 às 2:38 pm

    Kamila, perdi esse documentário quando estive em Salvador na metade do ano, e vejo muita gente falando bem. Uma pena porque gosto do Caetano.

    Responder
    • 11. Kamila  |  outubro 27, 2009 às 12:05 am

      Rafael, esse filme é muito bom mesmo!!

      Responder
  • 12. Alexandre  |  outubro 27, 2009 às 2:06 am

    Não gosto do Caetano mesmo , não me desce em nenhum aspecto… mas, já vi docs de gente que não gostava e eles me agradaram rsrs

    Responder
  • 13. Pedro Tavares  |  outubro 27, 2009 às 9:15 pm

    Não faz meu estilo, mas a importância desse figura é inegável.

    Responder
    • 14. Kamila  |  outubro 27, 2009 às 10:41 pm

      Alexandre, então, esse pode ser seu caso. 🙂

      Pedro Tavares, com certeza!

      Responder
  • 15. André C.  |  janeiro 29, 2010 às 1:12 pm

    Kamila,
    assisti ao filme ontem em DVD. Concordo com tudo que disse e nos extras do DVD ainda temos algumas entrevistas que não foram para o documentário. Caetano puro e simples!

    Bjo!

    Responder
    • 16. Kamila  |  janeiro 29, 2010 às 10:14 pm

      André C., ah, fiquei com vontade de assistir ao DVD agora. 🙂 Beijo!

      Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,283 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: