Divã

junho 5, 2009 at 8:40 pm 28 comentários

Em um dos trechos do livro “Divã”, de autoria de Martha Medeiros, a personagem principal, a professora particular e aspirante à pintora Mercedes afirma: “Quero ventilação, não morrer um pouquinho a cada dia sufocada em obrigações e em exigências de ser a melhor mãe do mundo, a melhor esposa do mundo, a melhor qualquer coisa. Gostaria de me reconciliar com meus defeitos e fraquezas, arejar minha biografia, deixar que vazem algumas ideias minhas que não são muito abençoáveis”. 

Em tal trecho, podemos encontrar toda a essência do filme dirigido por José Alvarenga Jr., cujo roteiro se baseia em uma bem sucedida peça teatral, a qual, por sua vez, foi inspirada pela obra de Martha Medeiros. “Divã” fala de uma maneira fácil e bem humorada sobre uma necessidade básica de qualquer ser humano: a de compreender a si próprio, a de tentar encontrar seu lugar no mundo, a de tentar se conhecer a fundo. E Mercedes encontra isso nas sessões de terapia com o psicanalista Lopes – aqui, temos um recurso narrativo muito interessante, pois o terapeuta nunca mostra seu rosto ou intervém na trama do filme. Ele é um puro ouvinte passivo de todos os relatos de Mercedes.

No filme, vamos acompanhar cerca de três anos da vida dela, os quais englobam os relacionamentos com o marido Gustavo (José Mayer), os dois filhos, a melhor amiga Mônica (Alexandra Richter); as escapadelas com Theo (Reynaldo Gianecchini) e Murilo (Cauã Reymond); a necessidade de se sentir desejável e atraente perante um terceiro olhar e, principalmente, a vontade de se fortalecer como pessoa, de forma a enfrentar as dificuldades e as pequenas crises diárias que encontramos em nossa rotina. 

O grande ponto que conta a favor de “Divã” é a leveza do material que nos é apresentado. Nesse sentido, o diretor José Alvarenga Jr., que tem no currículo séries como “A Diarista”, “Minha Nada Mole Vida”, “Os Aspones”, “Os Normais”, “Sai de Baixo”, “A Justiceira”, entre outros, é o profissional perfeito para relatar esta história. Além disso, o diretor acertou ao manter Lília Cabral (que carrega com competência o longa nas costas) e Alexandra Richter nos mesmos papeis que elas interpretaram na peça. A química entre elas é outra qualidade de “Divã”. Contra o filme, no entanto, atua a sensação de rapidez com que a história é concluída. Eu fiquei com gosto de quero mais. 

Cotação: 7,0 

Divã (2009)
Diretor: José Alvarenga Jr.
Roteiro: Marcelo Saback (com base na peça de sua autoria e no livro de Martha Medeiros)
Elenco: Lília Cabral, Alexandra Richter, José Mayer, Reynaldo Gianecchini, Cauã Reymond, Eduardo Lago, Elias Gleiser

Entry filed under: Cinema.

Canções de Amor Cena da Semana

28 Comentários Add your own

  • 1. Vinícius P.  |  junho 5, 2009 às 9:50 pm

    Parece ser o típico caso de filme nacional que mesmo com fins quase que totalmente comerciais, parece apresentar algo de interessante. Me interesso especialmente pela atuação da Lília Cabral, uma excelente atriz.

    Responder
  • 2. Mayara Bastos  |  junho 6, 2009 às 1:21 am

    Olá, Kamila! tudo bem?

    O filme deve valer mesmo pela atuação da Lília Cabral, que parece estar hilária. Mas tem uma premissa interessante.

    Beijos e tenha um ótimo fim de semana! 😉

    Responder
    • 3. Kamila  |  junho 6, 2009 às 2:37 am

      Vinícius, exatamente. Neste caso, o interessante é a leveza e a graça do material. A Lília está excelente no filme.

      Mayara, tudo bem, obrigada. E com você? Como disse ao Vinícius, o filme vale pela Lília Cabral e pela leveza do material. Beijos e bom final de semana!

      Responder
  • 4. Rafael Carvalho  |  junho 6, 2009 às 3:10 am

    Eu infelizmente perdi esse filme aqui no cinema e devo ver mais a frente, embora não tenha tantas expectativas por ele. Parece comédia besteirol, mas vale dar uma chance!

    Responder
    • 5. Kamila  |  junho 6, 2009 às 3:20 am

      Rafael Carvalho, vale dar uma chance, sim. E o filme não tem nada de besteirol.

      Responder
  • 6. Wally  |  junho 6, 2009 às 7:58 am

    Não me interessei em vê-lo nos cinemas, mas verei em DVD por causa de críticas positivas como a sua.

    Responder
  • 8. •. Cℓєвєя! .  |  junho 6, 2009 às 1:30 pm

    Em meio a muita coisa ruim brasileira, tá ai um projeto agradavél!

    Responder
  • 9. Jeniss Walker  |  junho 6, 2009 às 1:57 pm

    vejo em DVD. e olhe lá.
    não estou muito curioso, mas se for um 6.5, ja será lucro.
    abraço, Ka 🙂

    Responder
  • 10. Marcel Gois  |  junho 6, 2009 às 3:04 pm

    Adorei o filme, correspondeu às minhas expectativas! Também achei interessante e eficiente não mostrar o terapeuta e nem deixar que ele interfira na trama. Adorava as cenas que ela ‘conversava’ com ele.. =) E a dupla aí da fto é simplesmente sensacional! Duas ótimas atrizes.

    Responder
    • 11. Kamila  |  junho 6, 2009 às 7:29 pm

      Cleber, o interessante é perceber que, neste ano, o cinema brasileiro só nos brindou com bons projetos leves e agradáveis – casos de “Se Eu Fosse Você 2”, “Divã” e “A Mulher Invisível”.

      Jeniss, você irá rir bastante com este filme e isso será suficiente. Abraço!

      Marcel, eu não esperava muita coisa, mas fiquei feliz de ver que o filme tem muitos pontos legais. E as duas atrizes da foto dão show!!

      Responder
  • 12. Hugo  |  junho 6, 2009 às 6:00 pm

    Não sou grande fã destes filmes brasileiros com a cara da Globo Filmes, mas fiquei curioso com esta história. Me parece bem próximo da realidade, sem ofender a inteligência do espectador.

    Até mais.

    Responder
    • 13. Kamila  |  junho 6, 2009 às 7:29 pm

      Hugo, exatamente!! Até mais!

      Responder
  • 14. Renan Canuto  |  junho 6, 2009 às 7:54 pm

    Kamila, posso dar uma sugestao? Por que vc náo faz um post sobre a evoluçao do cinema nacional?

    Embora quase nao comente, vivo lendo seu blog. Gosto muito das suas análises sobre filmes.

    Vi Diva e gostei. Hilário.

    Responder
  • 15. Brenno Bezerra  |  junho 6, 2009 às 8:23 pm

    VI O TRAILER E ME INTERESSEI DE VERDADE, SÓ O ROTEIRO QUE ME DEIXOU COM UM PÉ ATRÁS, SERÁ QUE UMA MULHER NÃO TÃO VELHA QUE MORA NO BRASIL REALMENTE NÃO SABERIA O REAL SIGNIFICADO DE “BALADA”?

    BEIJOS

    Responder
  • 16. Roberto Queiroz  |  junho 6, 2009 às 9:48 pm

    Ainda não tive oportunidade de assistir, mas já li o livro e sei do que se trata (gosto muito da Martha Medeiros). Podia ter visto no Odeon e perdi a oportunidade de ver a Lílian Cabral, que é ótima. Mas ainda vou dar uma conferida. Sinto que vale o ingresso.

    P.S: Claquete muda de endereço (cansei de tratar com a minha antiga página), mas mantém a qualidade que todos que visitam já conhecem. Só falta você aparecer lá…

    Responder
    • 17. Kamila  |  junho 7, 2009 às 12:56 am

      Renan, obrigada pelas visitas e pelo comentário. Eu vou tentar seguir sua sugestão. Adorei!!

      Brenno, pode acontecer… Tem muita gente que não entra em contato com esse tipo de gíria. Beijos.

      Roberto, vale o ingresso, sim. E te visitarei no novo endereço.

      Responder
  • 18. Otavio Almeida  |  junho 6, 2009 às 11:09 pm

    Não vi o filme , Kamilinha! Mas gosto muito da Lilia Cabral, uma grande atriz!

    Bjs! Bom final de semana!

    Responder
  • 19. Carol  |  junho 6, 2009 às 11:10 pm

    Olá!
    Eu assisti à peça e não vi necessidade de ir ao cinema. Será que vale a pena mesmo?

    Beijocas!

    Responder
  • 20. Matheus  |  junho 7, 2009 às 12:05 am

    Kamila, como já disse por aí, tenho pavor da Martha Medeiros e dos textos dela, então nem vou conferir esse “Divã”.

    Responder
    • 21. Kamila  |  junho 7, 2009 às 12:58 am

      Otavio, a Lília é mesmo uma grande atriz. Beijos e bom final de semana!

      Carol, eu não vi a peça, mas gostei do filme. Achei ótimo! Beijos!

      Matheus, eu não conheço os textos da Martha Medeiros, mas eu gostei de “Divã”.

      Responder
  • 22. Vulgo Dudu  |  junho 7, 2009 às 4:21 am

    Num sei não, hein… Eu já não gosto do que escreve a Martha Medeiros…

    Bjs!

    Responder
    • 23. Kamila  |  junho 7, 2009 às 6:26 pm

      Dudu, como eu disse ao Matheus, nem conheço os textos da Martha Medeiros, mas gostei de “Divã”. Beijos!

      Responder
  • 24. Pedro Henrique  |  junho 9, 2009 às 4:42 pm

    Bom elenco. Não gostei do filme, mas ri demais com a cena da sauna (“É amiga, mentir para sim mesma é melhor solução numa horas dessas”).

    Responder
    • 25. Kamila  |  junho 10, 2009 às 12:40 am

      Pedro, eu ri em VÁRIAS cenas desse filme. 🙂

      Responder
  • 26. Sandra C.  |  junho 10, 2009 às 12:50 am

    já senti uma necessidade imensa de assistir esse filme, só depois de ver seu resumo.

    quero já, amanhã! hoje!

    Responder
    • 27. Kamila  |  junho 10, 2009 às 2:07 am

      Sandra, este é um filme leve, descompromissado. Eu recomendo!

      Responder
  • 28. De Pernas pro Ar « Cinéfila por Natureza  |  janeiro 14, 2011 às 1:37 am

    […] Pernas pro Ar” é um filme tipo “Divã”, pois fala sobre os conflitos da mulher moderna de uma forma leve e descompromissada. Se você […]

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,214 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: