Linha de Passe

novembro 4, 2008 at 9:23 pm 25 comentários

No futebol, a expressão “linha de passe” designa a troca de toques entre um time sem que a bola seja interceptada pelo adversário. De uma certa maneira, é isto que fazem os diretores Walter Salles e Daniela Thomas, os quais apresentam a trama de “Linha de Passe” com muita tranqüilidade, com total cadência e sem enfrentarem qualquer tipo de falta grave.

 

O filme segue o cotidiano de uma família que mora na Cidade Líder, bairro pobre de São Paulo. A mãe, Cleuza (Sandra Corveloni, vencedora do prêmio de melhor atriz no Festival de Cinema de Cannes deste ano), trabalha como empregada doméstica e está grávida do seu quinto rebento. Os filhos Dênis (João Baldasserini) é motoboy, Dario (Vinícius de Oliveira, que volta a trabalhar com Salles depois de ter feito “Central do Brasil”) é um aspirante a jogador de futebol, Dinho (José Geraldo Rodrigues) é frentista de um posto de gasolina e Reginaldo (Kaique Jesus Santos) tem a preocupação exclusiva de tentar buscar a verdadeira identidade de seu pai – a única coisa que o garoto sabe sobre ele é que o trabalho dele é dirigir um ônibus.

 

O roteiro escrito por George Moura e Daniella Thomas com a colaboração de Bráulio Mantovani mostra um contraponto bem interessante entre Cleuza e seus quatro meninos. Enquanto ela é a prova viva daquela pessoa cujos projetos de vida foram engolidos pela necessidade de assumir o papel de pai e mãe de uma família; os filhos são jovens que estão tentando encontrar seus caminhos, que tentam fazer o que é correto, mas, ao mesmo tempo, podem acabar metendo os pés pelas mãos em busca daquilo que eles acreditam que necessitam.

 

É bom prestar atenção à maneira como Walter Salles e Daniela Thomas apresentam a história que querem contar. A fotografia de Affonso Beato e Mauro Pinheiro Jr. é totalmente documental e, em momento algum, a câmera parece estar se intrometendo na ação – ela está somente capturando o dia-a-dia da família de Cleuza. A música de Gustavo Santaolalla aparece nos momentos certos. O elenco como um todo oferece atuações totalmente naturais, sem qualquer tipo de exagero. Uma pena que “Linha de Passe” não tenha sido o nosso representante na disputa por uma vaga na categoria de Melhor Filme Estrangeiro, no Oscar 2009, porque este filme é um verdadeiro gol de placa.

 

Cotação: 9,7

 

Linha de Passe (2008 )

Diretores: Walter Salles e Daniela Thomas

Roteiro: George Moura e Daniela Thomas com a colaboração de Bráulio Mantovani

Elenco: Sandra Corveloni, João Baldasserini, Vinícius de Oliveira, José Geraldo Rodrigues, Kaique Jesus Santos

Entry filed under: Cinema.

Trovão Tropical Rocket Science

25 Comentários Add your own

  • 1. Roberto Queiroz  |  novembro 4, 2008 às 9:56 pm

    Devido à má vontade dos cinemas cariocas, não consegui assisti-lo ainda. Já vi que vai ficar para DVD mesmo. O que é uma pena, pois adoro o Salles. E Linha de Passe – pelo que vi no You Tube – parece filmaço!

    blogs:
    http://claque-te.blogspot.com
    http://pequenos-takes.blogspot.com

    Responder
  • 2. Hugo  |  novembro 4, 2008 às 10:18 pm

    Walter Salles já mostrou que seu ponto forte são os dramas, “Central do Brasil”, “Diários da Motocicleta” e “Abril Despedaçado” são ótimo exemplos e este novo trabalho é o material ideal para seu talento.
    Ainda preciso conferir este filme.

    Até mais.

    Responder
  • 3. Kamila  |  novembro 4, 2008 às 10:33 pm

    Hugo, concordo. Ainda mais quando ele dirige dramas intimistas, como é o caso de “Linha de Passe”. Não deixe de conferir o filme. Até mais!

    Responder
  • 4. Otavio Almeida  |  novembro 5, 2008 às 1:33 am

    O pior é que escolheram aquela porcaria do Bruno Barreto para tentar uma vaga no Oscar.

    Bjs!

    Responder
  • 5. Anderson Siqueira  |  novembro 5, 2008 às 9:29 am

    Respeito a sua opinião, mas discordo. Pra mim “Linha de Passe” não passa de um amontoado de clichês com uma técnica impecável. Até mesmo o efeito especial do garoto dirigindo o ônibus é excelentemente bem feita. Mas só.

    NOTA (O a 5): 3
    ***

    Responder
  • 6. Alyson  |  novembro 5, 2008 às 9:49 am

    De fato, “Linha de Passe” está sendo muito elogiado. Nem sei como esta a distribuição do filme (Ainda nos Cinemas ou já em DVD) , mas vou ficar de olho, pois esse ai parece ser mais um filme brasileiro em que mostra a qualidade que pode ser encontrada por aqui.

    Beijos, Kami!

    Responder
  • 7. Kamila  |  novembro 5, 2008 às 12:31 pm

    Otavio, culpa do Walter Salles e da Daniela Thomas, que não quiseram inscrever “Linha de Passe” na seleção do Minc porque não teriam tempo de fazer campanha pelo filme na Academia. Beijos!

    Anderson, o filme tem alguns clichês, mas, de alguma maneira, a trama do filme parece ser forçada. Acho que o que a gente vê está bem justificado.

    Alyson, a distribuição do filme não está legal. Para se ter uma idéia, o filme estreou na mesma época que “Cegueira” e só chegou aqui na minha cidade nesta semana. Beijos!

    Responder
  • 8. Vulgo Dudu  |  novembro 5, 2008 às 1:45 pm

    Caramba, muito bacana ler sua resenha logo após ter escrito a minha, Kamila! Você tocou nos pontos certos. Eu acho que Linha de passe é uma obra que ainda vai levar tempo para ganhar a notoriedade que merece. É um cinema diferente, extremamente técnico, mas ainda ssim profundo e sensível. Poderia ser clichê – até porque a vida é um clichê miseável, e toda a linha artística humanista segue por esse caminho, inexoravelmente -, mas graças ao roteiro preciso, passa longe disso! Um filmaço!

    Bjs!

    Responder
  • 9. Romeika  |  novembro 5, 2008 às 2:46 pm

    Kamila, eu gosto de filmes nesse estilo, com quase nenhuma ou minima interferencia tecnica, interpretacoes naturais, realismo.. E como gosto do trabalho do Walter Salles, esse filme, sem duvida, eh dentre os nacionais, o mais aguardado por mim.

    Responder
  • 10. Vinícius P.  |  novembro 5, 2008 às 3:12 pm

    Adorei o texto e fiquei ainda mais ansioso para ver esse filme que seria nosso representante ideal para a disputa no Oscar – mas só o reconhecimento em Cannes (o primeiro do Brasil em quase vinte anos) já é algo a ser comemorado.

    Responder
  • 11. Kau  |  novembro 5, 2008 às 3:43 pm

    Kami, quando li seu comentário na comunidade sobre Linha de Passe, pensei: ela deu, no mínimo, 9,5!!! BINGO!! Hahahahahahaha.

    Mas, permita-me discordar de você. Acho que o filme acerta muito em alguns quesitos, mas erra bastante em outros. Acho o desfecho extremamente impensável e absurdo e algumas metáforas (como a do desentupidor) não tinham o porquê de estarem ali. Mas sabe o que acontece? Lendo críticas além da sua, percebo que o problema está todo comigo, que não consegui absorver a sensibilidade do filme (até questiono a falta disso). Desta forma, falando por mim, não escolheria o filme de Walter e Daniela para tentar vaga no Oscar; mas veja bem: acho que, por lá, ele faria um certo sucesso. Não escolheria pelo fato de Estômago, por exemplo, ser superior.

    Respeitando a sua opinião e a do Dudu, que também deu notão ao filme, vou fazer questão de revê-lo.

    Bjos.

    Responder
  • 12. Pedro  |  novembro 5, 2008 às 4:05 pm

    Não passou no Projeta Brasil daqui, aí eu fui ver Encarnação do Demônio.

    Responder
  • 13. Kamila  |  novembro 5, 2008 às 4:35 pm

    Dudu, li sua resenha antes de publicar a minha e digo o mesmo a você, que tocou nos pontos certos do filme ao falar dele no seu blog. E, quanto ao seu comentário, eu não poderia falar sobre “Linha de Passe” de uma melhor maneira. Beijos!

    Romeika, eu espero que você goste muito de “Linha de Passe” quando o assistir.

    Vinícius, com certeza o prêmio em Cannes deve ser comemorado, mas seria ideal que o Walter e a Daniela tivessem decidido inscrever o filme na seleção do Minc. Uma pena!

    Kau, não achei o desfecho absurdo. Tudo bem que a história não tem, digamos, uma conclusao; mas você sabe que todos eles vão ficar bem – apesar de tudo. Talvez, como o Dudu disse, este será um filme que vai demorar a ter seu valor reconhecido. Quem sabe, com futuras visitas, você não comece a gostar do longa – que, acredito, se fosse nosso representante, teria sérias chances de ser indicado. Beijos!

    Pedro, que pena! Mas, pelo menos, você viu “Encarnação do Demônio”, outro filme que teve sérios problemas de distribuição por aqui.

    Responder
  • 14. Robson Saldanha  |  novembro 5, 2008 às 4:45 pm

    Kamila, realmente é uma pena que Linha de PAsse não tenha sido o nosso indicado pra indicação ao Oscar. Vendo ele e Última Parada vê-se que ele tem muito mais perfil de um filme que não somente requer pobreza e palavrão para ser bom. Eu gostei tanto quanto você e ressalto também os pontos que falou. É um filme que deixa você pensando sobre a vida. O que mais me revoltou não foi nem com o filme e sim com o pessoal, ninguém sabe valorizar o nosso cinema, o pessoal saiu da sala esculhambando e falando que só podia ser brasileiro mesmo, isso me revolta muito! aconteceu isso na sua sessão?

    Responder
  • 15. Alex Sandro Alves  |  novembro 5, 2008 às 5:03 pm

    Kamila não gostei de ‘Linha de Passe’. O elenco é sensacional, os personagens são “reais” e divertidos, sua qualidade técnica é inegável, mas achei a abordagem muito fria. A emoção está a todo momento pedindo passagem mas ela simplesmente não acontece. Sem falar na sensação que fiquei que o roteiro não sabendo aonde queria ir terminou chegando a lugar nenhum. Abs!

    OBS: Sem sombra de dúvida a melhor opção para representar nosso país no Oscar 2009! Agora resta torcer por ‘Última Parada 174’.

    Responder
  • 16. hypado  |  novembro 5, 2008 às 5:15 pm

    O Walter é Gênio. Ele e o Fernando são os melhores.

    Responder
  • 17. Kau  |  novembro 5, 2008 às 5:20 pm

    Kami, é exatamente isso. Percebo que é meu dever assistí-lo novamente, hahahahahaha. Na verdade, não foi todo o desfecho que achei absurdo, mas sim o dado ao garotinho. Como assim ele me sai dirigindo um ônibus??? Hahahahahahahaha.

    Bjos!

    Responder
  • 18. Kamila  |  novembro 5, 2008 às 6:15 pm

    Roberto, realmente, “Linha de Passe” teve uma distribuição horrorosa no Brasil. Espero, então, que consiga assistir ao filme em breve, nem que seja no DVD.

    Robson, na minha sala, alguns jovens saíram no meio do filme; enquanto outros ficaram rindo alto em momentos que não tinha nada a ver. Além disso, no final, ficou aquele silêncio constrangedor, como se tivesse faltado algo. Uma pena que as pessoas reajam a este filme desta forma.

    Alex Sandro, entendo um pouco este seu ponto de vista da frieza do filme e acho que isso tem a ver com aquilo que mencionei em meu texto: a questão da câmera não ficar entrando na ação, sendo somente uma testemunha. Confesso que os aspectos que você citou não me incomodaram.

    Hypado, concordo totalmente!

    Kau, é dever de nós todos assistirmos a este filme novamente! 🙂 Entendo o desfecho do garotinho como a forma dele se libertar da necessidade de saber quem é seu pai, pois, no fundo, ele tem consciência daquilo que ele é de verdade. Beijos!

    Responder
  • 19. Cassiano Sairaf  |  novembro 5, 2008 às 6:50 pm

    Walter Salles é o nosso maior palhaço!

    Responder
  • 20. Kamila  |  novembro 5, 2008 às 9:42 pm

    Cassiano, você fala isso por causa daquela declaração que ele deu sobre o Oscar, né?

    Responder
  • 21. Wally  |  novembro 6, 2008 às 2:36 am

    Queria muito ter visto este filme. Parece ser do típo de longa singelo e belo simplesmente irresistível. Não vejo a hora!

    Ciao!

    Responder
  • 22. Cassiano Sairaf  |  novembro 6, 2008 às 2:30 pm

    Não só essa Kamila, nessa ele já mostrava um pouco de seu caratér.

    Mas, recentemente, saiu na coluna do Diogo Mainardi na Veja, dizendo que ele (Walter $alles) deu uma entrevista para uma televisão russa dizendo que aqui no Brasil, com o governo Lula, a fome tinha sido erradicada.

    O jornalista então retrucou, mostrando saber a nossa realidade, o pq dos filmes dele sempre mostrar gente pobre, como Central, ele então disse q Central foi feito na época da ditadura militar!?!

    O jornalista então perguntou de Linha de Passe, mais atual, e ele disse que isso foi antes das melhoras do País.

    Responder
  • 23. Kamila  |  novembro 6, 2008 às 8:11 pm

    Wally, espero que consiga assistir a este lindo filme em breve!

    Cassiano, eu li esta coluna do Diogo Mainardi e fiquei decepcionada com o Walter. Acho que ele não precisava dizer estas coisas…. E a gente sabe que nosso país ainda tem MUITO o que melhorar!

    Responder
  • 24. Vulgo Dudu  |  novembro 7, 2008 às 12:47 pm

    Kamila, você deveria ficar decepcionada com o Diogo Mainardi, que escreve para uma revista decepcionante, diga-se de passagem! Um colunista reacionário em uma revista reacionária comandada pela ala política mais detestável do país. Fico pasmo quando os colégios mandam os vestibulandos lerem Veja… É um desfavor ao progresso do Brasil.

    Bjs!

    Responder
  • 25. Kamila  |  novembro 7, 2008 às 9:07 pm

    Dudu, nossa, não sabia que pensava assim a respeito da Veja. Eu até gosto da revista! Beijos!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


A autora

Kamila tem 29 anos, é cinéfila, leitora voraz, escuta muita música e é vidrada em seriados de TV, além de shows de premiações.

Contato

cinefilapn@gmail.com

Último Filme Visto

Lendo

Arquivos

Blog Stats

  • 453,214 hits

Feeds


%d blogueiros gostam disto: