O Exterminador do Futuro: A Salvação

junho 17, 2009 at 12:42 am 23 comentários

Todos os filmes da série “O Exterminador do Futuro”, a qual foi criada pelo diretor James Cameron e sua co-roteirista Gale Anne Hurd, se baseiam ou aprofundam os motivos da luta que se trava entre os poucos sobreviventes humanos a um holocausto nuclear e os ciborgues criados pela empresa Skynet para destruírem estes seres que formam o grupo chamado Resistência. Sob a liderança de John Connor (interpretado por atores como Nick Stahl, Edward Furlong e, agora, Christian Bale), está em jogo muito mais que a perpetuação da espécie, e sim impedir que vivamos num mundo em que a singularidade do coração humano esteja ausente. 

No quarto filme da série, “O Exterminador do Futuro: A Salvação”, de McG, temos um cenário muito similar ao descrito no primeiro parágrafo. O roteiro escrito por John D. Brancato e Michael Ferris se passa no ano de 2018. John Connor está diante de uma situação que ameaça desacreditar toda a ideia de futuro que ele tinha – e que lhe foi passada pela mãe Sarah. Ao conhecer Marcus Wright (Sam Worthington), um estranho metade humano e meio ciborgue, Connor se vê tendo que ser obrigado a tomar decisões rápidas e urgentes e que estão relacionadas diretamente com a questão da sobrevivência humana e dos verdadeiros interesses da Skynet em ver todos os humanos aniquilados. 

Dirigido por McG, de obras inexpressivas como “Somos Marshall”, “As Panteras Detonando” e “As Panteras”, “O Exterminador do Futuro: A Salvação” é um filme que carrega nenhuma assinatura e, por isso, nem parece ser uma seqüência de uma popular franquia. Isso está diretamente relacionado ao fato de que McG é um diretor operário padrão, ou seja, ele faz aquilo que o estúdio que o contratou quer e se esquece de colocar sua própria visão dentro do material – apesar de, e é importante frisar isso, “O Exterminador do Futuro: A Salvação” apresentar parte de suas cenas de ação com tomadas interessantes e bem diferentes do que estamos acostumados a ver. 

Porém, McG não é o único problema deste filme. O roteiro de John D. Brancato e Michael Ferris é muito mal estruturado. Em nenhum momento a história consegue nos envolver por completo e isso acontece porque o desenvolvimento dos personagens é muito fraco. Além disso, algumas situações inseridas ficam totalmente forçadas e o filme perde a oportunidade de explorar ligações interessantes, como a que se dá entre John Connor e Marcus Wright – especialmente porque este último é um ciborgue único em sua estrutura, digamos, física. 

Cotação: 6,0 

O Exterminador do Futuro: A Salvação (Terminator: Salvation, 2009)
Diretor: McG
Roteiro: John D. Brancato e Michael Ferris (com base nos personagens criados por James Cameron e Gale Anne Hurd)
Elenco: Christian Bale, Sam Worthington, Helena Bonham Carter, Anton Yelchin, Bryce Dallas Howard, Jane Alexander, Common

Entry filed under: Cinema.

Revista Elege os 25 Filmes Estrangeiros Mais Importantes da Década A Piada do Dia

23 Comentários Add your own

  • 1. Wally  |  junho 17, 2009 às 6:14 am

    Tenho alguns problemas com o filme – como você – mas achei o visual bem composto, as cenas bem construidas e a parte técnica impecável. E ainda gostei bastante do elenco. Só acho que o filme começa ótimo e vai ficando fraco, até chegar num fim pífio. Esperava mais, mas achei o resultado bacana.

    Nota 7,0

    Ciao!

    Responder
  • 2. Roberto Queiroz  |  junho 17, 2009 às 11:52 am

    Logo de cara: não curto o McG (isso é fato). Não fui assistir ainda porque, cá entre nós, eu sou um saudosista. Não consigo imaginar a franquia sem o Schwarzenneger. Não é nada contra o Christian Bale (gosto muito dele). É uma questão de fidelidade. Vou deixar para o dvd – como fiz com Rebelião das Máquinas.

    Responder
  • 3. Priscilla  |  junho 17, 2009 às 2:44 pm

    Difícil ver o Exterminador sem ser o Arnold.

    Estou começando um blog de cinema hoje. Se quiser fazer uma visita: http://alltheclassics.blogspot.com/

    vou fazer um review de “A felicidade não se compra” no próximo post.

    Adorei seu blog, vou linkar!

    abraço!

    Responder
    • 4. Kamila  |  junho 17, 2009 às 11:26 pm

      Wally, eu não esperava nada desse filme e ele continuou a não me dizer nada enquanto eu o assistia.

      Roberto, mas, mesmo com Schwarzenegger, a franquia andava fraca. O que foi feito aqui não ajuda em nada.

      Priscilla, obrigada pela visita e pelo comentário. Abraço!

      Responder
  • 5. altieresmachado  |  junho 17, 2009 às 3:38 pm

    Olá Kamila

    Encontrei seu blog por aí e já virei seguidor. Gostei muito.

    Sobre Exterminador 4 eu ainda não tenho muito o que comentar, por coinscidência vou ver o filme hoje no cinema. Mas ando ouvindo muitas críticas por aí, assim como as suas. Apesar de algumas referências aos filmes anteriores, dizem que ficou muita coisa sem explicação e tem mesmo um roteiro complicado. VOU VER PARA CONFERIR. Mas como fã é claro.

    Abraços e até.

    Responder
  • 6. luis galvão  |  junho 17, 2009 às 3:42 pm

    Logo de cara, não curto o Exterminador, nunca gostei. Sempre respeitei todos que gostam, e sei da ‘importância’ dele para o cinema, afinal, ele atualizou e usou os efeitos especais jamis esperados.
    Mas nenhum John Connor me cativou. E fazer um Exterminaodor sem (ou quase sem) o Schwarzenneger?
    sintomuito, vou esperar lançar em dvd.
    “Hasta la vista Baby”

    Responder
  • 7. Wallace  |  junho 17, 2009 às 6:07 pm

    Também não gostei do filme, e, mesmo sabendo que era o McG o diretor, fui para o cinema cheio de expectativas … doce ilusão.
    Acho que vale a pena pela dupla de protagonistas, e pelo visual pós-apocalíptico muito bem criado. E só.
    Gostei do seu blog, vou te linkar, ok?
    Abraço!

    Responder
    • 8. Kamila  |  junho 17, 2009 às 11:27 pm

      Altieres, obrigada pela visita e pelo comentário. Recomendo assistir ao filme sem expectativa alguma. Abraços!

      Luís, eu concordo plenamente com seu comentário.

      Wallace, obrigada pela visita, pelo comentário e pelo link. Abraço!

      Responder
  • 9. X• Cℓєвєя  |  junho 17, 2009 às 8:24 pm

    Ainda estou pra ver isso, mais já é bom não criar expectativas!

    Responder
  • 10. Brenno Bezerra  |  junho 17, 2009 às 8:36 pm

    NÃO PUDE DEIXAR DE LER ALGUNS COMENTÁRIOS SEUS EM OUTROS POSTS, E ASSIM COMO VOCÊ TAMBÉM TIVE DE CONTROLAR O SONO NO DECORRER DO FILME.

    BEIJOS

    Responder
  • 11. Otavio Almeida  |  junho 17, 2009 às 9:50 pm

    UUUUUUUUUUUUUU para esse filme! Vaias! Quase tomei um Dramin durante a sessão.

    Bjs!

    Responder
    • 12. Kamila  |  junho 17, 2009 às 11:28 pm

      Cleber, exatamente.

      Brenno, eu dormi assistindo ao filme. Beijos!

      Otavio, ficou enjoado, foi? 🙂 Beijos!

      Responder
  • 13. Bruno Soares  |  junho 17, 2009 às 11:54 pm

    Realmente os roteiristas exploraram muito mal a relação entre os dois protagonistas. Poderia ter sido um filme muito melhor se tivesse menos explosões e mais ênfase no aspecto psicológico. Abração!

    Responder
    • 14. Kamila  |  junho 18, 2009 às 12:36 am

      Bruno, exatamente. Eu concordo. Abraço!

      Responder
  • 15. Anderson Siqueira  |  junho 18, 2009 às 2:02 am

    Com uma qualidade técnica fora de série, O EXTERMINADOR DO FUTURO: A SALVAÇÃO é um colírio para os olhos. Sequências muito bem planejadas e executadas, locações paradisíacas, efeitos visuais de primeira e uma fotografia satisfatória. Em vários momentos, o filme me fez lembrar as sequências de FILHOS DA ESPERANÇA. O som também é muito bem utilizado, seja no barulho ou até mesmo no silêncio. E a trilha sonora acompanha as cenas com perfeição, complementando-as. As atuações, por sua vez, são medíocres, mas não comprometem o resultado final da película, que foi extremamente surpreendente – positivamente falando. Temos que lembrar que a franquia sofreu uma metamorfose com a saída de Arnold Schuzenneger e o ingresso do talentoso Cristian Bale. Mas vou contar um segredinho: Schuazzeneger faz uma pontinha no filme, que valeu pela saga toda. Por fim, a direção de McG foi positiva ao propor entretenimento e agradar pela tecnologia de ponta utilizada na produção e um roteiro que sustentou muito bem o projeto, com arguições consisas e exagerando concientemente e na dose certa em algumas cenas de ação.

    SORO: som; sequências; edição; produção; trilha sonora; locações; efeitos visuais; direção.

    VENENO: atuações; erros de continuidade.

    NOTA (0 a 5): 4,5
    ****

    Responder
    • 16. Kamila  |  junho 18, 2009 às 2:10 am

      Anderson, nossa. Você gostou deste filme muito mais que eu.

      Responder
  • 17. Vinícius P.  |  junho 18, 2009 às 3:03 am

    Nada, absolutamente NADA do que li a respeito desse filme até agora me fez ficar ansioso por ele. Até os elogios são moderados, o que me deixa perguntando se realmente vale a pena conferir “Terminator: Salvation” nos cinemas…

    Responder
    • 18. Kamila  |  junho 18, 2009 às 11:33 pm

      Vinícius, eu deixaria pro DVD. Sinceramente!

      Responder
  • 19. Mayara Bastos  |  junho 19, 2009 às 11:38 am

    Olá, Kamila! Tudo bem?

    Eis um filme que não tenho a minima vontade de conferir, deixarei quando passar numa “tela quente” da vida. rsrsrs

    Beijos! 😉

    Responder
    • 20. Kamila  |  junho 19, 2009 às 11:51 pm

      Mayara, tudo bem, obrigada. E com você? Tá certo. Beijos!

      Responder
  • 21. Paulo  |  junho 20, 2009 às 1:47 am

    O filme é excelente! Apesar de não ter o Arnold como protagonista (a imagem dele com + ou – 30 anos animada com recursos de computação gráfica que dão vida ao T-800 em uma cena já no finalzinho), o filme é fiel à franquia e conta a história com muita ação, suspense e efeitos especiais fantásticos. Para quem tem menos de 20 anos de idade, se ainda não viu, aconselho que veja os 3 primeiros filmes da série, principalmente o 1. O clima sombrio, os exterminadores com cara de esqueletos T-600 e a trilha sonora, incluindo aí a incidental, tudo remete ao primeiro filme. A única coisa que senti falta foi do T-1000, pois a estória se passa algum tempo antes de ser inventado, mas acho que surgirá em uma possível continuação.

    NOTA: 9,0

    Responder
    • 22. Kamila  |  junho 20, 2009 às 11:36 pm

      Paulo, eu discordo de você. Pelo visto, você é fã da franquia.

      Responder
  • […] CARA DA LOCADORA Gustavo Razera MULHOLLAND CINELOG João Paulo Rodrigues CINE JP Kamila Azevedo CINÉFILA POR NATUREZA Luciano Lima A SALA Marcelo Silva COMENTANDO CINEMA Otavio Almeida HOLLYWOODIANO Pedro Henrique […]

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,057 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: